Teoria das Janelas Quebradas

A maioria de nós, policiais militares, reconhece que a Rádio Patrulha, a julgar pelas suas atuações, seja hoje a unidade operacional mais qualificada do Estado. O que não desmerece a qualificação das "unidades de área", ainda mais diante das suas limitações em amplo sentido, pois mesmo com os seus altos e baixos, são exatamente as demais unidades as primeiras responsáveis pala normalidade, passando ao cidadão de bem, cumpridor de seus deveres, uma maior tranquilidade e segurança.
E foi justamente devido às deficiências e limitações das unidades de área que foi pensado o "projeto rádio patrulha", cuja finalidade era "dar cobertura às unidades de área nas situações críticas".
Pensando assim, o Comando da PMAL à época, o Coronel Ronaldo dos Santos, não mediu esforços para que o projeto fosse concretizado, ocasião em que enviou diversos oficiais para fazerem cursos com as melhores polícias do Brasil. E assim, em 19 de abril de 2001, por força da Lei nº 6.320, foi (recriada) a Rádio Patrulha (RP), que efetivamente começou as suas atividades como unidade operacional no final do outubro de 2001, com apenas seis viaturas atuando da seguinte forma: três pelo dia e seis pela noite. Algum tempo depois a unidade passou a atuar com 30 (TRINTA) viaturas e trezentos policiais.
Vejam bem: a RP, há dez anos, atuava com trinta viaturas em condições de serviço e um efetivo de 300 policiais. Hoje em dia, a Casa do Pitbul tem um efetivo de 307 policiais (ver BGO nº 177) e tem de se socorrer de viaturas das "unidades de área", aquelas mesmas unidades cheias de limitações em amplo sentido, e que deveriam receber e não prestar apoio. Além do mais, levando-se em consideração que aproximadamente 10% do efetivo da unidade encontra-se de férias ou licença espacial, quase um quinto dos seus militares encontra-se com problemas de saúde, o que reflete no serviço de segurança ofertado à sociedade, isto é, no combate ao porte ilegal de armas e o tráfico de drogas. Vê-se, com isso, que houve um retrocesso no quantitativo tanto de meios como de recursos humanos para a unidade. Confirmemos, então, alguns dados:
E as dificuldades não param por aí. A unidade continua com deficiência no que se refere à sua própria segurança, conforme foi relatado na matéria "A RP agoniza", assim como no que se refere às acomodações de cabos e soldados (clique aqui).
Diante do exposto, temos de concordar com o Comandante Geral da PM, coronel Luciano Silva, quando o mesmo destacou a importância ímpar da unidade de Rádio Patrulha: "Estes policiais desempenham uma excepcional função e estão de parabéns pelos serviços prestados nestes dez anos", ainda mais diante das condições apresentadas – complemento.
Em contrapartida, não concordamos que haja "grande satisfação" por parte do batalhão, leia-se da tropa daquela orgulhosa unidade, conforme destacou o seu comandante, o TC Jairisson Correia, por ocasião da solenidade de parabenização, pois as perdas do padrão no ambiente de trabalho, associada à mendicância de viaturas velhas de outras unidades, afeta, sobre maneira, a autoestima e o desempenho das guarnições sob seu comando.
Há alguns anos, era salutar ver que havia competição entre as guarnições para ver quem aprendia mais armas de fogo no mês, bem como quem apreendia mais armas numa única ocorrência. Havendo casos de guarnições que em um mesmo serviço chegasse a apreender armas em duas ou três ocorrências distintas. Hoje em dia, conseguir embarcar em uma viatura, mesmo que não se aprenda nem uma faca, já é considerado uma vitória.
E assim, revelando o quanto as nossas unidades são "esquecidas", lembramos que na data de 22 de setembro é aniversário do 1º BPM, a célula mater da corporação, e que deveria – antes de qualquer outra unidade, não desmerecendo as demais, haja vista que antiguidade é posto – ser reconhecida e parabenizada pelo seu dia, até mesmo por um simples detalhe: o aniversário do BPRr foi e 20 de setembro.
Parabéns, 1º BPM. Vocês também não tem muitos motivos para comemorar, mas nós reconhecemos o que os membros dessa unidade tem feito, mesmo com todas as dificuldades. Infelizmente, caros leitores, enquanto estivermos sendo administrados por pessoas que fingem se preocupar com a causa pública, sendo que na verdade preocupam-se mais com postos, cargos, locupletações, "jogos de futebel e postagens no twitter", a exemplo do Subcomandante Geral, estaremos fadados a toda contrariedade de sorte.

16 comentários :

Anônimo disse...

PARABÉNS BEFE! porém peço a vcs que façam uma matéria sobre como são tratados da PMAL as pessoas que fazem faculdade! ESTÁ HAVENDO A TEMPO UMA PERSEGUIÇÃO PRA QUEM ESTUDA NESTA INSTITUIÇÃO! PELO AMOR DE DEUS AJUDEM-NOS! TO CANSADO DESTE ESTADO CORRUPTO QUE NÃO POSSUI JUSTIÇA! KD A MÍDIA AGORA? DIREITOS HUMANOS? MP? JUSTIÇA? por isto sou a favor a pertecemos novamente a PE! pensei que ser PM a pessoa tem q ser corajoso mas pelo que vejo quando mais covarde melhor...somos atualmente o q merecemos! vivemos sucateados e no lixo enquanto o comando ri da nossa cara! parabéns bando de covardes!!!

Anônimo disse...

até meados de 2007,a rp ainda tinha um pouco de rp da época de fundação.foi quando chegou ao comando o então ten.cel. luciano e estragou tudo, com a sua falta de comando e poder de baixar a auto estima dos policiais.completou esse quadro o seu sub, o então maj. entulho,digo thúlio,que influenciado por oficiais idiotas como hiraque e cletiano, transferiram vários policiais que davam o sanque pela rp, como sgt adeildo,cb,bezerra,cb rômulo e muitos outros que se for citar não cabe aqui, policiais esses que contribuiram e muito para a rp hoje ter o nome que tem.muitos gostariam até de voltar,mais o lado pessoal,ou seja ,os oficiais não querem,como o imbecil do hiraque que se acha dono do lugar.enquanto isso,policiais como o cb.ayres,moloqueiro de carteirinha da ponta,continua lá.eu tenho nojo da rp de hoje.

Radio Patrulha disse...

Meu irmão é do 8º Batalhão, e ele disse que a sua unidade, que já não tem viaturas, teve de "doar" duas Blazers para o "Raio que os Parta". Que situação. Nunca pensei que poderíamos chegar a esse ponto : /

Jenésio, o Pecador disse...

Depois dessa, estou dando QTA na minha ida para a "Casa do Pitbul". Mais uma vez, "o povo..."

O POVO DE DEUS disse...

"o povo... DE DEUS ESTAR HORORIZADO COM ESTAS COISAS, NAÕ E´ COMPANHEIRO ?!?

Jenésio, o Pecador disse...

Com "cerveja".

Brigada dos mártires de al aqsa disse...

Sim coronel dimas hipocrita: e quano foi o jogo do internacional?

TENHA VERGONHA deveria estar cuidando da moral publica. è esse o homem que é responsavel pela DISCIPLINA e moral na PMAL?

To morto

Falcão Sete disse...

Eu nao acredito nisso, um coronel de policia viajando com o dinheiro da PM pra ver jogo de futebol, é isso mesmo que eu estou vendo?

CORREGEDORIA APURE ESTAS DENUNCIAS.

IMPRENSA cade vcs?

Anônimo disse...

Um dia, quem sabe voltarei a minha casa e terei orgulho novamente!!!

Anônimo disse...

RP NUNCA SERA!

Assessoria BEF disse...

Estado do RN tem 150 dias para regularizar escalas de policiais e bombeiros

O Governo do Estado tem um prazo de 150 dias para enviar um projeto à Assembleia Legislativa que regularize as escalas dos Policiais Militares e dos Bombeiros, conforme decisão do Tribunal de Justiça (TJ/RN) publicada na última terça-feira. Enquanto isso, o Estado deve estabelecer uma carga horária de 40 horas semanais para esses servidores. Segundo o presidente da Associação dos Praças da PM (Aspra/RN), Eduardo Canuto, a decisão atende a um pleito da categoria pelo direito ao policial trabalhar somente 160 horas mensais. "Alguns chegam a tirar 300 horas de serviço mensal, o que é um absurdo". Segundo o secretário estadual de Segurança Pública e Defesa Social, Aldair da Rocha, ainda está sendo estudado como atender à decisão judicial.

Eduardo Canuto explica que a decisão partiu de um mandado de injunção impetrado pela Aspra. A associação argumentava que não existe uma lei estadual regulamentando a carga horária ao qual o PM é submetido. Enquanto isso, alguns policiais chegavam a cumprir escalas de 24 horas deserviço, com 48 horas de folga, o que para o presidente da Aspra era exorbitante. "O problema dessa escala é a carga de estresse ao qual o policial é submetido. Nesse período o PM fica esgotado e seu atendimento à população é prejudicado devido ao cansaço sofrido". Ele lembra ainda que, segundo a Constituição Federal, o trabalhador pode ser submetido a uma carga máxima de 160 horas semanais.

O acórdão estabelecido pelo TJ/RN, cujo o relator foi o juiz Nilson Cavalcanti, determina que o Estado adeque a carga horária para PMs e Bombeiros para 40 horas semanais assim que for intimado a cumprir a decisão. Eduardo Canuto explica que, ainda que o governo venha a recorrer, tal medida não suspende a decisão. Ele afirma que a Aspra deve conversar com representantes do governo nos próximos dias para discutir a criação do projeto de lei que regulamente a carga, como exigido pelo acórdão.

O comandante da PM no estado, o coronel PM Francisco Araújo Silva, afirma ainda não ter sido informado oficialmente sobre a decisão e por isso prefere não se pronunciar. (Paulo de Sousa)

Diário de Natal

Chefia disse...

E como se não bastasse tudo isso que temos acompanhado a há tempos, os abusos e perseguições estão passado do limite. Não existe mais motivação, Só serviço,serviço e mais serviço, perseguiçoes e mais perseguiçoes com os aptos com restriçoes e os que adoecem. Não se pode adoecer. Se vc adoece e falta o P.O (coberto por atestado médico) no proximo fds vc é escalado nos DOIS DIAS do FDS!! Isso mesmo? Que tal o pessoal do BEF dar uma olhadinha nas escalas de serviços do CPC? É só ir no QCG e observar o "reforço" do guarda (policiais de outros setores) estao tirando 24hx24h..
Isso sem falar dos comandantes,chefes ou diretores dirigir-sem ao CHPM pra saber o pq da dispensa ou qual a enfermidade do praça.
E tem muitos e muitos outros abusos e " condições de trabalho"

DrOsni disse...

vcs devriam entrar na justica individualmente para nao cumprir essa carga horaria nos dois dias do final de semana, pronto, vc estaria livre. GRATO

ex-operacional,o governo não merece,e da minha família eu tomo conta,e acabou-se! disse...

que ironia,um batalhão de elite,qualificado e com os melhores profissionais da desgraça da pmal(que nunca oferece curso nenhum e quando oferece só frequenta se for peixe,pra terminar idem.qualquer um!)nessa situação degradante...
e por quê?
PORQUE EXISTE UMA PÁ DE OFICIAIS BABÕES QUE ENFIAM AS LÍNGUAS NOS RABOS NA HORA QUE É PRA FALAR!
tem uns dois tenentes que valem por 10!e praças que uma guarnição resolve qualquer parada,do choque ligeiro ao resgate de reféns(eu sei que isso é função do bope,mas quem tá na rua são eles,e eles que mandam na porra mesmo,se conformem,vivência é o melhor curso),e ninguém investe nada no batalhão!acorda comando!já fui de lá,sei como é,não volto por que o estado não merece meu sacrifício,mas espero que os companheiros consigam pelo menos um alojamento mais descente por que aquilo não pode ser nem chamado de alojamento.

ASCOM da PMAL disse...

Observatório da Corrupção pede detalhes à PF sobre operações

Na última quinta-feira, o coordenador em Alagoas do Observatório da Corrupção, o advogado José Firmino de Oliveira, entregou à Superintendência da Polícia Federal no Estado uma lista com as operações realizadas pela instituição ou das quais tenha participado em conjunto com outros Estados, nos últimos seis anos. Trata-se de um ofício onde Firmino pede à PF informações sobre os inquéritos e demais procedimentos que tenham sido instaurados por meio dessas ações da PF, informações que irmão fomentar o trabalho do Observatório, cujo objetivo é vasculhar o andamento dos processos instaurados após o término dos inquéritos envolvendo desvio de dinheiro público.

A lista inclui nove operações da PF: Guabiru, deflagrada em 2005, Sanguessuga, em 2006; Navalha, de 2007; Taturana, deflagrada em 2007 além das operações Farol, Incongruência, Mascotch e Tabanga, todas realizadas este ano, esta última deflagrada na semana passada, em Traipu.

Firmino conversou pessoalmente com o superintendente da PF, delegado Amaro Vieira Ferreira onde falou sobre o projeto, e avisou sobre o requerimento apresentado essa quinta-feira. Conversa que nesta semana deverá acontecer com o delegado-geral da Polícia Civil, Marcílio Barenco.

Todo esse levantamento prévio de informações junto à PF e à PC se deve à decisão da coordenação do Observatório em Alagoas de não esperar as solicitações da sociedade por meio do site do Observatório.

Denúncias precisam ter mais informações, diz Paulo Brêda

O presidente da Comissão de Combate à Corrupção e à Impunidade, da OAB nacional, que coordena o Observatório, o conselheiro federal por Alagoas, Paulo Brêda, alerta à sociedade que as denúncias precisam ter mais elementos. O grupo ainda não fez um balanço desse primeiro mês de atividades, mas segundo Brêda, as denúncias que têm chegado são carentes de dados.

Brêda orienta que se o cidadão não souber o número do processo, pode informar pelo menos o nome de pelo menos uma das partes no processo, ou seja, com o nome do réu, ou do advogado, por exemplo.

“Temos denúncias que chegam com pouquíssimas informações. Isso dificulta. Geralmente os processos se referem a operações, e são várias. Ao longo dos anos tivemos operações da Polícia Federal, Civil. Operações que resultaram em vários inquéritos. Fica difícil chegar quando pedem informações sobre determinada pessoa que está sendo processada dentro de determinado inquérito ou processo. Precisamos de mais informações”, alerta o advogado.

Fonte: O Jornal

Anônimo disse...

SE OS RP´S NAÕ CONSIDERAM NEM OS FILHOS DOS PRÓPIOS COMPANHEIROS QUE DERA OS COITADOS QUE SÃO ABORDADOS PELA ROCAM NAS PERIFERIAS DE MACEIÓ "SANTINHOS"

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver