O Comandante Geral é o (i)responsável

Parece que estávamos adivinhando, pois há muito tempo estamos alertando sobre o estado de abandono das unidades do interior, onde existe um claro gritante do efetivo necessário para realizar o policiamento nas demais cidades do Estado de Alagoas.
A pedra fora cantada ao Comando Geral (clique aqui) mas o mesmo preferiu fazer ouvidos de mercador e ignorar solenemente que o policiamento no inteiorior é insuficiente, colocando em risco boa parte da população alagoana e até os próprios policiais que trabalham nos desestruturados GPMs  e sedes de Companhia.
Havíamos alertado sobre possíveis tentativas de invasões a unidades da Briosa, pois em muitas cidades do interior o efetivo era mínimo e a estrutura das unidades era lastimável, com pouca segurança, e ainda profetizamos, que os bandidos ainda não teriam invadido as unidades por ainda temer um pouco a polícia e por não saber até que ponto eram as nossas fragilidades. Agora os novos cangaceiros acordaram.
O fato acontecido em Piaçabuçu poderia ter sido cometido em qualquer outra cidade do agreste ou do sertão, onde o baixíssimo efetivo disponibilizado e a falta de estrutura dos GPMs está lá para todos verem. Nunca apenas dois policiais poderiam enfrentar um bando de cerca de 10 homens, e a falta de uma rede de radio funcional ainda piora a situação, pois pedir apoio fica impossível.
O mais interessante dessa história é que o GPM de Piaçabuçu, segundo a Novíssima Lei Delegada, será a futura sede de uma companhia do Batalhão de Penedo. E vejam briosianos, a facilidade que foi a invasão de um GPM, imaginem se fosse uma companhia, onde o efetivo não teria um significativo aumento, mas em compensação, existiram mais armamentos para o bom aparelhamento da gangue. Caso a lei Delegada estivesse em funcionamento, teríamos tido uma invasão a uma COMPANHIA DE POLÍCIA. Para quem viu a matéria da TV Gazeta pode verificar que o GPM não passa de uma casa, com a pintura descascando e sem estrutura de receber sequer o grupamento, quanto mais uma companhia de Polícia. Apenas para lembrarmos do episódio, vejamos o vídeo:
video
Mas qual será o motivo de tão baixo efetivo nas cidades do interior de Alagoas? Primeiro está na falta de contratação de novos policiais, depois passamos pela distribuição, onde da última turma formada no CFP ficaram totalmente no CPC e no Batalhão de Arapiraca. As demais unidades da PMAL não receberam nenhum recruta para fazer o recompletamento dos policiais que faleceram ou foram para a reserva. Talvez isso seja motivado por interesses politiqueiros, afinal as cidades do CPC e Arapiraca são os maiores colégios eleitorais do Estado, e seria muito ruim perder votos devido a uma escalada da violência motivada pelo baixo efetivo disponível na grande Maceió e na capital do Agreste.
Mais uma vez, os interesses pessoais e politiqueiros são colocados à frente do interesse da instituição, colocando em perigo a vida dos nossos companheiros que estão trabalhando na atividade fim, mal equipados, com baixos salários e desestimulados.
Será que agora o nosso comandante fará alguma coisa, ou vai esperar outra unidade ser invadida? Vai aguardar que policiais sejam mortos, ou vai continuar "contando história pra boi dormir"?

13 comentários :

GRUPO DE PESQUISA EM SEGURANÇA PÚBLICA - GPSEG disse...

Mais de 500 mil acessos, acredito que seja o blog com maior acessos do Estado de Alagoas. Uma pena que poucos meios de comunicação deem ênfase ao que se é postado. Acredito que deva ser por causa das cotas publicitárias, que são altas e fazem a alegria dos donos da comunicação alagoana. Quem em sã consciência perderia essa verba. Acho que em AL, os meios de comunicação são muito dependentes dessa verba.

Anônimo disse...

09.11.2011 | 16h53

Policiais militares fazem protesto no Maranhão

Categoria quer reposição salarial, jornada de trabalho de 44 horas e adicional

Gazetaweb

Fonte:http://gazetaweb.globo.com/v2/noticias/texto_completo.php?c=244404

Para reivindicar reposição de perdas salariais, jornada de trabalho de 44 horas, adicional e hora extra, os Policiais Militares e Bombeiros do Maranhão realizaram na manhã desta quarta-feira um ato que culminou com um grande protesto em frente à Assembleia Legislativa do Estado.

Dezessete associações militares lideraram o movimento, deflagrado após Assembleia Geral realizada nessa terça-feira, que decidiu ainda paralisação por três dias e “operação padrão”, quando os militares só irão trabalhar com condições legais.

Depois de uma reunião realizada entre os representantes das categorias com o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Arnaldo Melo (PMDB), e parlamentares da Casa, os policiais militares e os bombeiros suspenderam o movimento de paralisação até o próximo dia 23 de novembro.

Durante o encontro, o deputado Arnaldo Melo garantiu que a Assembleia Legislativa vai mediar as negociações entre os militares e o governo do Estado. Os policiais querem ainda o fim do Regulamento Disciplinar do Exército (RDE) e implantação do Código de Ética Profissional dos Policiais e Bombeiros Militares, modificação dos critérios de promoção e reorganização do quadro de oficiais e oficiais especialistas com o quadro de oficiais técnico complementar (QOTC) e eleição do Comandante Geral da PM/BM em uma lista tríplice.

Anônimo disse...

ESSA DELEGACIA DE PIAÇABUÇU FOI CONSTRUIDA NA ADMINISTRAÇÃO DO GOVERNADOR "PASMEM" ARNON DE MELLO. PARECE QUE FOI ONTEM!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Essa PMAL é uma piada... Faliu e esqueceram de nos avisar.

Anônimo disse...

“Luciano, você é o cara que honrou a corporação. Você é o cara que devolveu a dignidade ao policial alagoano. Hoje temos orgulho de ser Policiais Militares em Alagoas. Você mostrou para a sociedade alagoana que a PM está com atuações mais eficazes, livre da influência dos políticos, e que o povo alagoano pode contar sempre com a PMAL. Você é policial que tem reduzido as desigualdades existentes na corporação, quando conseguiu tirar centenas de policias das assessorias ou então que estavam 'escondidos' nas unidades sem entrar nas escalas de serviço, e o resultado disso é que hoje hoje todo mundo trabalha, façanha reconhecida em todo o Estado. Você é o cara que livrou o PMAL dos 'dinossauros', que colocou o policiamento nos trilhos, que enfrentou aqueles que se locupletavam dos cargos de alto comando.”

Sejamos sensatos, Luciano: ONDE É QUE ESTÁ A VERDADE NAS PALAVRAS ACIMA?

Uma Policial disse...

Caro Comandante Luciano, eu sinto vergonha de ler as coisas que são ditas contra o senhor, e penso que se o senhor tiver um pouco de sensibilidade, o mínimo que seja, há de ficar também envergonhado, bem como muito furioso, pois são coisas "pesadas". Comandante, pede pra sair. Vai para alguma assessoria, tal qual fez o coronel Dalmo Sena, que ganha uma fortuna para não fazer nada e vive cuidando tranquilamente da família... e nem aparece para se queimar. Por falar em "queimar", cuidad... Bem deixa pra lá. Se o senhor não ouvir o meu conselho sobre "pedir para sair e ir para uma assessoria", vai ouvir a minha outra recomendação?

Anônimo disse...

A situação da segurança pública de Alagoas já está insustentável, pra se ter idéia, não se conseguem nem mais andar pra traz, ou anda pra frente ou se estagna, como está acontecendo.

Anônimo disse...

uma policial,e você já viu quem não tem vergonha na cara se doer com comentários feitos por meros mortais como na visão dele?isso é uma alma sebosa e sem vergonha,não está nem aí por quê não tem vergonha mesmo!faz alguma coisa lazera!!!!acorda!a tropa te odeia!!pede pra sair!pede pra sair!

Anônimo disse...

Tráfico de drogas, assassinatos, arrombamentos e assaltos tiram o sossego da Costa dos Corais; efetivos das polícias é deficitárioRegião Norte fica refém da violência

Por: SEVERINO CARVALHO - REPÓRTER

Maragogi – Traficantes se digladiam em plena luz do dia em Matriz do Camaragibe e ferem inocentes a tiros; casas comerciais são arrombadas em Porto Calvo; assaltos e furtos em Maragogi; adolescentes executados pelo tráfico em São Luís do Quitunde. E, em toda a região, polícias com aparato e efetivos capengas forçam a população a se refugiar em seus próprios lares e comerciantes a gastar com segurança privada. Cobrados pela sociedade e sem muitas alternativas, magistrados exigem soluções do governo do Estado e, num ato extremo, impõem toque de recolher. O Norte de Alagoas tornou-se refém da violência.

A gravidade é mais exacerbada em Matriz do Camaragibe. A cidade foi escolhida por quadrilhas para servir de base ao tráfico, que espalha seus tentáculos por toda a região Norte. De acordo com o delegado regional, Rangel Ataíde Vanderlei, 80% dos crimes no município têm relação direta ou indireta com o tráfico de entorpecentes. Os traficantes estão migrando dos grandes centros e encontrando refúgio e um “comércio” promissor nas cidades de porte médio.

Traficantes ameaçam invasão e escolas fecham

A violência chegou ao ápice em Matriz do Camaragibe na tarde do sábado, 29 de outubro. Na praça Bom Jesus, dois traficantes abriram fogo contra um terceiro, de apenas 15 anos de idade, ferindo-o gravemente.

Balas perdidas atingiram dois moradores: a dona de casa Bruna Isabele Germano, 20 anos, e o trabalhador rural José Nivaldo do Nascimento, 52. Bruna foi atingida com um tiro nas costelas e Nivaldo teve o pescoço transfixado, mas ambos conseguiram escapar com vida.

“Acho que recebi outra chance de Deus”, comentou Nivaldo. A Polícia Militar (PM) só dispõe de quatro policiais por dia para manter a segurança num município com mais de 24 mil habitantes. “Esses policiais fazem um trabalho heroico para tomar conta de uma cidade inteira”, reconhece o juiz da Comarca, Yulli Roter Maia. O tiroteio em praça pública obrigou-o a tomar uma medida extrema: baixou portaria regulamentado o horário de funcionamento de bares, restaurantes, lanchonetes, casas de show, boates e similares. Desde o dia 3, esses estabelecimentos cerram as portas às 22 horas; nos fins de semana e vésperas de feriado, às 23h30.

Prefeitura instala câmeras nas escolas de Matriz

Matriz do Camaragibe – No afã de proporcionar maior sensação de segurança, previr atos de vandalismo e de violência contra a comunidade escolar, a prefeitura de Matriz do Camaragibe está investindo R$ 75 mil reais na instalação de câmeras em todas as sete unidades de ensino da rede municipal. Só na Poeta Fabiano Braga, a maior da região Norte, com 24 salas de aula, foram fixados 40 pontos de filmagem e uma central de monitoramento.

De acordo com o técnico da empresa responsável pela instalação dos equipamentos, Lins Júnior, todo o processo estará pronto em 15 dias. “Houve atraso porque alguns professores não aceitaram as câmeras dentro das salas de aula, sob alegação de que estariam sendo monitorados. Tivemos de remover tudo”, revelou Lins.

A presidente do núcleo municipal do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinteal), Ana Gomes, considera que câmeras nas salas de aula não resolvem o problema da violência em Matriz. Para ela, é preciso que o poder público invista em políticas públicas eficazes.

PARTE 01

Anônimo disse...

PARTE 02

Bandidos ameaçam tomar delegacia

Matriz do Camaragibe – A 8ª Delegacia Regional, em Matriz do Camaragibe, é um depósito de puro TNT (Trinitrotolueno) prestes a explodir. A unidade se transformou em um “cadeião”, e os policiais civis foram reduzidos a carcereiros. Recebe, desde o ano passado, todos os presos das sete delegacias municipais, sem condições de mantê-los. Algumas delas, a exemplo de Maragogi, tiveram o xadrez interditado pelo Poder Judiciário.

A Delegacia Regional está superlotada. São 50 presos, amontoados onde só cabem 24. Dividem celas com escorpiões, ratos e baratas, em meio ao mau cheiro provocado pelo estouro das fossas sanitárias. A situação ficou ainda mais insustentável depois que quadrilhas rivais foram desarticuladas e seus membros encarcerados ali. A cada dia, surgem novas informações e telefonemas anônimos dando conta de que a 8ª Delegacia Regional será invadida por bandos a fim de resgatar seus integrantes.

Delegacia está sem viatura há dois anos em São Miguel dos Milagres

Cidades turísticas – Maragogi, Japaratinga e São Miguel dos Milagres – padecem com o aumento da violência e o desmantelamento do aparato das polícias Civil e Militar. São joias da Costa dos Corais alagoana, que começam a ser corroídas pelo crime.

Em São Miguel, os cinco policiais militares fazem milagre; gastam a sola dos coturnos para levar segurança aos moradores e patrulhar as praias. Lá, é proibida a circulação de veículos automotores nas areias do balneário litorâneo. Mas os militares estão há cerca de quatro meses sem a única viatura, uma maltratada Meriva. Eles faziam o patrulhamento num veículo cedido pelo Conselho Tutelar, mas o espartano Volkswagen Gol pediu para sair, pifou.

Anônimo disse...

Lei do Governo que cria comissionados na Polícia Militar burla Constituição

Militares da reserva voltarão ao serviço para cumprir funções administrativas, mas aprovados em concurso não serão convocados

Da Redação

O projeto de lei do governo estadual que convoca 800 policiais militares da reserva para assumir funções comissionadas é irregular. A proposta já foi aprovada na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Estado (ALE), mas vai contra a Carta Magna brasileira. Para procurador, solução seria convocar candidatos aprovados no último concurso público.

A ideia do governo é trazer de volta à ativa 800 policiais que estão afastados do serviço. Eles iriam substituir PMs que estão nas funções burocráticas e de guarda de patrimônio público. Para voltar ao trabalho, cada reconvocado ganhará R$ 700 em comissão. Com a medida, o objetivo do governo é colocar até 800 militares para cumprir com a atividade fim da corporação. Isso reduziria a carência de policiais nas ruas dos municípios alagoanos. Aprovado na CCJ, o projeto deve ser votado pelos deputados neste mês.
Da Redação
Procurador Luciano Chagas diz que solução é convocar aprovados em concurso da PM feito em 2006
A proposta até parece ser positiva, mas é irregular. Em um de seus dispositivos, o artigo 37 da Constituição estabelece que tipos de funções podem ser cumpridas por servidores
comissionados. “As funções de confiança [...] e os cargos em comissão [...] destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento”, diz a lei máxima brasileira. O problema é que o tipo de serviço que será desenvolvido pelos militares reconvocados não se encaixa com o que determina a legislação. “É difícil de imaginar que existem 800 funções de direção na Polícia Militar”, declara o procurador Luciano Chagas.

Para o procurador, o governo tem que convocar os candidatos aprovados no concurso público realizado em 2006 para suprir a ausência de militares nas ruas. “Tem que nomear quem foi aprovado. O Supremo Tribunal Federal (STF) já decidiu que, havendo vagas disponíveis, os aprovados têm que ser convocados”, afirma. A decisão do STF foi em 11 de agosto deste ano. Chagas ainda ressalta que o projeto de lei tenta burlar a legislação. “De acordo com a lei, o policial militar que completa 30 anos de serviço é obrigado a ir para reserva”, pontua.

CLAROS – O jornal Extra já mostrou em reportagem publicada em agosto deste ano que o efetivo da Polícia Militar de Alagoas (PMAL) tem carência de mais de oito mil membros. A informação é da própria corporação, que rotineiramente avalia seu quadro de praças. De acordo com relatório divulgado em janeiro deste ano, o estado precisa de 10.068 soldados, mas só tem 1.856. A situação é ainda pior quando analisado o quadro militar completo.

Somando todas as patentes de praças alagoanos - soldados, cabos, sargentos e subtenentes –, seriam necessários 15.202 militares, mas o estado só conta com 6.766. O claro é de 8.436 agentes de segurança pública. O número equivale a mais de 55% de déficit humano na corporação. “Com essa quantidade de claros, 800 policiais não dá conta nem em Maceió”, considera o procurador Chagas.

Dados da PMAL registrados em 2000 revelam o descaso com o efetivo da corporação. Há mais de dez anos, Alagoas contava com 4.113 soldados, o que significa 2.257 militares a mais do que nos dias de hoje. “Não dá para entender como um estado cresce, mas seu efetivo diminui. Não faz sentido”, comenta o procurador. Mesmo com um quadro humano maior que o atual, à época já havia carência de militares no estado. “O problema é sério. Se continuar assim vai acabar com a polícia. Pode fechar a corporação”, ressalta Chagas.

Anônimo disse...

Extra Alagoas - AL
14/11/2011 - 11:26


Paulo Brêda: “Necessidades urgentes em segurança pública tiram foco do Conselho”

Presidente do Conselho de Segurança considera que é preciso realizar concursos, mas também é necessário rever estrutura das polícias em Alagoas

Victor Avner - victoravner@yahoo.com.br

Com índices cada vez mais alarmantes, a insegurança em Alagoas tem sido constantemente mostrada em periódicos nacionais e até internacionais. Foi em meio à crescente onda de violência que o Conselho Estadual de Segurança Pública foi criado, em maio de 2007, com o objetivo de criar planos para trazer o estado de volta à tranquilidade.

Entretanto, a sociedade ainda não consegue receber as respostas procuradas. De volta ao Conselho, Paulo Brêda assumiu a presidência do órgão no final de agosto. O advogado considera que a necessidade de soluções imediatistas prejudica a elaboração de um planejamento estratégico. “É muito difícil pensar na segurança pública daqui a 20 anos quanto você chega na segunda-feira de manhã com 14, 15 homicídios no fim de semana”, pontua.

Para Brêda, é necessário repensar as estruturas da segurança em Alagoas. “É uma mudança radical do funcionamento da Polícia. É o que nós estamos propondo e a Secretaria de Defesa Social já está trabalhando. Mas tem que vencer resistências enormes”, avalia.

Anônimo disse...

Se a mensalidade escolar é "legal", conforme o Cel Dimas disse na imprensa, quando chegou até a afirmar que "existe um decreto governamental que legaliza a cobrança", então o que justifica a seguinte publicação contida no BGO nº 215?

Vejam a publicação:

NP Nº 144/2011 – SEC/5º BPM - SOBRESTAMENTO DE PDO: O TC QOC PM Cmt do 5º BPM no uso de suas atribuições legais, em atenção ao Ofício s/nº/2011-PDO da lavra do Cap QOC PM HEATHCLIFF DAMASCENO GAMA, que fora designado para proceder PDO de Portaria nº 090/11-PDOSec/5º BPM, de 27 de outubro de 2011, sobresta o referido Processo Disciplinar Ordinário devido ao fato de encontrar-se aguardando resposta à solicitação nº 02/11-5º BPM, encaminhada ao Comando do CFAP, referente à legalidade da Taxa Escolar.

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver