Confirmando as "fofocas"

Tudo que sabemos ou tomamos conhecimento, ou agente publica ou repassa para que a imprensa faça a devida divulgação. Eis o porquê de toda semana haver três ou quatro matérias que nem nos corredores das unidades é motivo de comentários. Mas nem por isso nos sentimos traidores. Fazemos o que fazemos para que as coisas erradas parem de acontecer, assim como para que tenhamos um ambiente de trabalho melhor a cada dia. Sobre esta situação, veja-se, por exemplo, as seguintes matérias e o seus desfechos.
Matéria: A RP agoniza
Desfecho: Nada foi feito na unidade referida, mas no RPMon o alojamento foi "melhorado" logo após a matéria.
Desfecho: O Comandante Thúlio mandou reforçar a guarda e posicionar uma Vtr em um local estratégico.
Com isso, caros leitores, ao contrário do que foi dito, conseguimos atingir o nosso objetivo que era fazer com que as nossas autoridades fossem alertadas e que algo fosse modificado. Portanto, ponto positivo para os Comandantes do RPMon e do BOPE, e ponto negativo para o TC Jordânio, que sai da RP sem deixar saudades. Aliás, já vai tarde! A propósito, já que tocamos no assunto "transferência", recomendamos ao Maj Jairisson que faça o que o TC Jordânio não fez no que se refere às melhorias, e finalmente dê um jeito tanto no alojamento dos cabos e soldados como na segurança da unidade. Aproveitando o ensejo, orientamos aos demais comandantes de unidades que façam o mesmo, para que não sejamos obrigados a revelar a vulnerabilidade de cada uma das nossas unidades.
Ainda sobre o Comandante Thúlio, como ele – mesmo que a contra gosto – tratou de reforçar a unidade, por hora não iremos revelar uma situação envolvendo um assalto que ocorreu no Supermercado Cesta de Alimentos, no começo de 2010, lá no Jacintinho (tá lembrado, Thúlio?).
Dando continuidade ao assunto "tudo que sabemos ou tomamos conhecimento, ou agente publica ou repassa para que a imprensa faça a devida divulgação" (mesmo que tenhamos que esperar um tempinho), assim que constatamos que quase 200 viaturas estavam paradas por falta de gasolina, rapidamente tratamos de levar essa situação ao conhecimento da imprensa com inúmeras provas. E o resultado foi que em poucos dias estava sendo divulgado (pelo site Cada Minuto) a seguinte matéria:
Viaturas da Polícia Militar param por falta de combustível
Algumas das viaturas da frota da Polícia Militar de Alagoas estão sem combustíveis. A informação foi confirmada pelo Coronel Mário Sérgio, da Agência de Modernização de Gestão e Processos (Angesp). O oficial, no entanto, explicou que o problema, que atingiu aproximadamente 150 veículos, estará sendo resolvido dentro dos próximos dias.
Mário Sérgio afirmou que existem viaturas com e sem chip na frota da PM. Os carros com chip têm a ordem de abastecimento autorizada on-line e 11 postos em Maceió estão credenciados para o serviço. O processo para os veículos sem chip é outro e foi nesse tipo de viatura que faltou gasolina.
"Uma parte do combustível acabou, mas já estamos resolvendo isso. Para as viaturas com chip está tudo ok", colocou o Coronel. Indagado se o problema está afetando o policiamento no Estado, Mário Sérgio garantiu que não.
A reportagem do Cada Minuto entrou em contato com o comandante do Policiamento na Capital, Coronel Gilmar Batinga, e ele disse que a informação da falta de combustível "não passava de fofoca".
A informação da falta de combustível, para o Coronel Mário Sérgio, que disse  que isso "não afetou o policiamento no Estado", e para o Cornel Gilmar, para quem essa informação "não passa de fofoca"... Pelo visto, é uma coisa banal. Infelizmente, parece que estas autoridades somente têm esse posicionamento porque não aconteceu nada nem com eles nem com um de seus parentes. Além do mais, pelas declarações do Batinga, o mesmo foi para a escola apenas para merendar, razão pela qual não aprendeu que o significado de fofoca (de acordo com o "pai dos burros") é: "conversa informal e geralmente distorcida sobre a vida alheia; coisa de quem não tem conteúdo para conversar e não tem o que fazer"; o que não é o nosso caso. Pelo exposto, Gilmar, quem confirma fofoca é o quê? Assistamos ao vídeo:
Com base no teor das afirmações do Comandante Geral, no que se refere ao "cobrimento" ou "recobrimento" de áreas, como é que o mesmo explica o descobrimento não-cobrimento das áreas onde aconteceram as mortes a seguir, as quais ocorreram logo após o lançamento do novo layout do site da Corporação?
Por fim, uma última reflexão em cima do que falou o Comandante Geral: "se a PM não tem nem como custear a manutenção dos seus próprios veículos ou recursos para adquirir fardamento para a tropa, como é que vai manter em funcionamento os GPS que entre aquisição e manutenção custam milhões?"

24 comentários :

Anônimo disse...

BEF é feito de traidores, desocupados, burros, fofoqueiros e a inaptidão pela carreira abraçada por vocês é uma fonte perene de reveses. Não existe comprometimento com a farda e sim diversão com a anarquia e satisfação por vingança pessoal. Nunca serão superiores ao Cel Gilmar, Cel Luciano, Cel Dário e isso é frustrante para vocês. (É fato)

Anônimo disse...

O monge entrou no vilarejo montado num boi. Os habitantes da vila, que nunca o haviam visto por ali, lhe perguntaram:

- O que faz por aqui?

- Estou em busca de um boi.

As pessoas se entreolharam intrigadas e riram da situação, enquanto o monge se foi.

No dia seguinte, de novo montado no boi, o monge voltou ao vilarejo. E de novo as pessoas lhe perguntaram o que estava fazendo por ali.

- Eu já lhes disse: procuro um boi – respondeu o monge.

E outra vez o monge se foi, em meio ao riso de todos.

No terceiro dia o fato se repetiu, e novamente lhe perguntaram sobre o real motivo de sua passagem pelo vilarejo, e montado no boi, o monge respondeu:

- Eu busco um boi.

Como a piada já estava perdendo a graça, um dos moradores resolveu protestar:

- Olhe aqui, você é um monge, uma pessoa sábia, mas esta já é a terceira vez que vem ao nosso vilarejo à procura de um boi, enquanto observamos que você já esta o tempo todo sentado sobre ele! Não estamos entendendo aonde quer chegar!

E o monge então respondeu:

- Assim também é a sua busca pela Felicidade.






Talvez a felicidade seja um dos maiores anseios do ser humano, porém, o que poucos percebem é que ela está no caminho e não no destino, e com isso deixam de aproveitar a beleza da jornada por entenderem que a tão sonhada felicidade está em algo, alguém ou algum lugar, que ainda não chegou.

Sem dúvida que devemos olhar para frente, sonhar, estabelecer metas, e persegui-las, mas não podemos perder a noção de que nossa realização está no presente; no jeito que fazemos as coisas.

A felicidade não está em outro trabalho, outra profissão, outro casamento, outros amigos, outra casa, outro carro, ou qualquer outra coisa. Se aprendermos a olhar para o presente, vamos perceber que a vida tem nos agraciado com muitas oportunidades que talvez estejam encobertas pela correria que nos mantém demasiadamente ocupados para aproveitá-las.

Não deixe de perseguir seus sonhos, mas não se esqueça de aproveitar a jornada, porque é nela que a vida acontece.

Assessoria BEF disse...

Alagoas é o segundo estado do país que mais mata gays

15h49, 30 de Julho de 2011
Alain Lisboa com GGB

Alagoas é o segundo estado do país que mais mata homossexuais. É o que mostra uma pesquisa feita pelo Grupo Gay da Bahia (GGB). De acordo com os levantamentos, em matéria de violência contra este grupo de pessoas, os alagoanos só perdem para os baianos.

Vinte e quatro pessoas, divididas entre gays, lésbicas e travestis foram mortas no ano passado em Alagoas. Na maioria dos casos os crimes ocorreram devido a mero preconceito devido à condição sexual dessas pessoas.

A pesquisa do GGB também mostrou que o número de casos de agressão seguida de morte de homossexuais também aumentou no Brasil nos últimos dois anos. Foram registrados 260 casos em 2010, contra 198 contabilizados pela ONG em 2009. Nos últimos cinco anos, o aumento chega a 113%, "o que é um genocídio", afirma o antropólogo e fundador do GGB, Luiz Mott.

"A homofobia no Brasil tem muito a ver com a violência que herdamos da escravidão, quando tínhamos 'machos' muito violentos para manter a população dominada", disse o pesquisador.

O antropólogo vai além e culpa o modo como homossexuais são mostrados na mídia. Muitos crimes ocorreriam devido à chamada homofobia cultural: "aquela que transmite o estereótipo de que todo gay é frágil, vulnerável; de que os vizinhos e policiais não vão se importar com a vítima e os juízes vão absolver os criminosos". Motti diz que esse tipo de pensamento torna os homossexuais "vítimas preferenciais".

Assessoria BEF disse...

Morte de professor em AL

Na manhã de hoje (30) foi celebrada na Igreja de Santa Rita a missa de 7º dia de morte do ator e professor Denilson Leito, assassinado a facadas. Parentes e amigos lotaram o templo religioso.

As pessoas, emocionadas e revoltadas, pediam paz e justiça.

Denilson foi encontrado morto no bairro do Fernão Velho.

Fonte: Emergência 190

Zé de Sá disse...

O desespero e a insatisfação de vocês com as postagens é quem faz o sucesso da briosa em foco! Obrigado aos insatisfeitos!! hehehe...

Anônimo disse...

Corram que os policia vem ai! Daqui para frente vcs desta porra deste site não vão andar tranquilos! Extensivo aos familiares. Olho por olho. Dente por dente! Covardia com covardia. ódio com ódio. loucura com loucura. Psicopatia com psicopatia. Sangue com sangue. não vão nos segurar mais nem que acabe com este site covarde! Iremos ser presos defendendo nossa honra que está estampada aqui e denegrida sem preço para pagar a não ser com a morte! Deus seja louvado e nos perdoe.

Anônimo disse...

gostaria de ouvir mais coisas sobre o cel.entulho,digo thulio,como a que o veiculo corsa que ele tinha quando estava no bope e o seu dono ao passar por lá viu e exigiu de volta.lembrando que o carro tinha queixa de roubo,ou os momentos de raiva que lhe acomete quando agum policial não faz o que ele quer.

Anônimo disse...

Ao anonimo da primeira postagem, eu nao vejo desta forma. Eu acho que vcs que estao se locupletando do poder efemero que agora esta exposto nesse comando ineficiente, pifio, opressor e "proficuo", recebendo diarias e gratificacoes exitosas odeiam os membros do BEF realmente. Mas a tropa em geral, que é constantemente violada em seus direitos e garantias fundamentais como nunca antes o foi, depois da chegada ao poder destes canalhas que são Dário o Cesar, Luciano Malvadeza e Gilmar Batinga é quem dá as cartas na corporacao e que agora não tem mais jeito: entrega-se mesmo o que acontece na nossa podre instituicao. Veja como exemplo o comandante coronel Luciano, puniu um cabo porque o mesmo estava sem a gandola do uniforme e ainda transferiu o cabra, mas estava passeando (ele mesmo o Luciano) pelo farol mes passado usando uniforme alterado (estava sem a camisa interna e a gandola, usando no seu lugar uma camisa rosa, a calca bege canavial e os sapatos pretos da corporacao) deveria dar o exemplo e dar aparte de si mesmo e se recolher a academia, como ele tanto gosta de fazer conosco quando dizemos alguma coisa na imprensa que nao coaduna com os penamentos malevolos dele.
Eu e a tropa apoiamos o BEF incondicionalmente. E quem perde tempo colocando comentarios ruins ao respeito dos caras que fazem esse BLOG, que é democratico "a beça" e inclusive os caras publicam ate essas postagens criticando, eu so digo uma coisa MORRRAAA DE RAIVINHA !!!!

Anônimo disse...

quem foi esse babão...se não o próprio...rsrsrrrs

Assessoria BEF disse...

Dizem que somos traidores por estarmos revelando as verdades sobre a nossa corporação, em especial sobre as pessoas que são responsáveis por tanta podridão no nosso meio, por tantos descasos ou tanta ineficiência, o que tem se refletido nos atuais índices de violência, bem como em ações desastrosas. Nesse sentido, estas pessoas não aceitam a verdade que lhes aponte o quão são ridículas ou ineficazes suas ações. E quando um gestor passa a atribuir a terceiros a responsabilidade sobre as suas ações, como fez Dário César ao jogar a culpa dos índices de criminalidade na Polícia Civil, podemos ter que isso seja desespero, pois a sua queda é certa, como também é certa a afirmação contida na matéria que reproduzimos a seguir, a qual dá conta que a Ronda Cidadã, não passa de mais um engodo:

Quatro estabelecimentos comerciais são assaltados em Maceió

07:50 - 31/07/2011
Vanessa Siqueira


Durante este sábado (30) quatro estabelecimentos comerciais foram assaltados na parte baixa de Maceió. Dentre os assaltos, estão um posto de combustível, um mercadinho e duas lojas. Em nenhuma das ocorrências os assaltantes foram presos.

Em das ações, dois homens armados invadiram uma loja localizada na galeria José Lins de Gusmão, na Avenida Epaminondas Gracindo, na Pajuçara.

De forma rápida, a dupla quebrou uma das vidraças do estabelecimento para entrar no local. Eles roubaram um notebook, dois celulares e R$ 2,700 em espécie. Em seguida, fugiram a pé. Uma equipe do 1º Batalhão da Polícia Militar foi acionada e chegou e realizar buscas pela região, mas não conseguiu encontrar os assaltantes.

Outro roubo registrado foi a um mercadinho, localizado na Rua Presidente Augustinho da Silva Neves, no Poço, no início da noite do sábado. Três homens armados chegaram ao local se passando por clientes.

Em determinado momento, eles abordaram um dos clientes e anunciaram o assalto. O trio levou dois celulares, um relógio e R$ 250. Em seguida, eles fugiram a pé. A polícia ainda não tem pistas dos assaltantes.

Já na Avenida Assis Chateaubriand, no bairro do Poço, um casal assaltou o posto de combustíveis Esso. Os funcionários disseram à polícia que foram rendidos e obrigados a entregar o dinheiro do caixa. Eles fugiram levando R$ 396 em espécie.

Por fim, a polícia registrou ainda um assalto a um cliente de um mercado, na avenida Gustavo Paiva, no Poço.

De acordo com a Polícia Militar, dois homens armados chegaram ao local em um veículo Peugeot cinza, de placas MVF 5457 e anunciaram o assalto. Eles roubaram R$ 600 de um dos clientes e em seguida fugiram. Equipes do 1º Batalhão realizaram rondas pela região do Poço, mas os assaltantes não foram encontrados.

Fonte: Tudo na Hora

1ªten do 1ªbpm, DIAS disse...

o capitão bonfa ajunde o coronel com gasolina vc quando estava no 8ªbpm vendia pela metade do preço que as prefeituras e usinas e outros doava(corrupção)

Assessoria BEF disse...

Vejam mais esta matéria:

Restaurante, Posto de Combustível e Mercado são assaltados no Poço

por Redação
Maciel Rufino


No segundo fim de semana após a implementação do projeto Ronda Cidadã, parece ter diminuído o número de assaltos nos bairros da Jatiúca e Ponta Verde, mas os assaltantes já acharam um novo alvo, o bairro do Poço.

Só no sábado foram três assaltos, o primeiro deles no Mercado Grife do Frango, quando um cliente que estava na porta do estabelecimento foi abordado por dois homens armados em um Peugeot e acabou com R$ 600,00 levado.

Durante a noite duas ocorrências chamaram a atenção no bairro, o restaurante Zé Pereira foi invadido por três homens que levaram carteiras, relógios e uma quantia em dinheiro dos clientes que estavam no local.

Na madrugada um casal rendeu funcionários de um Posto de Combustível e levaram cerca de R$ 400,00. Ninguém foi preso.

Fonte: Cada Minuto

Moral da história: está todo mundo vendo o que a SEDS/PM insiste em tentar ocultar ou não assumir.

Anônimo disse...

Que BOM que reforçou a guarda,contudo acho que para ocorrer esse reforço quem se deu MAL foi o pracinha!!! CERTAMENTE apertou a escala... DEFINITIVAMENTE NÃO É UMA BOA IDEIA ESSE TIPO DE DENUNCIA,TODOS OS QUARTEIS DA PMAL SÃO VULNERAVEIS,VÃO REFORÇAR TODOS OS BATALHÕES?? A GUARDA VAI DOBRAR!!!PORTANTO REFORÇAR A GUARDA É APERTAR AINDA MAIS A ESCALA... POBRE PRACINHA VAI MORAR NO QUARTEL.

Anônimo disse...

Amigao, eu nao vejo por ai nao, de o pracinha se ferrar na escala nao, ate porque a escala de guarda convenhamos é a maior moleza. vc tira no maximo tres quartos de hora, que eh melhor do que um PO (seis horas em pe estarrando) ou 12 horas naquelas vtr nojentas tudo vazando sem ar nessa chuva. Agora, se vc queria ficar no bope dormindo, enquanto os outros companheiros de outros bpms estao ai fazendo policia de verdade, ai eh demais nao é companheiro? Bora dar um servicinho tambem. 24 horas trancado no alojamento jogando playstation e comendo dormindo e dando pisa nos colegas é demais... Concordo nao com teu comentario moral

Jenésio, o Pecador disse...

"Toda autoridade é constituída por Deus", e a Ele prestará conta dos seus atos.

Radio Patrulha disse...

Se cada PM tiver um gupo assim, que observe e divulgue os bastidores da cada coporação, as PPMM serão instituições melhores até mesmo que a PF, em amplo sentido.

Anônimo disse...

voces deveriam falar da turma de 2002 que esta no CFCP pois a mesma vem sendo forcada a pagar a taxa escolar que e de 20 reais por aluno sob a ameaca do cap marcos sampaio de suspender o curso senao houver o pagamento.por favor nos ajudem precisamos ser ouvidos

Balaio do Teles disse...

Ocupação do Carminha: essa é a solução?

Por Silvio Teles

Olá, pensadores!

Em 28 de novembro de 2008, a Secretária de Estado da Segurança Pública do Rio de Janeiro deu início a um projeto de implantação de bases de polícia comunitária em comunidades cariocas que, até então, eram dominadas por traficantes. Nessas localidades, a ausência do Estado era tamanha que os criminosos conseguiram montar uma estrutura de poder paralelo, passando a ditar as regras e controlar os cidadãos que moravam na região.

O projeto – conhecido nacionalmente como a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) – cresceu vertiginosamente a ponto de, até junho de 2011, já serem 25 as comunidades “libertas” do controle do tráfico. O aparente êxito do programa destacou o trabalho do delegado federal José Mariano Beltrame, idealizador das UPPs e secretário de segurança, a ponto de o Rio tornar-se modelo de combate à criminalidade. Semana passada, o TJAL organizou um seminário onde o modelo de policiamento das comunidades cariocas foi apresentado aos alagoanos pelo próprio Beltrame e pelos comandantes das forçar armadas, que participam da ocupação.

Não se pode deixar de reconhecer que, para milhões de pessoas (os habitantes das favelas e morros ocupados), a implantação das UPPs e dos demais braços estatais que integram o projeto (escolas, áreas de cultura e lazer, centros profissionalizantes, infraestrutura de saúde, etc.) significou um marco decisivo. De brasileiros comandados despoticamente pelas leis do tráfico, milhões de cariocas passaram a sentir na pele o prazer da palavra liberdade. Pelo menos um pouco, passaram a conhecer o que é fazer parte de um Estado que lhes garanta a mínima condição de se viver em paz.

Mas, por outro lado, não se pode achar que o modelo carioca é a fórmula mágica para a solução do periclitante problema da criminalidade violenta que, em Alagoas, parece não ter fim. Aliás, o modelo carioca adéqua-se às particularidades daquele Estado e atende a um objetivo bem específico: libertar comunidades isoladas do poder de traficantes, de preferência sem trocar um tapa. Para isso, como todos sabem e como faz questão de alardear o próprio secretário Beltrame, todas as ocupações são previamente comunicadas, divulgadas na mídia, dando tempo aos criminosos a deixarem a área.

Continua...

Balaio do Teles disse...

Continuação

O que se tem, na verdade, é apenas o deslocamento dos criminosos para uma outra área, onde, sem que paire dúvidas, ainda continuarão desenvolvendo suas ações delituosas. Os criminosos, que até serem expulsos, sustentavam-se do comércio de drogas e armas na comunidade ocupada, certamente, procurarão novas estratégias para continuar “sobrevivendo”. Policialmente falando, o projeto não resolve o problema, apenas maquila-o. Mas, há que se lembrar, o objetivo era “libertar” a comunidade e isso, não há dúvidas, foi conseguido.

E em Alagoas? Será que ocupar áreas poderia mudar nossa realidade? Tenho minhas dúvidas. Enquanto, no Rio de Janeiro, a ocupação das comunidades se deu após um estudo planejado, nossa “ocupação” se deu como resposta a um crime violento. Não bastasse, em Alagoas, além da PM, nenhum outro órgão do Estado participa do projeto.

Diferente do Rio, que possui uma geografia que facilita a ocupação de uma área (num morro, por exemplo), Maceió é uma cidade de áreas contíguas e de fácil comunicação, de sorte que a ocupação do Carminha – ou do próprio Benedito Bentes – pode simplesmente afastar os criminosos para as comunidades e bairros vizinhos, tão periféricos e tão assolados pelo crime quanto. Ocorrerá, no máximo, o deslocamento do local de refúgio dos bandidos, mas os crimes, com prevalência para o acerto de contas decorrente do tráfico de drogas, continuarão ocorrendo.

A Polícia Militar não faz, na minha opinião, um trabalho digno de elogios, mas não deve – nem pode – assumir, sozinha, as rédeas do processo de devolução de segurança à Maceió, como está ocorrendo agora no Benedito Bentes. Eu não tenho dúvidas, enquanto o Carminha está ocupado, muitas outras comunidades estão bem desguarnecidas, dado o insuficiente contingente policial militar. Prova disso é que, somente na primeira noite desse fim de semana, 5 mortes e 3 tentativas de homicídio foram registradas, só na capital.
Muito menos, o Estado deve pautar suas ações como resposta a atos isolados. O crime do Carminha foi brutal, mas foi pontual. Comuns e rotineiros são os homicídios, os pequenos assaltos e roubos, em toda a cidade (e não apenas em comunidades isoladas), que decorrem do tráfico e do consumo de drogas, em especial, do crack. A estratégia do governo deveria partir desses índices.
Maceió não tem o perfil do Rio, nem possui comunidades encasteladas, geograficamente isoladas, dominadas por senhores do tráfico. O que Maceió tem é uma rede capilarizada de abastecimento de drogas e um número considerável de jovens envolvidos nesse processo, praticando crimes para nutrir o vício. O que Maceió não tem são projetos de educação profissionalizante, nem estrutura de desenvolvimento econômico para propiciar aos jovens oportunidades de futuro. A solução do nosso problema, meus amigos, passa muito mais pelas Secretarias da Educação, Trabalho e Renda e Saúde, que pela pasta da Defesa Social.

Anônimo disse...

O problema da violência em Alagoas está exatamente na falta de policiamento. Rondas constantes, dia e noite, são a solução mais eficaz para combater a criminalidade. Infelizmente a cúpula de segurança, seguindo orientações do governo para manter seus cargos comissionados, teima em dizer que o efetivo da PMAL é suficiente para suprir as necessidades do Estado. Fora isso temos um déficit em viaturas. Parece piada mas, além de ter poucos Policiais, nosso Estado não tem viaturas suficientes para o minúsculo efetivo. Vamos levar em conta o 3º BPM. Lá tem 6 guarnições de RP, mas só tem 3 viaturas em atividade; Duas Guarnições de Rocam, mas só tem 3 motos; Três Guarnições do Pelopes, mas só tem duas viaturas. Imagine o resto do Estado? Dá para combater a violência assim? Até quando essa cúpula de segurança corrupta vai esconder da população que o nosso Estado é negligente na questão segurança pública? O pior de tudo é que quem leva a culpa são os policiais que estão na rua arriscando suas vidas. Só para completar,alguém aí vai dizer que o 3º BPM tem 16 viaturas só na cidade e cerca de 18 motos. Mas vais esquecer de mencionar que metade desses veículos que fazem parte do quadro do Batalhão estão quebrados por falta de manutenção, sendo que a maioria já está em "estado avançado de decomposição". Em Maceió, tem viatura nova (Carros e Motos) enferrujando sem ser utilizada. Só Deus para proteger os Alagoanos!

Anônimo disse...

Sai dae bambi! esse teles dá e gosta de receber

Uma Policial disse...

Minhas colegas que estão no BOPE falam que as coisas lá são bem piores do que se imagina e que muita gente gostou da matéria expondo a vulnerabilidade da unidade. O lado ruim, segundo ela, é que infelizmente essas coisas tem de vir à tona para que alguém faça algo a respeito.

CBMAL disse...

Estudantes e sociedade em geral prestigiam abertura do Seminário contra Incêndio

Abertura aconteceu no auditório do Instituto Federal de Alagoas

Por Stephany Domingos

Em sua XXXIII edição e realizado anualmente pelo Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas (CBMAL), o Seminário de Proteção Contra Incêndio (SEPROCIN) tem a finalidade de repassar noções importantes de segurança à população. Neste ano de 2011 o seminário está sendo realizado no Auditório do Instituto Federal de Alagoas (IFAL), tendo como principal público alvo os alunos do Instituto, jovens multiplicadores e os adultos do amanhã; além da sociedade em geral, que chegará até o último dia com os conhecimentos fundamentais de combate a incêndio doméstico, entre outros tipos.

O Seminário terá duração de três dias, iniciando na noite da última quarta, 03, com término na sexta, 05. Além de noções de combate a incêndios, o público também assistirá palestras de acidentes no lar, primeiros socorros, atividades preventivas, e outros temas relacionados à segurança de pessoas e bens, ministradas por bombeiros especializados no assunto.

Segundo a Diretora Geral do IFAL campus Maceió, Jeanne de Melo, é muito gratificante contar com essa parceria com o Corpo de Bombeiros para realizar este Seminário com temas tão importantes para seus alunos e para a população em geral. “Quando vemos eventos desta natureza com o intuito de zelar pela prevenção a gente se sente muito satisfeita. Os cursos oferecidos aqui no Instituto estão inteiramente relacionados com as palestras que serão feitas, principalmente porque temos que lidar com os cuidados necessários para evitar acidentes de trabalho. Além disso, o SEPROCIN será muito importante para o currículo dos alunos aqui presentes e para sua vivência”, falou a Professora Jeanne.

Já o Coronel BM Luís Antônio Honorato, Subcomandante do CBMAL, agradeceu o apoio e a parceria e se mostrou entusiasmado por voltar à escola que um dia estudou com a missão de levar os conhecimentos adquiridos durante uma vida para aqueles que estão começando a percorrer os caminhos do futuro. “Nosso lema enquanto bombeiros é salvar vidas alheias e bens e quando temos a oportunidade de levar este lema a outras pessoas nos sentimos muito satisfeitos. Por isso, o conhecimento que temos do dia a dia não guardamos só para nós e passamos para vocês, para que em caso de necessidade possam ser bombeiros voluntários, ajudando amigos, parentes ou vizinhos e assim verão como é gratificante a sensação de salvar vidas”, falou.

Para as palestras de abertura foram escolhidos os temas “Teoria do Fogo” com o Tenente BM Cristian Bons e “Acidentes no Lar” com a Aspirante BM Débora Oliveira, porém, ficando esta última para ser ministrada no 2º dia do evento, devido a falta de energia que ocorreu em toda Maceió na noite do dia 03.

Com um auditório cheio e mesmo com a falta de energia, o público presente estava animado para receber os conhecimentos dos assuntos que os bombeiros conhecem bem e assim poder ajudar o próximo caso este necessite. A aluna do 2º ano de Eletrotécnica, Jennefer Thamara, citou que eles não foram obrigados a participar e estavam lá por livre e espontânea vontade. “Vim porque achei interessante e para aprender a agir em caso de algum acidente, já que a área que escolhi lida com equipamentos perigosos. O mais importante é saber evitar imprevistos e saber o que fazer, caso algum desastre aconteça”, disse.

O segundo dia do Seminário contará com palestras de “Atividades Preventivas”, “Primeiros Socorros”, “Incêndio em Vegetação” e “Acidentes no Lar” e o encerramento será na sexta, com palestras sobre “Prática de GLP” e “Prática de Extintores”.

Anônimo disse...

tudo que é feito no alojamento do rpmon é com dinheiro dos praças que comtribuem todos os meses

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver