Análise Crítica

E para finalizar agosto, o mês do cachorro louco, trazemos o e-mail de um leitor, que faz uma análise crítica sobre as nossas atividades, em especial o Comando da PM e a SEDS:
"Com certeza as postagens do BEF causam um mal estar muito grande à Cúpula da Segurança Pública, e uma prova disso é que o meu Cmte de Batalhão toda vez que volta de alguma reunião no QCG, comenta que 'tocaram no assunto' do blog do 'coisa ruim'. Digo isso, porque eles preferem ver o diabo, a ver as postagens, mas ainda assim olham.  Então há muito tempo isso já é pauta do comando e das reuniões da Alta Cúpula.
No 3º BPM, segundo os meus colegas de turma, o assunto do dossiê é tabu. Poucas pessoas comentam dentro da unidade, e o 'ator principal' está muito irritado com as revelações que foram feitas. Mas 'na baixa', a resenha ainda tá grande.
Do fundo do coração, gostaria muito que essa cúpula nojenta caísse, e se fosse por causa de alguma postagem de vocês, aí que seria melhor ainda. A verdade é que muitos policiais que andavam esculhambando a coisa pública hoje têm medo de verem seus cambalachos sendo expostos. Sempre acharam que ficariam à sombra, valendo-se daquela velha história que 'censurar ato de superior' era um 'bicho-papão' que causava temor a todos. Acredito que se o ato do superior for de ordem profissional e pública, deve sim ser contestado. O lado particular é que não deve ser censurado, lógico, se não influir em nada na vida pública.
Quanto às denúncias que se fazem, seja por vocês ou até mesmo pela imprensa, é muito ruim ver que quase nada foi apurado, pois somente nesse blog é de se contar dezenas de denúncias, que ainda não deram em nada. Em meio a tudo que foi exposto era de se esperar que após a divulgação, isso em relação às unidades, eles ao menos corressem para ajeitar o que estava bagunçado, mas eles ainda se acham intocáveis... Mas isso é de se compreender, pois eles jamais apurariam situações contra eles mesmos. Um belo exemplo do falo é sidicância que o cornel Lima Júnior está sofrendo por decorrência de uma postagem que saiu do blog, justamnete por não fazer parte da 'turma do Dadá'. E a mídia ainda não despertou devidamente para o que está acorrendo dentro da segurança pública, em especial a PM.
O grande problema aqui em Alagoas é que a imprensa depende muito da verba pública na forma de propagandas, então se eles baterem pesado sabem que vão ficar sem essa gorda e preciosa 'verbinha'. Acredito que só quem deu visibilidade ao blog foi o Cada Minuto e o Alagoas 24 Horas, a Gazeta e o Tudo na Hora nem deu pra sentir cheiro. Nenhuma notinha sequer... Lembrando que outros sites de menor abrangência também reproduziram as matérias dos dois sites anteriores.
Se serve para lhe(s) deixar(em) calmo(s) em relação aos processos que estão correndo, tanto no âmbito da administração quanto no âmbito judicial, o blog do Capitão Mano, de Segipe, fez 3 anos no ar e até hoje nada... No Rio de Janeiro tem o blog do Boca de Sabão que também segue a todo vapor com as postagens que infernizam o comando da PMERJ. Em ambos os casos só existem suspeitos, que vem levando suas vidas na maior tranquilidade dentro da PM. Em ambas as situações só quem perdeu o sossego foram os propineiros e maus gestores.
A cúpula da PMAL está sem credibilidade há muito tempo, bem como não goza de simpatia ou influência perante as demais autoridades do Estado, e hoje prova do próprio veneno que usou no passado. Quem é que não se lembra das pichações feitas contra os dinossauros da corporação, assim como os envios de cartas anônimas revelando toda sorte de esquemas e falcatruas? Quem ainda não percebeu que todo caso que chega à justiça envolvendo militares que são perseguidos pelo atual Comando da PM e/ou SEDS, quando chega às mãos dos desembargadores 'mais queridos da cúpula', são arquivados? Meus caros, sempre que as autoridades do nosso Estado têm uma oportunidade elas se manifestam contra os nossos atuais gestores, como no caso das horas-aula dos militares que trabalham no CPM, quando os desembargadores disseram que é legal o pagamento da hora-aula, que havia sido suspensa pelo Comando da PMAL e SEDS. Mãozinha de 'deus'! No dia 25 de agosto, então, foi deprimente ver o Comando e a SEDS homenagear – como forma de 'estreitar laços' – o Desembargador Sebastião Costa, que dias antes havia metido o pau no Comando da Corporação, usando como desculpa a forma física da tropa. Ninguém, em sã consciência, haveria de homenagear que lhe critica, se não houvessem outras razões por trás disso.
Por tudo o que vocês tem feito, mesmo não concordando com certas situações, eu os parabenizo pelo conjunto da obra (afinal ninguém agrada a todos, sempre). Uma obra que inovou em revelar publicamente o que antes apenas era comentado à boca miúda nos bastidores das unidades. Uma obra que corajosamente revela o outro lado da (nossa) Segura Pública de Alagoas."
Diante do exposto, agradecemos as palavras do amigo leitor; ocasião em que encerramos as postagens do mês de agosto, o mês do cachorro louco, com a seguinte charge:
Uma obra que corajosamente revela
o outro lado da Segura Pública de Alagoas:

CIODS: local de informações e fofocas‏

Outro dia, ao entrar de serviço no CIODS, fiquei sabendo que o TC Hermelindo no final de julho, na condição de Coordernador de Operações do CIODS, seguindo determinação do Comandante Geral, o Cel Luciano Silva, fez uma diligência a Marechal Deodoro no sentido de buscar e apreender o carro do Cap Gouveia (aquele mesmo que era comandante da Guarda Municipal daquele município, mas que foi "exonerado após a nossa postagem"), um Golf Soportline, financiado. Até aí tudo bem. O problema é que segundo "informações quentíssimas" do serviço reservado – que o Cel Gilmar retirou das unidades e centralizou no CPC – o capitão estaria com um carro de "estouro", ou seja, o carro estava com a situação irregular.
Então, dando cumprimento á ordem recebida, o nosso valoroso guerreiro foi até a residência do capitão, de onde (segundo os informes), apreendeu o carro que estava na garagem e logo em seguida o recolheu ao pátio do QCG. "Para deixar o carro à disposição do comando", revelou-nos um a favor.
Que o carro era financiado, isso tinha sido confirmado pelo Cap Gouveia, que alertou: "coronel, não faça isso [a apreensão], pois o carro tá todo legalzinho, as prestações estão dia, veja aqui no boleto bancário". Tendo como resposta: "capitão, eu estou cumprindo a ordem do comando e vou cumprir com o meu dever, não complique a sua situação". E assim, para constrangimento do oficial intermediário perante a sua família e demais vizinhos, o carro (cuja parte do valor foi pago com o dinheiro que o capitão ganhou quando esteve atuando pela Força Nacional, em Goiás) foi recolhido.
Algum tempo depois desse ocorrido, o Cap Gouveia (juntamente com um representante do banco que financiou o carro, disseram) conseguiu a liberação do veículo – para constrangimento do Hermelindo e do Comandante Geral. A propósito, sempre que o Cel Luciano "precisa" de algum subalterno para cumprir as suas ordens mais "complexas", os seus oficiais preferidos são os irmãos: Cícero e Hermelindo (qualquer explicação de que seja "coincidência", para mim não cola). Segundo informes que recebemos, o capitão vai processar o "Estado" por constrangimento ilegal e abuso de autoridade.
São situações assim que ajudam a entender porque é que a segurança pública de Alagoas está um caos, com uma tragédia após a outra, chegando ao ponto de terem – recentemente – matado um adolescente em frente ao Posto Policial do Vergel.

AeroDário

O Super-secretário de Insegurança, Sua Santidade Reverendíssima Dário, o César, está novamente viajando. A contar pelo número de passagens aéreas e milhagens acumuladas, brevemente estará superando o número de viagens do próprio ex-presidente Lula.
Algo de muito incômodo deve haver naquela cadeira da SEDS que o impede de ficar sentado por uma semana contínua. Nós queremos saber!
Estas "profícuas" viagens são denunciadas frequentemente. Quem acompanha seu twitter deveria também acompanhar o Twitter de seu alter-ego, @darioocesar
Vamos te dar uma mãozinha, Dário: a SEDS é em Alagoas, ok? Mais especificamente do lado do Quartel do Comando Geral da PMAL. Vamos dar um diazinho de serviço, né?

Quem nos livrará dos "homens bons"?

Na semana passada fomos "surpreendidos" por uma matéria vinculada em alguns sites, onde o presidente do sindicato dos vigilantes de Alagoas, Jose Cícero da Silva, manifestou-se temerário com relação à legalização do projeto "bico legal". E reforçou: "Somos contrários a este projeto que tira o pão da boca dos vigilantes!", arrematando com um firme e sonoro: "Polícia é polícia, vigilante é vigilante".
Antes que adentremos no mérito da coisa, é preciso deixar claro que o "bico legal" não consiste em colocar o policial militar em função de "vigia". A sua essência, nos moldes do que vemos na Polícia Militar de São Paulo (conforme mostraremos brevemente) é que no segundo dia de folga – se é que podemos chamar o que temos de folga – de forma voluntária, venhamos exercer, fardados, armados e em função de polícia militar atividade de patrulhamento ostensivo a pé – o conhecido P. O –, em escalas sugeridas pela prefeitura municipal e recebendo uma remuneração custeada pelos cofres públicos (e de forma legalíssima, com todos os direitos e atividades inerentes a nossa profissão) por isso.
E nisso, os vigilantes podem ficar tranquilos, pois concordamos na máxima de "Zé Ciço": "Polícia é Polícia, vigia é vigia!" Acho que isso não precisava nem ser dito de forma tão elementar.
"Entretanto..."
Uma das maiores óbices ao projeto não vem propriamente deste sindicato e nem mesmo da câmara dos edis – vem diretamente dos "homens bons", e cheios de boas intenções que estão dentro de nossa caserna –, na pessoa dos maiores interessados diretos da não aprovação deste projeto que auxiliaria em muito no resgate da dignidade dos nossos policiais em Maceió, e ainda serviria como espelho para as demais prefeituras seguirem o mesmo expediente.
E estes interessados, por incrível que pareça senhores, são coronéis, majores e até um capitão de nossa briosa Polícia Militar de Alagoas, que de forma malandra e até indecente exploram pecuniariamente o policial militar na folga. E para dar nome aos bois, quem não conhece as figuras do Tenente-Coronel Lima Junior, do Major Amorim e do Capitão Elisiário, os maiores "senhores de engenho" do século XXI desta Polícia Militar – empresários de "visão", que vivem misturando o que é publico com o que é privado. Por esta razão, para estes "empresários", mestres em "assessoria", seria um terror, além de péssimo para os negócios, que a especializadíssima mão de obra tivesse sua hora de folga melhor remunerada. Para eles não há meio termo: esse projeto não deve vingar!
Do outro lado, vemos as figuras dos Comandantes da Área (destaque para a metropolitana), do Comandante Geral da PM e até mesmo "sua santidade", o Secretario Dário, o César (cuja equação que o rege, não custa lembrar é = má-fé + oportunidades + um pouquinho de falcatruas) desesperados em terem de nos pagar pelas nossas extras, que há muito já fazemos numa espécie de filantropia forçada, porque sabemos que a contrapartida em forma de ajuda de custo que os empresários pagam é até obscena em valores e eles querem mais é "comer essa grana inteirinha sozinhos".
Portanto, senhores eu lhes afirmo: quem está por trás de toda essa celeuma acerca do projeto do vereador Galba Novaes não é a sociedade civil organizada, mas oficias da PMAL, sobretudo oficiais superiores que estão temerários de ver seus "bicos (i)legais" desaparecerem da noite pro dia.
E quem nos livrará destes "homens bons" e suas boas intenções?

PS: Agradecemos o contato e as sugestões de pauta para as postagens, assim como uma das fotos dessa matéria aos sempre cordiais companheiros que integram a PMMG, amigos do BEF e por tabela inimigos da cúpula da segurança alagoana, os quais salientam o desprazer que tiveram em conhecê-los em sua tamanha empáfia, quando da viagem àquele Estado há alguns meses atrás, por intermédio da "comitiva real da SEDS". Bem como agradecemos as informações sobre a condecoração do "coronel" Pinheiro e outdoor do dia dos pais, que foram essenciais para matérias anteriores. Valorosos guerreiros da PMMG: estamos juntos nessa luta, que é de todos nós!

Não temos porque parabenizar o CFAP

Outro dia eu fiz uma matéria falando sobre o absurdo de terem nos colocado pra cantar um hino na hora da chuva, no CFCP, mas com certeza o que o CFP 2010 passou e o que o CFP 2011 tem passado, o que na verdade é uma retratação do que passei no meu curso de formação de soldado há alguns anos, é coisa bem pior e ninguém viu nada!
Muitas têm sido as situações que estão levando os alunos a buscarem, de vez em quando, o auxílio da OAB ou então do MPE. Quando isso acontece, e a autoridade a quem foi feita a reclamação se faz presente ou manda apurar a denúncia, isso resolve o problema por dois ou três dias. Mas depois... Tudo voltava à "normalidade". E então, novas queixas são feitas...
Que os cursos (CFP ou CFCP) são desgastantes, disso não que se reclamar. Ruim mesmo, por exemplo, é quando chove, e alguns idiotas "inventam" de fazer alguma coisa debaixo de chuva. Tem lugares na frente do prédio onde entramos em forma que fica cheio de água, e mesmo depois da minha postagem ainda há quem faça questão de colocar os novos soldados para marchar nas poças simplesmente para ver molhar o coturno.
Por falar em chuva, desde que comecei esse curso, perdi a conta de quantas vezes ficamos a formatura matinal toda na chuva. Às vezes por longos minutos com a leitura do BI, que não diz nada de interessante para gente. Fora isso, perdi a conta de quantas vezes tivemos de fazer ordem unida com equipamentos que não utilizamos no nosso dia-a-dia, bem como de quantas vezes tivemos de ficar marchando rumo a lugar nenhum.
No final, principalmente os recrutas do CFP, se alguém passa mal em forma é sempre punido, principalmente com pernoite. E "eles" usam os motivos mais absurdos para punir. Sobre os hinos, tivemos que aprender e reaprender tantos que parecia que iríamos gravar um CD. Teve um dia, conforme testemunhou uma colega de um dos CFP citados "tivemos de cantar quatro hinos várias vezes para sermos liberados, o que somente ocorreu à noite". Isso tudo sem falar nas "revistas" e punições do final de semana.
No que se refere às revistas, no começo do curso elas só tinham hora pra começar e iam até quase 23 horas, mas o TC Aleixo (quando ainda estava por lá) ficou sabendo e estipulou que seria até às 21 horas, como se fosse fazer muita diferença, pois ninguém que estava de revista até este horário ia para casa. Infelizmente, depois que ele saiu do CFAP, e a TC Ana Paula assumiu o Comando, tudo voltou a ser como era antes: "as revistas sem hora pra acabar, pelotões inteiros de Licença Cassada (sendo que não tinha lugar no alojamento pra todos os alunos, e muitos ficaram dormindo na sala de aula), tirando pernoites sem motivo, mesmo quando não estavam de serviço", confirma um aluno formado este ano.
Com a vinda de uma mulher ao comando do CFAP euzinha até acreditei que algo fosse mudar, pois imaginei que a presença feminina fosse ser mais sensível às nossas situações. Na verdade todo mundo sabia que embora a TC Ana Paula estivesse no comando, quem mandava mesmo era o Maj Valdécio. Uma pessoa que se apresentou como sendo boa, mas que depois se revelou como "Maldécio".
Como eu disse lá no início, a situação de quem está se formando é pior de que a de quem está se reciclando...
Teve um dia que a Comandante disse em forma que o CFAP "ia diminuir os copos que eram fornecidos para os alunos", pois estávamos bebendo muita água e gastando muito copo. O que ela não revelou, na verdade, é que em todo Pelotão tinha a "cotinha do mês pra comprar materiais de limpeza, bem como copo descartável, e coisas para lanchar", o que deveria ficar por conta da Unidade Escolar, e que isso tudo que estava sendo usado ficava por nossa conta, sendo que os oficiais, Comandantes de Pelotão, faziam questão de intermediar a angariação desses recursos, que nunca tinham as contas devidamente esclarecidas.
Por falar nos oficiais, os Comandantes de Pelotão, existe um "clamor" unânime perante todas as turmas, seja do CFP ou do CFCP, que o Ten Arandas é um dos piores que já passou por esta Unidade de Ensino. Teve várias ocasiões, quando o mesmo acumulou o comando de dois pelotões, que ele colocava um Pelotão de frente pro outro e ficava falando sempre a mesma coisa, não para ensinar, e sim para irritar mesmo. E era comum, ele fazer isso sempre na hora de liberar, bem dizer à noite. Pense na raiva que ele despertava nos alunos que viam todos os outros pelotões indo embora e ficavam apenas os dele, ouvindo a mesma coisa de sempre: apenas besteiras que o tornaram perante a gente como um cara muito mal quisto.
Certa vez teve um "Corridão do Faustão", que inventaram por lá, para que os alunos que estivessem fora de forma ou que tinham algum problema pra correr entrassem em forma. E isso ficou estabelecido que ficaria de segunda a quinta, sempre depois da formatura de liberação. Normalmente ia até depois da 20 horas, e quando o aluno estava de revista ficava com o uniforme de TFM mesmo porque nem sempre dava tempo pra trocar de roupa.
As mensalidades, essas eram sempre incógnitas indecifráveis: para onde vão? Onde são investidas? Que história é essa de que toda turma que chega tem de comprar o ar-condicionado? Mensalmente tínhamos que pagar R$ 20,00. E o prazo vai até 3 dias depois do receber o salário. E quem não paga...
Quanto à água, ainda hoje o CFAP usa do mesmo "procedimento" que usava quando da minha formação, ou seja, a água (aquela que vem da caixa no fundo da APM que quase sempre fica esborrando) é desligada todo dia "coincidentemente" nos intervalos das aulas e no horário do almoço. Como se já não bastasse alguns alunos passarem o dia todo no CFAP, e no final não ter como tomar banho, pior é sentir vontade de ir a algum dos banheiros e os encontrar sujos, nojentos, podres. Ah, mas não é só isso não. Existe horário para fazer uso dos banheiros, os quais só podem ser utilizados nos seguintes intervalos: pela manhã (de 09h30 às 09h45) e à tarde (de 15h30 às 15h45), como se as necessidades fisiológicas tivessem hora marcada para acontecer. Em meus tantos anos de polícia, nunca soube realmente porque "eles" desligavam a água quando mais se precisava dela. Se alguém souber o motivo, deixe um comentário a respeito.
Uma das coisas que não entram na minha cabeça é porque temos sempre de andar correndo no CFAP. Isso qualifica em quê a formação? É um absurdo punir o aluno que é pego andando pelo CFAP. Eu sei que o programa de atividades tem um cronograma que tem que ser seguido, mas o mesmo não é afetado se o aluno simplesmente "anda". E se o aluno é visto "andando pela unidade", normalmente isso ocorre quando mesmo não está em aula. Além do mais, não há como obedecer aos horários, ainda mais nos intervalos, quando os alunos tem arriscar tentar fazer uso do banheiro e ficar sujeito a uma punição. Além do que, quando se consegue chegar à satisfação das necessidades, tudo tem que ser "sempre correndo", e ai de quem não anda precavido. Vai ficar refém da precariedade da falta de "material" higiênico.
Quando o tempo dos intervalos não diz respeito aos banheiros, tome sair correndo para o CPM em busca de um lanche melhorado. Em resumo a questão dos intervalos é assim: tem de escolher entre lanchar e usar o banheiro, porque não dá tempo para os dois.
Foi justamente numa ocasião em que estava fazendo um lanche (eu realmente estava no lanche, e não no banheiro), fiquei sabendo de uns fatos que ocorreram com um dos pelotões comandados pelo Ten Arandas, fatos estes que depois se estenderam para o outro pelotão. No caso, o que chegou ao meu conhecimento foi o seguinte:
"Um dia, depois que os alunos voltaram do horário do almoço, ficaram em forma como em qualquer outro dia, e depois foram pra sala. Mas o Ten Arandas, haja vista que não tinha instrutor para ministrar a aula prevista, mandou todos irem pra reserva de armamentos e se armarem com o 'fuzil' e depois entrar em forma na quadra. Ordem obedecida, e sem que ao menos fosse feito algum tipo de alongamento nem nada, o tenente simplesmente colocou os alunos para correr debaixo de um no sol forte, isso por volta das 14h30. Quem não conseguiu correr, porque passou mal ou algo do tipo, teve um 'presentinho': todos os dias, antes de almoçar, deveria dar duas voltas no CFAP, sendo que à noite, antes de liberar, os 'presenteados' deveriam dar três voltas. O detalhe era o seguinte: o Pelotão só sai completo. Depois de uma semana, esse 'presentinho' se estendeu para o outro Pelotão comando pelo Ten Anrandas. Pouco tempo depois, ele disse em forma que 'como o Pelotão estava se esforçando pra correr, ele iria aliviar um pouco'. Então ele mudou o número de voltas, que de duas passou para três (antes do almoço)."
Essa parte foi revelada por uma colega que se formou – há alguns meses – numa terça-feira, ocasião em que comemorou muito mais a "saída" do CFAP, que a formatura em si. É, amiga, mal a sua turma saiu do CFAP e já no dia seguinte vocês estavam de volta para saberem em quais unidades estavam lotados. E já na quinta e na sexta, sem nem ao menos terem um intervalo após a conclusão do curso (conforme só acontece nos cursos dos oficiais que até viagem de comemoração fazem, muitas vezes até para outros países), na quinta e na sexta lá estavam todos vocês de PO, fardados e desarmados, prontos para trabalhar. E para completar, nem férias completas vocês terão este ano.
Não sei se este é o pensamento das demais pessoas, mas para mim o CFAP é um lugar onde aprendemos muitas coisas... Como, por exemplo, perder dias inteiros sem faze nada... Ser levado ao limite sem motivo algum... Ser tratado mal e até nas músicas devolver isso para a sociedade (quantas foram as vezes em que cantei coisas tipo: "eu pego o inimigo e bato nele até matar", devolvendo em forma de canções o rancor e ódio que sentimos de muitos comandantes de Pelotão).
Apesar de tudo, só foi bom pelas amizades que fizemos com os colegas, porque fora isso...

Explosões a estabelecimentos bancários

Caros amigos, gostaria de pedir que os senhores publicassem a seguinte denúncia sobre o sistema penitenciário alagoano:
Transferência de preso ligado a Fernandinho Beira Mar é o motivo de tantos assaltos a estabelecimentos bancários
Atualmente no Sistema Prisional Alagoano encontra-se – no semiaberto – um preso de alta periculosidade, oriundo do Estado do Rio de Janeiro. Este preso é um dos líderes do Comando Vermelho, e o setor de inteligência do Sistema Penitenciário identificou o mesmo como braço direito do "Sr." Fernandinho Beira Mar, estando envolvido no tráfico de armas, tráfico de drogas internacionalmente.
Para que os amigos tenham noção da gravidade dessa situação, é bom frisar que o Sistema Prisional Alagoano encontra-se em Maceió, em plena área urbana, e que nenhum presídio em Alagoas conta com as estruturas básicas da IGESP. Além do mais, contrariando a LEP (Lei de Execuções Penais), os presos são liberados das suas obrigações tendo simplesmente que se apresentar uma vez por mês no Fórum em Maceió, quando era para ficarem parte do tempo encarcerados.
Voltando à nossa denúncia...
Mesmo tendo sido constatado que o preso oriundo do Rio de Janeiro teve participação direta na morte do jornalista da Rede Globo Tim Lopes, fato este que diante da atual situação em que se encontra a segurança pública em Alagoas, nos causou estranheza e preocupação esta transferência, pois o referido marginal encontra-se em nosso Estado transitando livremente, sem as obrigações pertinentes ao preso, como manda a LEP (Lei de Execuções Penais). O nome do referido marginal é LEVI, o que pode ser constatado tanto no Prontuário do Presídio Semiaberto como também na Vara de Execuções Penais.
O que pouca gente sabe é que toda essa manobra de "transferência de preso" periculosos de outros Estados está sendo orquestrada pelo Sr. Promotor de Justiça Ciro Blatere o Sr. Secretário de Defesa Social Dário César, com o conhecimento do tenente coronel Luna, Intendente Penitenciário.
O mais chocante é que, segundo investigações da Polícia Federal, nesta transferência do preso ligado a Fernandinho Beira Mar "rolou" uma gratificação de R$ 2 milhões. É válido ressaltar que após a chegada do preso Levi em nosso Estado, "coincidentemente" começaram as explosões a caixas eletrônicos, bem como o aumento do tráfico de drogas (crack e cocaína) entre outros mecanismos de criminalidade com o mesmo modus operandi do Estado do Rio de Janeiro.

MAIS 2 POLICIAIS MORTOS: PEC 300 JÁ!

Para UMA JUÍZA morta fizeram sensacionalismo; e quanto às dezenas de policiais que morrem em serviço durante todos os anos o que vão fazer? Irão para praia sentar-se para ficar meia hora em silêncio como protesto?
Na verdade, no Brasil, a profissão de POLICIAL não é valorizada, pois, quanto mais policiais frustrados, desmotivados melhor fica para a corrupção vigorar.
Só no estado do Rio de Janeiro em 2010 morreram 83 policiais ano passado. Este Estado paga o pior salário da federação. Estatística abaixo:
O ano de 2010 terminou com 182 policiais baleados no Estado do Rio de Janeiro. A estatística fechou com 83 PMs mortos, 11 PCs mortos, 1 PF morto, 76 PMs baleados, 9 PCs baleados, 1 PF baleado e 1 PRF baleado. Dos 182 policiais, 75 estavam de serviço. Doze eram PMs reformados e um era policial civil aposentado.
Quais protestos você viu por estes policiais mortos? Nenhum! A vida deles neste país não vale nada, mas os policiólogos estão muito preocupados e debatem muito quando os corruptos maiores são simplesmente algemados; esse é o nosso país, dirigidos por esses políticos que elegemos...
Pior que toda essa imundícia vai ser derramada no colo da sociedade, que vai pagar caro...
O vídeo abaixo retrata  bem o cotidiano policial no Brasil. Mas atenção: CENAS FORTISSÍMAS.

Diagnóstico do 6º BPM

Olá caros amigos. Sou PM de Alagoas e parabenizo a todos que fazem a Briosa em Foco. Gostaria muito que vocês colocassem em foco o que tenho a dizer, haja vista ser mais uma vergonha em nossa polícia.
Sou militar do 6º BPM, em Maragogi, e hoje temos no subcomando da nossa unidade um capitão chamado BULHOES, um cara que não tem nada de bom dentro de si, que é um verdadeiro imoral, que – podem acreditar – vive incomodado com o que vocês fazem. A razão de referir-me ao capitão por "imoral" é porque este capitão está agindo como se fosse superior à Constituição Federal, violando direitos consagrados, pois em sua visão não existe nada acima do que ele acredita como sendo o certo.
Um verdadeiro falso moralista, que determinou que "para toda dispensa médica, seja por motivo 'fútil' ou justificado, o militar tem que pagar 'o dia não trabalhado' com um expediente", o que caracteriza falta de respeito e falta de humanidade. Onde já se viu obrigar o militar dispendo a cumprir um dia de expediente para "pagar" a dispensa medica? Diante dessa situação, o P1 do BPM é meramente um fantoche, pois não tem autonomia para nada. Isso porque nada relativo a serviço ele (o P1) da unidade resolve.
Agora vejam só, o capitão Bulhões pressiona de um lado e do outro vem a imoralidade: ele acocha, mas quando o presenteiam (crime de corrupção passiva), ou fazem favores a ele (crime de favorecimento pessoal), ele abre as pernas de forma descarada, ou seja, o capitão subcomandante vive aliviando a vida dos militares que lhe fazem favores. Tem militar no BPM que quando não quer trabalhar liga para ele e diz que não vai, pois o mesmo vive (no dia de serviço) sendo dispensado para ir buscar filho do capitão em Maceió e levar para o interior de Pernambuco (crime de desvio de finalidade). Fora isso, também pega estes militares para fazerem serviços particulares para ele, como buscar carro em Maceió e também levar a PAUDALHO, interior de Pernambuco, onde o capitão tem familiares. Como é que um oficial desta "qualidade" pode estar punindo alguém? Pois ele vem a todo instante punindo os militares do BPM. Isto é imoral.
Ele, na cara de pau, tira o militar do serviço, fazendo com que a guarnição fique desfalcada, interferindo no bom andamento do serviço, simplesmente para que o militar faça favores a ele, tal qual um office-boy. Será que o Comando da Polícia, bem como o do 6º BPM sabe destes acontecimentos? Este capitão tem que ser afastado urgentemente do batalhão, pois o que ele está fazendo está comprometendo a segurança pública local, assim como causando desarmonia na unidade, sendo assim uma verdadeira imoralidade. Sabe-se também que a região de Maragogi é "viciosa" em dinheiro e o mesmo capitão é conhecido como "adorador" de dinheiro.
Por fim, lá no BPM tem uns oficiais que vivem falando mal de vocês. Os mesmos compartilham da ideia do subcomando, que acredita que o militar esteja à parte no que se refere à democracia, pois em suas visões somos regidos "apenas" pela hierarquia e a disciplina, e adentrar publicamente em assuntos inerentes à segurança pública sem autorização do comando significa falta de respeito e sobretudo indisciplina, razão pela qual vocês deveriam ser punidos por ataques aos superiores. Pelo exposto, este é um dos pensamentos destes oficiais que se acham donos da Polícia Militar, os quais, quase sempre que estão à frente de uma formatura matinal, ao invés de falar sobre as recomendações do serviço, gastam boa parte do tempo criticando o que é citado por vocês. Diga-se de passagem, foi através de um destes oficiais que fiquei sabendo deste site (um verdadeiro tiro no pé, pois somente atiçou a curiosidade de muitos que não conheciam esta página). É, caros amigos, podem acreditar: vocês incomodam os imorais.
Quero terminar esta carta com uma singela pergunta: "será que o comandante do 6º BPM sabe do que acontece em seu subcomando?"

Cb PMAL Romão: acidentado e precisando de ajuda

Caros amigos, no dia 19/07, aproximadamente às 6:20 h da manhã, o nosso amigo Romão andava de bicicleta e se envolveu num acidente com um ônibus e um caminhão, e desde então o mesmo tem passado por algumas dificuldades. Hoje o seu quadro de saúde é estável, mas foi muito complicado e ele não tem previsão de receber alta; e mesmo estando internado no HGE (por não ter plano de saúde e nem assistência do CHPM) ele tem despesas, como por exemplo uma gaze especial, para melhorar a cicatrização!

Sua situação é muito complicada, pois o Romão sofre com problemas de varizes na perna esquerda, justamente a pena que foi atingida (atropelada) pelo caminhão.
Amigos, quem conhece o Romão sabe do cara alegre e brincalhão que ele é, mas hoje ele está muito apreensivo, pois além das dificuldades financeiras que todos nós sempre passamos, ele anda muito preocupado sobre como sua perna vai reagir, realmente é complicado, quem puder visitá-lo, vá, por favor, e se puder ajudá-lo financeiramente será muito importante!
Abaixo segue sua conta do Banco do Brasil:
Ag: 0013-2
Cc: 13194-6
Favorecido: Inaldo Romão da Silva
O blog Briosa em Foco apoia essa campanha!

Gilmar não ponderou suas veredas

Gilmar José Batinga da Silva, um alagoano de 47 anos, doou os últimos anos de sua vida à ambição, fazendo por onde – a todo custo – ser promovido e chegar aonde nenhum outro praça com um histórico como o seu (alcoolatra, macetoso, dentre outras coisas) jamais chegou: ser coronel "fechado" e com possibilidades de ser, provavelmente em dezembro, o próximo Comandante da PMAL.
Nesse caminho de aparente sucesso, muitos foram os "desdobros" do Gilmar, que mesmo cumprindo o seu mister sempre fazia por onde tirar algum proveito, fosse financeiro ou até mesmo através de "gratuitos" e "despretensiosos" elogios, o que lhe rendeu "trocentos" pontos que lhe possibilitaram ascender de forma meteórica na carreira.
Inúmeras foram as vezes que eu vi o Batinga, após uma ação bem sucedida dos seus comandados, pedir para que a pessoa que foi atendida enviasse um ofício ao Comando da PM o elogiando "por tal feito". Ah, meus caros, quanta lábia...
Gilmar Batinga fez tudo que podia e até o que não podia, fosse na "arte da diplomacia" ou até mesmo na "arte da tortura", e sempre esbanjando uma "habilidade" singular, algo que lhe deu notoriedade, mas que na verdade não passava de uma capa. Esse desdobro, no entanto, o deixou fora da realidade, bem como o afastou da simpatia de muitos que o admiravam. Em termos bem práticos, podemos dizer que Batinga ficou com "o rei na barriga".
Em meio à fama, muitas foram às ocorrências em que Gilmar se apresentou como o senhor da razão, mesmo não sendo detentor do conhecimento específico, a exemplo do sequestro em que, passando-se por repórter – e passando por cima da doutrina do gerenciamento de crises –, ele quase pôs tudo a perder. Hoje em dia, em suas entrevistas, comporta-se como se fosse o dono da verdade.
Certa ocasião eu tive a oportunidade de conhecer um sargento que confidenciou:
"Eu era mais moderno que o Batinga, e quase que não engajei porque ele tinha a mania de chegar bêbado no serviço que a gente tirava no centro da cidade, e quando ele chegava ainda ia catar papelão para dormir nas portas das lojas, porque sabia que eu era um cara golinha e ficava em QAP a noite toda. Porém um dia eu estava com febre e com o corpo mole, então pedi para o Gilmar 'segurar' um pouco sozinho porque eu não estava aguentando nem ficar em pé. Algum tempo depois eu acordei com a voz do Batinga dizendo assim para o oficial que chegou no 'Opalão': 'eu falei para ele não dormir, meu chefe, mas ele não quis nem saber'. Nesse dia, quase fiz uma arte com esse cara. A sorte dele é que o oficial era um cara de bem, porque se fosse outro eu estaria fora da polícia."
Foi a partir desse momento que os pares perceberam que o nosso personagem era uma pessoa horrível, cruel e sem sentimento. E isso ficou mais evidente ainda quando ele, por onde passou, demonstrou indiferença com os subordinados e "amor" ao dinheiro resultante do cargo. Sobre isso, os casos mais emblemáticos que podemos citar são: i) o do Extra, onde Gilmar Batinga recebeu R$ 100,00 por cada PM escalado para trabalhar nos serviços extras dentro da área do supermercado; e ii) a designação de uma Vtr composta por membros da P2 (que eram remunerados com R$ 250,00, para cada um), que fardados tiravam um serviço de 12 horas dando voltas no Shopping Iguatemi (que pagava pelo serviço em cheque, o qual era sacado por um soldado na Caixa Econômica que fica próximo à Praça dos Leões, e repassado para a "unidade").
Com tanta ambição, até na Assembleia Legislativa Gilmar trabalhou. Mas não com o intuito de conseguir proventos, sua ideia era outra. Sua ida para a ALE foi estimulada para dar-lhe mais proximidade com os parlamentares, os mesmos que o indicaram e fizeram por onde ele comandar o CPC, bem como as suas promoções "correrem". Em meio a isso, e querendo sempre mais, almoços com o governador foram arranjados para que o "José" expusesse suas ideias, as quais foram meticulosamente ouvidas pela autoridade máxima do Estado.
E a oposição, sempre atenta, apenas observou, tendo certas vezes tramado timidamente alguma situação de cunho político. E Gilmar, em sua lucidez, não refletiu cuidadosamente sobre o que poderia advir de suas ações no caminho de sua jornada de vida. E assim, implacável, insensível, senhor da verdade, com ares de próximo comandante, seguiu Gilmar com suas ações, punindo, dando "banguela", inventando serviço (de confecção de relatórios) nas bases comunitárias até mesmo para os doentes (aptos com restrições), desconsiderando publicamente até mesmo os pares, etc.
A passagem rápida que Batinga percorreu entre um posto e outro contrasta com o caminho livre que hoje ele não tem. Hoje, impedido de seguir um ritmo de vida normal, aquele do homem justo, honesto, que sai à rua sem receios, que vai a praia à noite para fazer caminhadas, esse "José", trilha por um caminho escuro, guiado (literalmente) por homens de preto, diuturnamente, porque além de ambicioso "José" também foi perverso com algumas pessoas, e essas pessoas nas suas razões, tomadas de ira, querem "devolver" a perversidão recebida, ou seja: Gilmar José Batinga da Silva é um homem ameaçado de morte e precisa de escolta para poder sair de casa!
Gilmar Batinga, sabemos que você acompanha este blog, retenha o seu coração nas minhas palavras: "guarda os mandamentos do Senhor e vive" (Provérbios 4:4). "Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida" (Provérbios 4:23). "Pondera a vereda dos teus pés, e todos os teus caminhos sejam retos" (Provérbios 4:26). Saia dessa de ficar perseguindo e oprimindo a tropa, Gilmar Batinga. Veja como está a sua vida desde terça-feira: um aperreio só. Lembre-se que "seus atos, e tudo mais que você faz", como você bem costumava dizer nas unidades por onde passou, "podem trazer reflexos para as pessoas que lhe são próximas".

CONCERTO DA BANDA SINFÔNICA DA PMAL

A programação (da PMAL) em comemoração ao Dia do Soldado foi encerrada nesta quinta-feira (25) com a Solenidade de Promoção e Outorga de Medalhas, a partir das 19 horas, no Teatro Deodoro. A noite contou ainda com um Concerto Especial da Orquestra da PM. No repertório, sob a regência do tenente Carlos Gomes e subtenente Everaldo Borges, uma sequência do grupo ABBA Gold, Frank Sinatra, Michael Jackson, Mynard Ferguson, entre outros. Com entrada franca, o evento também foi aberto ao público.
Infelizmente, como bem diz a foto a baixo, "não temos o que comemorar", por diversos Motivos!

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver