"Era uma vez..."

Um certo dia, no distante Reino Encantado de ESTALAGA, o Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria, responsável pela defesa do reino, mandou divulgar uma notícia muito má (vocês saberão qual foi a matéria mais adiante), querendo confundir a Dona Opinião Pública, que residia no reino. Felizmente, todos sabiam que a Dona Opinião Pública nunca prestigiou mesmo as ações da Sala das Especulações da Defesa Sombria, que fica num assustador castelo onde mora o malvado personagem que invariavelmente vive camuflado vestido de bom cordeiro.
Na Sala das Especulações da Defesa Sombria (por todos no reino conhecida) ninguém conseguia acabar com o Grande Mal que maltratava as pessoas boas: a Bruxa Crymina e suas 4 filhas horrorosas, as bruxinhas Viollenta, Corruptta, Incompetentta e Embusta.
A bruxa Crymina usava Viollenta para lançar pragas sobre o reino; essas pragas, num dos tantos terríveis momentos, causaram grande aflição e quase quinhentas terríveis mortes somente nos primeiros 3 meses de um ano. Crymina, como visto, lançava mão de Viollenta para horrorizar a todos.
Viollenta era protegida pela sua irmã Corruptta, que tinha por maior satisfação minar os parcos recursos do Reino de ESTALAGA. Devido a grande atuação destas duas ninguém conseguia fazer nada, ainda mais porque tudo era atrapalhado pela terrível Incompetentta, que era totalmente encoberta pela Embusta (também conhecida como Orgulha), uma ardilosa bruxinha que acreditava tanto na sua capacidade, que inspirou um jargão plebeano adotado por outros povos que diz assim: "por fora bela viola, por dentro, pão bolorento".
Para que o leitor tenha noção de como era essa personagem, veja o vídeo a seguir:
video

ESTALAGA tinham um exército que tentava combater Crymina e suas filhas perversas. Mas, pobre exército! Tão pequenininho, e com poucos cavalos e poucas armas e com os bravos soldados que não eram nem reconhecidos e nem recompensados pelo rei, Dom Teotônius II, como mereciam. Veja só que ironia dos defensores do reino: combater com tanta coragem personagens tão cruéis que aterrorizavam o reino e não serem reconhecidos por isso. Que tristeza!
Tudo ia ruim, até que um dia aconteceu o pior. O pequeno exército de ESTALAGA caiu doente por causa de um feitiço lançado pela bruxa Crymina. Que tragédia! O Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria, terrivelmente guiado pela bruxa Incompetentta, mandou ignorar perante a Dona Opinião Pública a razão das doenças de quase todos os milhares de soldados do reino terem caídos doentes, bem como determinou que todos os dispensados fossem investigados pelo Quase Cardeal Jojorda, cujas ordens, na verdade, era achar uma forma de atribuir a culpa da doença aos próprios soldados.
ESTALAGA ficou desprotegida sem os seus bravos soldados. Sabendo que o exército finalmente caíra doente, as bruxas deitavam e rolavam. Crymina trabalhava como uma louca, pois os soldados estavam fora de combate. Suas filhas provocaram mais mortes, e mais, e mais...  Os lugares por onde as perversas filhas de Crymina passavam ficaram mais perigosos que qualquer campo de batalha. As bruxas precisavam ser detidas, pois a população do reino estava vivendo um caos, o que afetou a Arrecadação dos Tributos do Reino. Mesmo combalidos os soldados foram obrigados a obedecer às ordens do Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria, sem reclamar, haja vista que para o rei (que não queria investir no exército) os cofres da corte precisavam ser locupletados. Assim, os soldados foram expostos ao sacrifício. E eles não podiam sequer falar entre si contra as ações do seu comande, por mais opressivas que fossem as ações, senão seriam castigados pelo Regum Lamentus, um terrível opressor, quedentre as suas táticas usava castigos, perseguição e banição do Reino.
Crymina, a bruxa que existia há vários séculos, era ainda criança quando percebeu que tinha que ter o seu exército também. Este exército paralelo era formado principalmente por Marginalis e Traficas. Dois tipos de mazelas que quase nunca eram presos, porque os integrantes da Sala das Especulações da Defesa Sombria sempre os subjugava pela cruel Incompetentta. Em meio isso, a Sala das Especulações da Defesa Sombria também não conseguia acabar com um problema interno, a requisição dos Soldados Apadrinhadospor por parte dos Nobres da Corte, que sobre o pretexto do Serviço de Assessoramentodos mais variados ou em Funções Vis, não abriam mão dos soldados. Por essa razão podemos concluir que muitos soldados ficavam teoricamente a serviço do reino, separados de seus pares que padeciam no combatem às cruéis filhas de Crymina.
Estes foram dias terríveis, repletos das mais variadas inversões de sorte. Mas estes não eram os únicos problemas. ESTALAGA também sofria com a cruel influência da assustadora Ingerenthia, amiga dos nobres e ricos do reino; que atuava nos mais variados setores e em todos os rincões mais distantes. Dai porque se entender a forte "influência" nos destacamentos avançados do exército do reino, mais comumente conhecidos como Caserninhas (termo diminuto de Casernas, principais destacamentos do exército). Uma dessas Caserninhas ficava no, nem tão distante, Condado de Dom Migueles, de Campenis dos Bonfas Flutuantenis (obs: o termo "Campenis", que é nome próprio,é grafado sem acento, mas tem como pronúncia "Câmpenis", tal qual uma palavra proparoxítona; por favor, sigam essa recomendação para não gerar confusão – uuiii); lá, no Condado de Dom Migueles, um dos nobres dava guarida e comida aos soldados, e feno para a cavalaria de ESTALAGA.
Bem, voltando ao terror que assolava o reino...
Depois do grande susto com as atuações da bruxa Crymina, o Rei de ESTALAGA (que chegou até a pensar em chamar o Chapolin Colorado, ou talvez o São LonguinhoLeais Conselheiros. Alguns deles, inclusive o Conselheiro Mor, D. Sújuro Manchado, que desconfiou que o Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria poderia estar "enganado". "Meu Deus", pensou Dom Sújuro Manchado, "a Sala das Especulações da Defesa Sombria só pode estar contaminada pela cruel Incompententta". Chamado à presença do rei, Dom Sújuro Manchado disse que ESTALAGA só tinha 6.500 soldados, ao contrário do que apregoava o Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria aos quatro ventos, e que muitos soldados que estavam nas Casernas e nas Caserninhas enfrentando as terríveis bruxas, realmente não estavam lá porque na prática estavam prestando Serviço de Assessoramento dos mais variados ou em Funções Vis, sobrecarregando quem realmente estava combatendo as bruxas.
Após tal revelação, eis que, com minuciosa análise, Dom Sújuro Manchado mostrou ao rei um pergaminho que traziam uma revelação com os seguintes números:
ESTALAGA tinha 6.500 soldados, menos 800 que estavam prestando Serviço de Assessoramentodos mais variados ou em Funções Vis, e não podiam combater as bruxas junto com os demais. Dos soldados relacionados entre os 800, 19 eram os Cardeaisdas Estrelas (esses nunca pegavam em armas para combater). 73 eram os Quase Cardeais das Estrelas (também não podiam combater). 104 eram os Maiores (que podiam combater, mas que não iam para o campo de batalha). 198 eram os Subalternus, (que podiam combater, mas somente alguns ainda iam ao campo de batalha – somente para apreciar os combates). TOTAL: 394.
A fração de Comandados a Serviços do Comande, tinha 240 soldados; dos que comandavam os soldados apenas os que tinham o elo de ligação, isto é, o graude importância superior ao do soldado é que eram mandados para os campos de batalha depois de trabalhar uma semana inteira a Serviço do Comande. Além deles, tinha também os soldados da Divisão de Apoio, quem eram mais ou menos 60.
Essa constatação ficou ainda mais assustadora, quando Dom Sújuro Manchado revelou por intermédio do Matemático Real que "a subtração de alguns elementos do número total de integrantes do exército equivalia à exatamente à razão da diferença da soma dos subtraídos", ou seja:
Dos 6.500 integrantes do exército:
800 (estavam prestando Serviço de Assessoramento dos mais variados ou em Funções Vis);
394 (Serviço de Status)
240 (fração de Comandados a Serviços do Comandante)
126 (Banda Real)
60 (Divisão de Apoio)
160 (Médicos do Exército do Reino)
Total 6.500 – 1800 = 4.700
E o matemático "revelou" mais, disse que: "5% do efetivo estão em descanso por vontade das Leis do Reino, alguns em Especial Licença, ou de licenças outras". Obs: 5% do efetivo de 6.500 soma 325 soldados.
Diante dessas constatações, Dom Sújuro Manchado concluiu:
– Majestade, ficam as contas feitas até então com o seguinte fim: 4.700 de saldo, menos os 325 das licenças, o que dá-nos uma sobra de 4.375 soldados.
Como tudo tem sem sempre um "porém", muito receoso do que queria informar, Dom Sújuro Manchado, lançando mão de outro pergaminho, acrescentou:
– E tem ainda mais, Majestade: dos 4.375 soldados, subtraia-se os Condutores das Carruagens do Reino, muitos à disposição de Sua Majestade, e muitos mais que estão à disposição da Sala das Especulações da Defesa Sombria e do Comande do Exército, Condutores dos Nobresou dos prestadores de Serviços de Status.
Agora sim, o rei já tinha uma ideia da real situação!
Fez-se então alguns instantes de silêncio e, enfurecido, bradou o rei em seu Castelo de Vidro:
– Que espécie de bruxaria levou o Conde da Real Sala das Especulações da Defesa Sombria a alarmar o povo com tão infame mentira de que possuímos mais de 8.000 soldados no Exército?
Mais outro instante de silêncio... E, com ar de desconfiança, perguntou:
– Se o meu reino possui 6.500 soldados, com pouco mais de 4.000 aptos aos campos de batalha, como podem ter adoecido 6.000?
Todos os presentes se entreolharam, mas ninguém ousou dar qualquer justificativa.
– Como vou anunciar a todos - disse o rei - que o Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria pode estar irremediavelmente enfeitiçado pela bruxa Incompetentta, e que por isso não consegue, junto com o Comande do Exército, combater a perversa Crymina, sem que isso assuste às minhas dezenas de centenas de milhões de amados súditos?
Mias uma vez ninguém respondeu. O silêncio predominava no local quando um dos Olheiros do Rei revelou o que houvera descoberto; no caso, que o Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria anunciou a doença no exército como uma cortina de fumaça negra para esconder sua aproximação com Incompetentta. A verdadeira e terrível história é que em várias ocasiões, ao cair da noite, o Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria se esgueirava secretamente aos aposentos da bruxa; e o mais terrível: o Comande do Exército serviu de cúpido para essa negra relação. Dessa parceria sombria, nasceram muitos problemas para o rei, que estava enfrentado o medo do povo, constantemente castigado por Viollenta.
Um dos lados tristes dessa história é que houve uma grande inundação no reino (que constantemente sofria com isso, daí a razão do nome ESTALAGA) que devastou os arquivos reais, o que nos impossibilita de trazermos com mais riqueza de detalhes o desfecho final dessa história. Contudo, pelo que sabe, mesmo não sabendo oficialmente qual é o seu fim (pelo menos por enquanto), é de conhecimento de todos que o agora coitado do Rei DomTeotônius II, ao saber da promíscua relação do Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria e do Comande Exército com Incompetentta, não conseguia demiti-lo porque se o fizesse a Dona Opinião Pública, aquela citada no início da história, iria achar que o erro foi do rei, e não dos seus Subordinados Diretos, que não entendiam nada de Segurança do Reino e sempre apareciam ao rei e ao povo vestidos numa bela pele de cordeiro, escondendo assim o terrível feitiço do mau que carrega em suas entranhas... Uuuuu!!!
Puxa vida, mas que chato! Esse Conde da Sala das Especulações da Defesa Sombria tinha tanta "sorte", o que nos faz crer que tudo para algumas pessoas pareça ser tão fácil. Por outro lado, e disso não podemos esquecer, para algumas pessoas as Estrelas de Ouro lhes trouxeram fortuna de tal forma que mais parece "ter caído do céu". Diante dessa constatação, e para tanto não precisamos dos arquivos oficiais, em ESTALAGA "certas estrelas" a deixaram mais pobre em amplo sentido. Pobre ESTALAGA, o que restou de ti sem defesa contra Crymina?
Nossa história é aqui interrompida de uma forma triste, mas pelo menos – oficialmente – já temos em quem por a culpa pela sua tragédia: segundo Quase Cardeal Jojorda, os soldados do exército são os únicos culpados por tudo.
Ué! Mas e as bruxas? As bruxas, certamente devem ter lançado algum feitiço no Quase Cardeal Jojorda, o que influenciou as suas decisões, pois pelo que sabemos desse leal súdito do reino o mesmo nunca antes em toda a sua vida se desviou da retidão da justiça e das leis, motivo pelo qual só nos restar acreditar que foi feitiço. Assim, enquanto uns eram enfeitiçados na Cúpula do Reino e outros mais fingiam estar enfeitiçados para poder enrolar, Crymina e suas filhas malvadas voam em suas vassouras assombrando o povo... Que em sintonia sempre lamuriava: Ai de nós!
The fim!

11 comentários :

Anônimo disse...

Que criatividade!!!!!!Muito boa!!!!kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

E agora Lulú e Dadá:
O desembargador Eduardo José de Andrade, integrante da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), manteve decisão de primeiro grau que determinou a participação do policial militar Arthur Levy Brandão no curso de mestrado na Universidade de Coimbra, em Portugal, sem prejuízos de seus vencimentos.Em sua decisão, Eduardo Andrade afirmou que o Estado de Alagoas teria que desembolsar menos de R$ 2 mil para sustentar o requerente durante o mestrado, e que isso não seria motivo de causar grave lesão e de difícil reparação à Policia Militar de Alagoas (PM/AL).

Alegou, ainda, que a não concessão do pedido poderá acarretar em prejuízo irreversível ao policial, que não se matriculando dentro do período adequado, não poderá mais participar do mestrado.

“Ademais, entendo que a conclusão do curso de mestrado será útil à Polícia Militar de Alagoas, tendo em vista que representa investimento na qualificação dos professores que lecionam nos cursos da PM/AL”, asseverou o magistrado.

Arthur Levy Brandão, policial militar, pleiteou junto à Justiça, a concessão da liminar que garantia sua participação pelo período de 1 ano e 6 meses no curso de mestrado da Universidade de Coimbra, em Portugal, sem prejuízos em seus vencimentos.

O militar, em suas alegações, afirmou que a conclusão do mestrado seria, inclusive de interesse da corporação, uma vez que, entre outras disciplinas, é instrutor de Cultura Jurídica Comum, Cultura Jurídica Militar, Direito Penal Militar, Direito Processual Penal Militar e foi selecionado para ministrar um curso promovido pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP).

Assessoria do TJ/AL

2.5.11

Aquartelar a partir do dia 10‏ disse...

Os policiais militares podem aquartelar a partir do dia 10 deste mês, segundo decidiram em assembleia realizada no final da tarde desta segunda-feira (2), na Associação dos Oficiais Militares de Alagoas (Assomal), em Maceió. Para isso, a categoria voltará a se reunir, desta vez na Praça Deodoro, em frente ao Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), quando irão deliberar por uma paralisação conjunta com outras categorias, a exemplo dos policiais civis, agentes penitenciários e trabalhadores da Educação.

De acordo com o presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar de Alagoas (Assomal), Wellington Fragoso, o adiamento do aquartelamento ocorreu porque "o movimento paradista necessita se fortalecer". Por esta razão, ele conclamou os policiais militares a participarem da assembleia da categoria, a fim de deliberarem pelo aquartelamento.

“Temos que adotar um posicionamento maduro e coerente, para não nos prejudicarmos e também colocarmos a sociedade em maiores dificuldades. Fazemos um chamamento aos companheiros policiais para que participem do movimento, pois a luta é de todos e temos que nos unir para obtermos os nossos objetivos”, enfatizou Wellington Fragoso.

Interdição
Ao final da assembleia, um grupo de militares saiu em carreata até a frente do Palácio República dos Palmares, no Centro de Maceió e interditaram o cruzamento das ruas Melo Morais e Cincinato Pinto. Com a ação, um grande congestionamento se formou na Ladeira dos Martírios, deixando um engarrafamento quilométrico.

Sgt Avelardo disse...

Muito bom o post...

Tenente Verçosa disse...

hahahaha

Meu professor de estatística dizia que existem no mundo apenas duas opiniões sobre os estatísticos, sendo ambas igualmente erradas: a de que são infalíveis e a de que nada do que dizem tem a menor importância.

Parece que a situação dos policiais é a mesma: há quem os julgue um mero bando de incompetentes, corruptos e arrogantes, e há quem pense como esse preso aí. Bom, pelo menos essa segunda alternativa proporciona alguma leveza a essa vida dura que vocês levam. E, para os que têm o dom da escrita, porporciona também um bom post. hehe

Anônimo disse...

Alagoas lidera ranking de morte por armas de fogo no país, diz estudo

Alagoas é o Estado campeão percentual em mortes por arma de fogo. É o que aponta estudo da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que aponta que 83,3% dos assassinatos no Estado são praticados por armas de fogo. A média nacional foi de 83,3%. Em Maceió, essa média é de 88,9%. Os dados são referentes a 2009.

No ranking de mortes por arma de fogo entre as capitais, Maceió também aparece na primeira colocação, com taxa de 76,4 para cada 100 mil habitantes. A taxa média das demais capitais é de 25,3 para cada 100 mil.

“Neste Estado, as armas de fogo foram utilizadas em mais de 83% dos homicídios cometidos nos últimos três anos analisados (2007, 2008 e 2009), representando que a cada 10 mortos, oito foram por armas de fogo. Esse percentual está estabilizado, mas a taxa de homicídios por armas de fogo neste Estado teve um amplo crescimento de 2000 a 2007, indo de 17,1 homicídios a cada 100 mil habitantes para 52,9 nesse intervalo de tempo. Em 2008 e 2009, as taxas apresentaram uma queda, passando para 51 e 49,2 respectivamente, mas ainda figurando como as mais altas do país”, diz o estudo.

Em Alagoas, segundo a Polícia Militar, foram apreendidas 394 armas de fogo nos 100 primeiros dias do ano, com 231 prisões.

Segundo o estduo, no país, nos últimos 10 anos, a taxa de homicídios por armas de fogo manteve-se relativamente estável, variando de um mínimo de 18,2 mortes a cada 100 mil habitantes ao máximo de 20,4.

Anônimo disse...

Ué! Mas e as bruxas?
HeHeHeHeHeHe

Alagoas em Tempo disse...

Força Nacional em ação: homem pula da Ponta do Reginaldo em tentativa de fuga

Um homem, ainda não identificado, pulou da Ponte do Vale do Reginaldo, em Maceió, por volta das 8h30 da manhã desta sexta-feira, 6.

Segundo informações do Sargento Simões, da Polícia Militar de Alagoas, o ocorrido teria sido motivado após operação da Força Nacional na região, para cumprir dois mandados de prisões na localidade. "Provavelmente, ele estaria tentando fugir da polícia ao se jogar da ponte", reforça.

Informações mais detalhadas, segundo o sargento, serão divulgadas somente após o término da operação.

Ainda não se tem maiores detalhes a respeito do estado de saúde do "possível", fugitivo.

SD PM 2010 disse...

Necessitamos urgentemente de várias reportagens sobre:

Persegução na PMAL
Arbitrariedades da PMAL
Policiais com problemas psicologicos na PMAL
Policiais expulsos indevidamente na PMAL

Ou seja tudo que for de NEGATIVO sobre a PMAL.

Publiquem TUDO QUE FOR REPORTAGENS E ARTIGOS PARA que possamos conhecer melhor a PMAL, pois nós que acabamos de nos formar não fazemos nem ideia de como é a nossa realidade. Beleza? Ficamos no Aguardo.

Abraço.

Marcos (NINJA) disse...

mestrado seria, inclusive de interesse da corporação? pois é peixe é peixe.... Não estudei virei soldado

Uma Policial disse...

"Os que pensam diferente, nos querem todos iguais. Assim é bem mais fácil nos controlar" (Renato Russo)

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver