A que ponto chegamos

Hoje depois de mais de 20 anos na PMAL, policial por vocação, estou pensando por que não gosto mais de trabalhar.
Pouco tempo atrás ficava trabalhando o dia quase todo, sempre chegava em casa depois das 18:00h, não era forçado, trabalhava por prazer.
Pensei que seria por causa do salário, que não é "REAJUSTADO" há muito tempo. Falam algo em torno de 5 anos, porém o último reajuste que recebemos foi dividido em dois ou três anos, e nesse tempo também não tivemos reajuste algum. Logo, pelas minhas contas, fazem 7 ou 8 anos que estamos com o mesmo salário. "Ótimo", a inflação é de 0% nestes anos todos...
Enquanto isso, pensei que não deveria ter estudado e sim ter sido Deputado, me dado um aumento de 109% e ainda ter ido para a televisão e falado como o presidente e o Jeferson Morais que isto não é aumento salarial.
Não assisto mais TV, não leio jornal, nem mesmo me informo, pois só o que vejo é roubo, assassinato, escândalos, operações e processos que não dão em nada, tudo isso envolvendo deputados, prefeitos, vereadores, juízes, etc.. Apesar disso, é só consultar no site do TJAL os nomes de vários políticos e ver que o adjetivo pejorativo que nos foi dado ("vândalos"), talvez não tenha vindo de forma pejorativa e sim como os bárbaros que lançaram ataques contra o império romano que roubava e escravizava vários povos, levando-o a queda, logo somos os vândalos e quem são os ladrões? Leiam: "Brasil paga mais a deputados que os países ricos" (clique aqui).
Pensei que seria por causa da miséria que existe em nosso Estado... Na RP prendi muita gente "POBRE", ops! errei, "MISERAVEL", invadi muitas "CASAS", ops! errei novamente, "BARRACO", "MUQUIFO", "CAFOFO", "FAVELA", como queiram. Não me lembro de ter prendido os bandidos que desviavam dinheiro do nosso Estado, pois nunca nos deram as características desses meliantes, desconfio que usem terno e gravata, e que todos tenham apartamentos na orla e alguns possuam fazendas pelo Estado ou espalhadas pelo Brasil, vivam prometendo melhorar a situação do povo, mas só saibam onde moram de 4 em 4 anos.
Pensei que seria pelas promoções na PMAL, as quais são feitas sem critérios morais. Por muito tempo me perguntei quais seriam as características necessárias para ser "MERECEDOR" ou então quais seriam as características necessárias para ser o "ESCOLHIDO" para ser promovido. Trabalhei muito, esqueci minha família, ia para onde me mandavam, aceitei missões que outros não queriam, me arrisquei, errei muito (só erra quem trabalha). Então descobri que só era preciso babar, ir ao Palácio ou a Assembléia e pedir ou implorar, por que não dizer "me humilhar" por algo que me era de direito; ser reconhecido e promovido na minha vez. Gostaria que se tudo isso fosse besteira, que algum coronel 91, algum tenente-coronel 94 ou algum major 99, me explicasse quais os critérios para ser escolhido.
Pensei que seria pelo modo de acabar com a vocação profissional que nossos comandantes têm para conosco, subordinados, coisa que muito me machucou no passado, hoje fiquei indiferente, aceitei por muitas vezes os ARGUMENTOS: "Mô fio, eu sô o comandante, o único líder", "Vou te transferir", "É do jeito que eu quero", "Sou democrático, mas o que vale é a minha opinião"... Isso deve esconder muitos complexos, não vou continuar, lembrar me deixa com muita raiva, já estou pensando em descontar em meu filho. Viu em que transformam os subordinados, brincadeiras a parte, não quero deixar o imbecil que me tornaram aflorar.
Pensei que seriam pelas aberrações cometidas por pessoas no Estado, tais como usar a polícia para serviços particulares, reformas, construções, segurança de lojas, supermercados, casas de show ou eventos, imobiliárias, eleições. Vou explicar melhor, policiais que de uma forma ou de outra levam filhos para escolas ou acompanham esposas de oficiais ou autoridades do nosso Estado; reformas e construções feitas por praças em casas de coronéis; colocação de guarnições em frente a lojas, imobiliárias e supermercados específicos; nas eleições policiamento de candidato da oposição, enquanto isso os da situação fazem o que querem e com todo apoio da nossa força, polícia, digo porteiros ou flanelinhas na Assembléia, TJAL e Palácio, onde o Estado chega ao absurdo de pagar Sargentos e até tenentes para cuidar de estacionamentos, não especifiquei por causa do posto ou graduação e sim pelo salário pago que varia de R$ 3.500,00 a R$ 4.000,00, mais gratificações e horas extras, por policial, que servem à Briosa como porteiros, abrindo e fechando portões ou cuidando de carros, ótimo salário para flanelinhas.
Enquanto isso, nos quartéis, nós nos ferramos, hoje não sinto que tenho mais compromisso com a sociedade, ela não liga para mim, nem eu ligo para ela. Vou explicar: quando entrei, corria o dia todo atrás de bandido, com o tempo vi que quando algo dava "errado", ter que dar um tiro, usar a força necessária, prender alguém que tivesse qualquer tipo de relacionamento com autoridades, ouvia um eco no meu subconsciente "SE ARROMBOU", e então "processo", "advogado", "pagamento", algo em torno de 15% a 20% do meu orçamento anual e mais vários constrangimentos, enquanto isso a sociedade, direitos humanos, jornais e noticiários só diziam "coitadinho do bandido". Parece que todos agora torcem pelos bandidos e não pela polícia, devem estar criando as crianças para na brincadeira de polícia e bandido, serem os bandidos. Leiam: "Conheça a Síndrome de Burnout, uma doença que acomete policiais militares" (clique aqui), e "Estresse: diagnóstico dos policiais militares em uma cidade brasileira" (clique aqui).
Pensei que seria pelo motivo de que sempre tentei fazer tudo correto. Ensinaram que era errado nos envolvermos em política, que nos devíamos ser isentos e imparciais, porém hoje descobri que as pessoas que nos ensinaram, cobraram, adestraram, faziam exatamente o oposto, se aproximavam, babavam e serviam às autoridades para conseguirem realizar seus desejos obscuros. Enquanto isso, nunca trabalharam na PMAL, embora vestissem a mesma farda.
Pensei que o certo seria copiar pessoas honestas, justas, boas, porém o que vejo hoje são que as pessoas que mais respeito, são as que mais sofrem perseguições, são discriminadas, não são promovidas, são massacradas, são humilhadas, e o pior de tudo: adoecem, são tão oprimidas que ficam deprimidas. É muito triste ver pessoas que tinham dom, vocação, motivação hoje não acreditarem mais em nada, não saberem como melhorar o nosso trabalho, não terem oportunidades, é lógico que incompetentes não podem dar oportunidades para pessoas que sabem trabalhar, oportunidades não são dadas para pessoas boas, honestas sem envolvimento em política, pois seria a morte profissional para os incompetentes, não podem jamais aceitar que o certo é o certo, mais vale o "Rquero" que o certo.
Pensei que iria ser um policial militar, descobri que sou apenas um escravo, sem direitos trabalhistas, horas extras, adicional noturno, periculosidade e ainda por cima, por diversas vezes a minha carga horária extrapolou as 300 horas mensais.
Pensei que ninguém conseguiria mentir sobre meu salário, porém vem um governo e afirma que o salário dos policiais militares de Alagoas é o décimo do Brasil, porém escondem que nos outros Estados existem: hora extra, periculosidade, gratificações outras, bico oficial maior que o salário, que elevam os salários em muito. Apesar disso, hoje somente queríamos deixar de ser escravos.
Depois, assim que tiver algum tempo, eu termino...

15 comentários :

Anônimo disse...

CADA MINUTO
08/11/2011 05:36

Fim do BPTran e do BPRV? Uma polêmica na Polícia Militar

Embriaguez ao volante agora é crime. O número de acidentes no trânsito em Alagoas é alarmante. Em 2010 foram registradas 781 mortes por acidente no Estado. Mesmo diante destes fatos, uma polêmica envolve dois batalhões responsáveis diretamente pelas fiscalizações em Maceió e nas rodovias estaduais. O Batalhão de Policiamento de Trânsito (BPTran) e o Batalhão de Policiamento Rodoviário (BPRv) serão extintos.

Para se ter uma idéia da importância do BPTran nas ruas da capital, apresentamos os dados que constam em seus relatórios. Em 2009, os policiais militares da referida unidade militar de janeiro até outubro registraram 8.701 Autos de Infração, recolheram 495 veículos e 649 Carteiras Nacional de Habilitação (CNH) e notificaram 98 condutores.

Em 2010, no mesmo período, os policiais apresentaram 8.902 Autos de Infração, recolheram 2.168 veículos, mais 736 Carteiras de Habilitação (CNH) e notificaram 142 condutores. Além disso, foram lavradas 127 prisões e feitas apreensões de 22 armas de fogo. Isso comprova que houve atuação e de que no trânsito é indispensável a presença de agentes de segurança. No entanto, entre os policiais uma polêmica foi gerada. Está quase acertada a extinção dos dois batalhões com a perspectiva de que sejam transformados em Companhia.

Talvez a notícia tenha desmotivado os policiais fiscalizadores dos imprudentes no trânsito. Os números das ações em 2011 revelam. Até agosto foram somente 2.104 Autos de Infração, 507 veículos recolhidos, além de 160 CNH e 52 condutores notificados.

No ano passado, havia no BPTran seis guarnições (24 policiais), fora os boxes da Colina dos Eucaliptos e de Guaxuma. Este último agora de responsabilidade do Batalhão de Polícia de Eventos (BPE), que é um batalhão de área como todos os outros. Agora, apenas três guarnições – redução pela metade - compunham o batalhão, antes das recentes transferências.

Algumas ações geram, no mínimo, dúvidas. A possibilidade de extinguir o BPTran urge ao tempo em que o Governo do Estado entrega para a unidade seis novas motocicletas de 250 cilindradas.

O curioso é que, paralelamente, o Boletim Geral Ostensivo (BGO), nº 204, datado de 01.11.1, na sua página 21, publicou a transferência de 13 pm’s do BPTran e mais 14 do BPRv para o interior. Com a distribuição de mais 12 policiais do BPTran no início de novembro, praticamente o batalhão ficou sem efetivo. A informação repassada pela fonte ao Cadaminuto é de que apenas três viaturas que eram dos boxes, cada com três policiais, permanecem nas ruas de Maceió.

O Batalhão de Policiamento Rodoviário (BPRv) praticamente foi esfacelado. Suas unidades são de responsabilidade agora dos batalhões de cada região. Por exemplo, o posto do BPRv em Arapiraca fica sob o comando do 3º Batalhão, o de São Luiz do Quitunde submisso ao 6º Batalhão e assim sucessivamente.

“Para criar uma companhia, vão ter de tirar policiais dos batalhões. É descobrir um santo para cobrir outro. Acho que não deveriam acabar com batalhões que mostraram tantos resultados num estado onde todos os dias temos acidentes de trânsito, transgressões”, declara um cabo.

Explicação do Comando
O subcomandante da briosa, coronel Dimas Cavalcante, diz não haver motivos para desespero. No entendimento do Comando-Geral as mudanças, de acordo com o que relata, foram feitas pensando em maior praticidade.


Ele explicou como vai funcionar a Companhia de Trânsito Urbano e Rodoviário. Sobre as rodovias estaduais, continuam, segundo o subcomandante, os postos da Asplana e do Pólo e o efetivo tático móvel fica nas AL’s 101 Norte e 101 Sul. Ao invés de duas administrações, dois comandos, ficará um somente.
Sobre as transferências dos policiais, o coronel disse que o propósito do Comando é reforçar os batalhões de área por conta da violência. “Fizemos o remanejamento dos policiais com a intenção de ajudar no trabalho dos batalhões que terão mais homens nas ruas para proteger a sociedade”, declara coronel Dimas.

Sd Delmiro Gouveia disse...

Parabéns pelo texto BEF, com a leitura desse artigo fiz uma retrospectiva de toda uma vida na PMAL, e deixo a pergunta a todos os colegas de farda: SERÁ SE HOJE VALE APENA FAZER O CERTO?

Anônimo disse...

Sem comentários!!!simplesmente o raio x de nossa vida.Estou a 5 anos na policia; não aguento mais tráfico de influencia, ser administrado por pessoas que não sabem porra nenhuma de segurança pública, não tiveram uma noite de ''poca olho''.amo o policiamento ostensivo,mas já estou estudando para sair.

''SENHOR,NÃO ME DEIXE VER SITUAÇÕES DE INJUSTIÇAS PELAS QUAIS EU NÃO POSSA LUTAR''

Codinome Pierre disse...

Intrujões são os atuais líderes (falsos, pois nada lideram) que instalaram-se na SEDS para receptar (isto mesmo, receptar o dinheiro público) e planejar seu aparelhamento estatal, com Coroneis como Roberto Liberato, que já passou pela DF da PMAL que, entre outros concedia diárias e funções gratificadas em folhas paralelas, tudo acobertado pela instituição. Quem mama nas tetas estatais? O soldado que ganha 1300 reais por mês ou o coronel que desvia recursos públicos na ordem de 100 mil reais? Ou mais: os coroneis que acumulam funcoes como aposentadorias na pm no valor de 13 mil reais e ainda percebem o salario gratificado em funcao SE de 15 mil reais? Estes sim, ganham exorbitantemente para não trabalhar, praticar desvios e massacrar o efetivo. Estes são os inimigos do povo. somos TODOS concursados menos estes comissionados que ai estão sugando valores altos para manutencao de seu poder, causando um cancer no estado. Governos passam, o Estado fica. E fazemos o que podemos para que este governo MALIGNO passe rápido.
Realmente é de se arrepiar: Classificar as denuncias de desvio de dinheiro federal, de incompetencia na capitação de valores oriundos do SENASP e a cração de um espaço para que tudo isso possa ser denunciado de atos nefastos e de rebeldia. Convenhamos, para estes o roubo na surdina deve ser mantido a todo custo, e por isso éprejudicial que o povo saiba.
Motim, e porque nao? Estamos preparando um grande MOTIM que vai PARAR a já fraca instituicao que padece Na UTI e vai torna-la uma casa melhor para o povo. As revolucoes sao feitas assim. Somos muitos, somos severinos, somos sofredores sendo oprimidos por meia duzia de ditadores. Temos todo o direito de nos revoltar.
O Militar é antes de tudo um CIDADAO e deve buscar os seus direitos da forma que seja. é a hora de nos devolvermos aos opressores tudo aquilo que eles nos proporcionaram em tortura e dor. É a hora de explodir o barril de polvora que eles fomentaram durante estes ultimos dois anos.
Nos, combatentes pela liberdade dentro da caserna nao usamos armas para convencer ninguem a unir-se a nos. Apenas expomos a nossa posicao e pasmem, na mio parte das vezes nao é nescessário. contamos com a adesão de mais de 95% da tropa. Isso é que arrepia, é de assustar.De assustar foi o protesto a frente do quartel da PM onde o comandante teve receio de que aquela intituicao fosse invadida. Mas somos educados e somos disciplinados. Ainda nao aconteceu algo pior dentro dos quarteis porque nos seguramos companheiros mais exaltados. Lembrem-se do Soldado Borges que matou o Coronel Adauto em 1971 por humilhacoes sofridas dentro do quartel, humilhacoes que sao muito piores hoje.
O Blog Briosa em Foco causa um estrago enorme nos ate hoje intocaveis bandidos dentro da PMAL, sobretudo nos que ocupam cargos mais altos. Nao somos criminosos, somos cidadae e a GREVE BRANCA CONTINUA e nesta semana o PM LEGAL vai trazer abaixo o RDPMAL, porque nao dizer RDPROMAL um regulamento ilegal que serve para que os opressores maltratem a tropa que nao aguenta mais.
Aguardem, a primavera arabe comecara aqui em terras alagoanas e libertara a tropa para o bem do POVO.
Precisamos fazer isto pois nao toleramos mais a desmoralizacao que a PM passa perante aos bandidos que hoje invadem nossos locais de trabalho, as prisoes ilegais aplicadas aos nossos companheiros que trabalham duro, aos 2000 homicidios por mes jogados para debaixo do tapete. O Povo e nem nos tolera mais isso. O odio que sofremos dos nossos inimigos que admnistram a PM é grande, mas vamos continuar e vamos vencer.
VIVA A LIBERDADE. ABAIXO OS REACIONARIOS.

Anônimo disse...

Do Major Aloprado para o BEF
Perolas do TCel Everaldo - Corregeroria
Agoaram desconsideram também parecer de psicólogo

PS. O Comando já marcou uma reunião com os psicólogos


2. NP nº 499/11-CG/CORREG

SINDICÂNCIA DE PORTARIA Nº 045/10 - SIND-CG/CORREG
SUSPENSÃO DE PRAZO – SINDICADO ENCONTRA-SE DE LTS – INDEFERIMENTO
No Ofício nº 03/11-Sind, datado de 27 de outubro de 2011, da lavra do Maj QOC PM VALFREDO
DOS SANTOS ARAUJO, em que solicita suspensão do prazo da Sindicância de Portaria nº 045-Sind-
CG/Correg. de 30.03.2010, em virtude do sindicado se encontrar de LTS e possuir um item em seu
prontuário médico, recomendado pelo psicólogo, para o mesmo não prestar declarações, com o intuito de
não sofrer alterações em seu estado psicológico, conforme informação do Subcmt da 5ª Cia/I, este
Corregedor Geral RESOLVE indeferir o pedido de sobrestamento e orientar ao Oficial Sindicante para citar
o sindicado mais uma vez, conforme as normas da Portaria nº 001/2000-ASS/CG, e juntar aos autos o
ofício de apresentação do Cmt da 5ª Cia/I, com o ciente do sindicado, bem como determinar ao Sindicante
que junte aos autos cópia do laudo psicológico do sindicado. Em conseqüência, fica estabelecido o prazo
de 20 (vinte) dias para a conclusão e entrega dos autos à Corregedoria.

Anônimo disse...

Verdade absoluta. Sinto-me do mesmo jeito. Entretanto, não vamos entregar os pontos, companheiro. Nós, sim, somos os homens de bem da PMAL. Não vamos deixar que os maus nos contamine.
Não vamos seguir o exemplo do Secretário de Defesa Social: para se dar bem na vida, saiu daqui Aspairante para carregar a maleta de Fernando Collor e qundo voltou a Alagoas já era Major. Não sei como um homem desse tem coragem de encarar seus subordinados, a família, os amigos. Isso não um homem, é um rato.

Anônimo disse...

Tenho vergonha de ser militar e dessa instituição falida e injusta...

Anônimo disse...

Um ótimo texo - belos comentários.
Tbm tenho 5 anos de policia e não aguento mais tanta opressão, falta de respeito, R-Quero.
Concordo com o anônimo e com o Pierre.
Até quando vamos permitir tanta falta de respeito, sermos tratados como cachorros sarnentos, humilhados, massacrados. Esse RDPMAL é INCONSTITUCIONAL: Art. 5º da C.F: "Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer algo senão em virtude de Lei" Onde que um DECRETO está acima de uma Lei Federal?
PRECISAMOS DE REPRESENTANTES QUE LUTEM PELA CATEGORIA E A TROPA COM CERTEZA CHEGARÁ JUNTO. VAMOS NOS APOIAR E LUTAR POR NOSSOS DIREITOS. VAMOS DERRUBAR ESSE COMANDANTE GERAL, O SECRETARIO DE INSEGURANÇA PUBLICA.



COM FÉ EM DEUS ESSE GOVERNO CAI EM DEZEMBRO, COM A CASSAÇÃO DO STF.

Anônimo disse...

Prezado editores: O poder da INFORMAÇÃO dessas matérias que vocês divulgam é tão forte que não se pode imaginar. Mesmo que as evidencias demonstrem que ninguém está vendo os atos do comando, tenham certeza que as coisas não estão assim alheias ao conhecimento das demais autoridades públicas, pois isso não condiz com a verdade. Tem investigação em andamento!!! A casa vai cair!!! A casa vai cair!!! A casa vai cair!!! A casa vai cair!!! A casa vai cair!!!

Uma Policial disse...

Pessoal, andei lembrando de uma coisa:

Em agosto, quando "invadiram a sede administrativa do Comando de Policiamento de Área do Interior (CPA), e levaram a arma do policial..." No dia seguinte a este fato, o TC Welington tratou de correr para a imprensa e dizer que "tinha pistas dos responsáveis pelo assalto".

Pois bem, já estamos no final do ano, e até agora eu não sei qual foi o desfecho. Alguém tem alguma informação a respeito? Desde já eu agradeço as informações.

Uma Policial disse...

Desvios de conduta de policiais em Alagoas têm aumentado nos últimos anos

por Dulce Melo

As denúncias de desvios de conduta por policiais civis e militares têm aumentado consideravelmente o trabalho das corregedorias das duas instituições. Diariamente, sindicâncias são instauradas e processos gerados. Alguns deles terminam com punições administrativas brandas, porém, em alguns casos, o agente de segurança é desligado totalmente do quadro funcional.

Na Polícia Militar (PM), de 2002 a 2010, foram licenciados (excluídos) da corporação 53 soldados, mais 10 cabos, três 3º sargentos, dois 2º sargentos, na capital e interior. O motivo registrado na relação, cuja fonte é o DP/2 é o mesmo: disciplina. Alguns podem ter retornado por determinação judicial.

No três trimestres de 2011, conforme o quadro demonstrativo da Ouvidoria da Corregedoria da PM, foram 255 os termos de declaração, um Auto de Prisão em Flagrante Delito, seis Termos de Compromisso, 12 Termos de Desistência, 47 Termos Contraditórios, e mais oito Termos de Comparecimento.

Das 278 sindicâncias instauradas até setembro, afirma a Corregedoria que 85 foram solucionadas. Dos 88 Processos Disciplinares Ordinários (PDO), que apura casos mais simples, como atrasos e/ou faltas ao serviço ou expediente administrativo, bem como abuso de autoridade em abordagem, já foram concluídos 26. Já dos 20 Conselhos de Disciplina (CD) apenas três foram solucionados, mais 12 estão em andamento e dois sobrestados. No Conselho de Justificação (CJ), que pune oficiais, de dois processos, um está em andamento aguardando solução e em diligências com os encarregados (comissão de oficiais designados). Nesse período 85 foram as medidas apuratórias encaminhadas e 10 devolvidas.

Também de janeiro a setembro deste ano se apresentaram à Corregedoria 4094 militares. Somente em maio foram 600. Foram 15 os mandados de prisão cumpridos contra militares, mais 64 IPM.s (Inquérito Policial Militar) instaurados com 37 resolvidos, também 23 Inquérito Sanitário de Origem (ISO), que apura a relação direta do acidente com a atividade policial militar, ou seja, quando há a justificativa de acidente de trabalho, e todos solucionados. O número de pm’s autuados em flagrante foi de 12.

Segundo o corregedor, coronel PM Sandro Henrique da Silva França, as denúncias contra militares vão das abordagens, com abuso de autoridade, à lesão corporal e indícios de crime (apontando participação de pm’s em crimes). Porém, segundo ele, “da forma que há denúncias comprovadas, também existem as que não têm elementos suficientes para continuar o processo investigativo”. Esses dados incluem praças e oficiais.

Para punir os militares existem dois conselhos. O Disciplinar é exclusivo para as praças (soldados, cabos, sargentos e subtenentes) e o de Justificação para oficiais (de tenente a coronel). Nesses relatórios da Corregedoria, um fato chega a impressionar o coronel Sandro. “Há fatos envolvendo policiais que entraram na corporação em mil novecentos e oitenta e seis e noventa e um que agora estão sendo investigados por desvios de conduta. Ou seja, as pessoas mais antigas, com tanto tempo de polícia, fracassando. Talvez por influência, mas isso é lamentável”, ressalta o corregedor.

Parte 01...

Uma Policial disse...

Parte 02:

Casos mais graves

O coronel Sandro assumiu a Corregedoria em fevereiro deste ano e se deparou com casos considerados graves. O desvio de armas do Fórum de Arapiraca, onde um policial é acusado de furtá-las e repassar a criminosos; um atropelamento com duas vítimas fatais, por um policial supostamente embriagado; o cabo que ateou fogo na casa e matou a esposa e a enteada; o envolvimento de um sargento em um homicídio e tentativa de homicídio em União dos Palmares, escorando as vítimas, segundo testemunhas, e dando apoio aos filhos; a suspeita do envolvimento de um policial na morte de um flanelinha, e, por último, o caso mais recente, o envolvimento de um cabo no assassinato do vereador Luiz Ferreira, em Anadia. Todos foram recolhidos ao presídio militar no bairro do Trapiche, em Maceió, enquanto aguardam a decisão final. Entre 2010 e 2011 vários oficiais também foram recolhidos à Academia de Polícia Militar por conta de denúncias e determinação da 17ª Vara Criminal. No momento, um oficial está beirando o licenciamento. Pela Corregedoria, coronéis também já foram investigados e , consequentemente, punidos, de acordo com o corregedor.

Das denúncias feitas em operações policiais, uma da Radiopatrulha (RP) e uma do Batalhão de Eventos (BPE) teriam sido enxergadas pela Corregedoria, este ano, como as mais fortes porque teriam envolvido espancamento e violência sexual. Na segunda, dois menores suspeitos de envolvimento com o tráfico teriam sido violentados com um cabo de vassoura. O caso é acompanhado pela Delegacia de Crimes Contra a Criança e o Adolescente, que tem como titular a delegada Bárbara Arraes. Estas duas sindicâncias já foram transformadas em Inquérito Policial Militar (IPM) e estes enviados à Justiça Militar que tem como chefes o juiz auditor militar Cláudio José Gomes Lopes e o procurador Carlos Alberto.

“A responsabilidade é grande. Tenho de cumprir esse dever. Não me faz bem, não sinto prazer em ter de punir um colega de farda, mas aqui tenho de trabalhar e cobrar o que manda a Legislação. Todos sabem dos seus direitos e deveres. Temos muitos policiais também que nunca foram advertidos ou passaram pela Corregedoria, dando bom exemplo. Não podemos generalizar. Quero chegar em casa com a consciência tranqüila. A Corregedoria não só pune o policial, quantas e quantas vezes também constatamos que não há fundamento. Também não só acatamos as denúncias dos civis contra o policial, abrimos espaços, inclusive, para os subordinados denunciarem os seus superiores ou comandantes e vice-versa”, enfatiza o coronel Sandro.

As praças passam a ter estabilidade após 10 anos de corporação, enquanto o oficial a partir de quando é promovido a 2º tenente. Antes disso, o comandante-geral pode decidir até pela expulsão do militar, caso entenda que o fato seja de extrema gravidade. Nesta quinta-feira (03), um policial foi excluído dessa forma por ter atirado em via pública em Atalaia.

O retorno dos policiais excluídos e as anulações de algumas punições ocorrem principalmente pelo chamado Princípio de Legalidade que diz: “Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei (artigo 5º, inciso II, da Constituição Federal).Diante disso os advogados alegam na Justiça que, conforme a Constituição de 1988, as expulsões e as punições disciplinares só poderiam acontecer por meio de Lei e não do Decreto nº 37.042, de 06/11/1996 pelo qual se baseia o (RDPMAL) Regulamento Disciplinar da Policia Militar de Alagoas.

Fonte: Cada Minto (clique aqui)

Anônimo disse...

Senhores do Briosa em Foco o que está acontecendo nesse Estado como vocês já sabem é uma vergonha; no Estado de Sergipe os policiais receberam R$ 130,00 por dia trabalhado no Enem e esse dinheiro vem para todos os Estados e como aqui em Alagoas os policiais que realmente trabalham nada recebem, onde foi parar esse dinheiro? Vocês têm informantes em todas as áreas, pois a luta é justa e de todos; procurem saber sobre esse assunto e divulguem no site. Façam uma matéria e bote pra quebrar nesses marginais transvestidos de policiais. Parabéns pelo site. FORÇA E HONRA SPARTANOS.

Major Monteiro disse...

A matéria solicitada já foi feita, colega. Vejas as nossas postagens anteriores. Para melhor localização do assunto: use a coluna lateral para consultar o título das postagens.

Anônimo disse...

Se a mensalidade escolar é "legal", conforme o Cel Dimas disse na imprensa, quando chegou até a afirmar que "existe um decreto governamental que legaliza a cobrança", então o que justifica a seguinte publicação contida no BGO nº 215?

Vejam a publicação:

NP Nº 144/2011 – SEC/5º BPM - SOBRESTAMENTO DE PDO: O TC QOC PM Cmt do 5º BPM no uso de suas atribuições legais, em atenção ao Ofício s/nº/2011-PDO da lavra do Cap QOC PM HEATHCLIFF DAMASCENO GAMA, que fora designado para proceder PDO de Portaria nº 090/11-PDOSec/5º BPM, de 27 de outubro de 2011, sobresta o referido Processo Disciplinar Ordinário devido ao fato de encontrar-se aguardando resposta à solicitação nº 02/11-5º BPM, encaminhada ao Comando do CFAP, referente à legalidade da Taxa Escolar.

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver