Novos Soldados, Velhos Problemas

Hoje, pouco mais de 400 soldados estão sendo formados. Parabéns para eles, que em menos de 6 meses (se levarmos em consideração cada dia de aula) conseguiram a formação que os habilitará a ficar quase 24 anos sem nenhum outro curso de qualificação dentro da Corporação.
Isso porque essa "formação", a que foram submetidos os novos soldados, os habilitará a chegar até à graduação de segundo sargento, ocasião em que terão de fazer o Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos (CAS).
Essa conclusão está de acordo com a atual lei de promoções, que estabelece que um soldado deva levar 10 anos até ser promovido a cabo, e como cabo tem de ficar mais 5 anos até ser terceiro sargento, e para chegar a segundo sargento deverá permanecer 6 anos como terceiro, o que no final de tudo – se for respeitado o interstício –, levará um total de 21 anos para que o militar chegue finalmente à graduação que o CFP os habilita, ou seja, ser segundo sargento; depois disso, os primeiros colocados levarão mais dois anos até que a Corporação os "chame" para uma "reciclagem".
Enquanto isso, no Exército, na Marinha e na Aeronáutica, os generais não abrem mão da existência do Curso de Formação de Soldados, Curso de Formação de Cabos e Curso de Formação de Sargentos; onde um Soldado é formado em 6 ou 8 meses, cabos e sargentos em 1 ano (ou quase isso), e todos os respectivos cursos são em período integral, em internato e em três turnos.
Então, por que na PMAL (reserva do Exército) é diferente? Respondo: "alguém" querendo "mostrar serviço" (para respaldar as futuras gemadas e cargos comissionados) ao então governador Ronaldo Lessa, teve a "brilhante" ideia de propor a criação do CFP nos moldes em que ele se apresenta, sob o argumento de que com isso o Estado deixaria de perder com a formação dos militares e a Corporação não deixaria de contar com os militares que precisassem fazer cursos para as respectivas promoções. Essa informação, a de que o Estado "deixaria de perder" e de que a Corporação não "deixaria de contar com o efetivo que ia para os cursos" foi prestada pelo próprio Lessa em várias entrevistas.
Mas voltando ao núcleo base desse texto, levando-se em consideração o número do efetivo que passa a atuar no policiamento das nossas cidades, em termos quantitativos e qualitativos, isso não quer dizer nada. OBS: estou me referindo ao número do efetivo e não aos novos militares.
Vou lhes mostrar o porquê dessa afirmação pegando por parâmetro apenas o efetivo que vai ser formado em Arapiraca e disponibilizado nas adjacências daquela região.
Em Arapiraca estão sendo formados 114 soldados, os quais (se não forem designados para tirar PO) irão compor guarnição do serviço motorizado, a qual é composta por três militares. Para entendermos melhor o que eu quero mostrar façamos de conta que os novos soldados irão compor guarnições somente entre eles. Assim, considerando que nas atuais escalas de 12x24 x 12x48 temos 4 grupos de serviço (A, B, C e D ou I, II, III e IV), podemos dizer que isso corresponde a 12 militares por grupo de serviço (três por guarnição). Logo, se estão sendo formados 114 militares em Arapiraca, isso é quase o mesmo que colocar um grupo de serviço (com 12 militares, cada três em turnos de 12 horas) em 10 cidades circunvizinhas a Arapiraca.
Então perguntamos: isso resolve? Claro que não. Existem 102 municípios em Alagoas, além do que metade do efetivo da PM está na capital. Com esse número de novos soldados não podemos nem dizer que se pode tampar o sol com essa peneira.
Além do mais, outro ponto a ser considerado é que vai levar, no mínimo, um ano até que estes recrutas estejam "familiarizados" com o serviço, ou seja, ainda vamos levar muito tempo até que tenhamos uma qualificação prática razoável por parte desses novos soldados.
A carência de efetivo na PM é gritante. Atualmente os concursos que são realizados mal dá para repor o efetivo que se aposenta anualmente, o que segundo o TC Lovercy é algo em torno de 400 militares por ano. Portanto, se em 2006 entraram uns 1.000 soldados, os quais passaram a trabalhar nas ruas no ano seguinte, se de 2006 a 2010 uns 400 militares foram para a reserva, o déficit é de 1.000 (2.000 – 1.000), somente no período de 2006 a 2010. Haja vista que estamos em 2011, e pouco mais de 500 militares estão sendo formados, diante dos 400 militares que irão para a reserva somente este ano (fora os que sairão por outros motivos), isso resolve alguma coisa? Para o Coronel Gilmar Batinga, conforme entrevista na cidade de Satuba no dia 18/04, sim. E ele não é o único a pensar dessa forma. Na mesma "cartilha" que o Batinga estudou também estudaram os seus pares na cúpula da PMAL.
É lamentável admitir que estamos sendo administrados por pessoas que não querem incomodar o governo para não perder a boquinha (atual e futura).
Seja como for, o que este major entende é que as estratégias no tocante ao efetivo da PMAL devem ser revistas. Mesmo porque cada novo soldado que entra na Corporação não substitui o militar que vai para a reserva, pois, como dito, o militar que vai para reserva – geralmente – é um graduado e detém vasto tempo de experiência.
Em termos bem práticos podemos assim concluir: está mais do que na hora de o comando se posicionar quanto a isso e exigir que o governo faça os concursos necessários, caso contrário a tendência é vermos os atuais quadros negativos da criminalidade dobrarem.

4 comentários :

2002 doido de peda disse...

O pior é que essa recrutalhada é uma peste:
Tem um bucado de bandido, nao houve investigacao social, tudo macetoso, preguicoso e daqui a pouco tao tudo baixado já.
E outra: eu vi uma foto de um tirando foto com o Lulu. Eu queria nada tirar foto com aquele anticristo, tudo babao de ovo

Anônimo disse...

O retrado da nossa seguranca e de como o estado trata seus funcionarios é a imagem da viuva do capitao macario, esse sim, um homem de bem, em contraste com o ingresso de mais 500 verdinhos, tudo doido pra combater o crime e comendo a paima que esse governador e esse miseravel desse secretario de inseguranca prega, é assim entao, o servidor principalmente o pulicia é descartavel no sistema deles, morre um eles veem e botam um no lugar deles. Espero que esses verdinhos tenham melhor sorte que noiz antigao, mas pelo que eu to vendo infelizmente ainda vai morrer um bucado ate que o guverno se ligue.

Anônimo disse...

Se alguém quer mudar a PMAL é preciso respeitar os companheiros e parar com essa história de dizer que os policias são macetosos, preguiçosos e que vão todos baixar...até porque estamos numa luta contra os opressores e não contra os oprimidos!
Vão dizer q macetoso e preguiçoso é o CG e seus parceiros e só não baixam porque é impossivel baixar estando numa sala com ar condicionado e andando de carro pra cima e pra baixo.
Falo por mim...a formação do policial militar da PMAL é um lixo!

obrigado! e continuem a públicar!!!
Vamos a luta! Pela mudança na PMAL!
SDPM2010

Anônimo disse...

Sd 2002 alterador:

Parabens aos recruotes que se recusaram a sair ontem para as ruas sem condicoes de trabalho, parabens mesmo! Vamos seguir o exemplo de vc se nos antigoes vamos fazer o mesmo vamos revolucionar essa PMAL do MAL

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver