Análise sobre a influência política no efetivo da PM

A divulgação de um estudo realizado pelo Instituto Sangari (clique aqui) causou o maior estardalhaço nos meios de comunicação do Estado de Alagoas. Mas para a população, nada de muito novo, pois convivemos diariamente com esses números. Para a SEDS, isso sim, causou estardalhaço, pois o Mapa da Violência 2012 consuma mais uma vez toda a incompetência dos gestores que deveriam fazer com que o crime chegasse a índices aceitáveis.
Falar que o mapa da violência continua a crescer na capital e que agora desloca-se para as cidades do interior é chover no molhado. Em todas as cidades do interior do Estado saltam aos olhos a falta de estrutura das duas polícias, e isso levou 18 cidades alagoanas a estarem presente no ranking das 200 mais violentas do Brasil.
A verdade é que o efetivo da PMAL hoje é distribuído levando-se em conta a importância eleitoral do município, quanto menor a quantidade de eleitores, menor será o investimento no tocante a segurança pública. Para verificar facilmente isso vejam como ficou a distribuição do efetivo que foi formado no último curso do CFP (Curso de Formação de Praças), onde cerca de 600 homens foram treinados e capacitados para trabalharem com policiais em qualquer parte do Estado, mas que, contudo, foram distribuídos apenas na área do CPC (Grande Maceió) e 3º BPM (Arapiraca), coincidentemente os maiores colégios eleitorais de Alagoas, e que em 2014 podem decidir uma eleição para SENADO!
Esse uso político sobre a distribuição do efetivo da Briosa está levando ao caos operacional de todos os demais Batalhões que compõem o organograma do CPI, estrangulando e asfixiando o policiamento ostensivo e preventivo simplesmente pela falta de efetivo. Batalhões e Companhias Independentes hoje, em sua grande maioria, trabalham com cerca de 1/3 do efetivo necessário para realizar o policiamento ostensivo nas cidades do interior, e mesmo com os apelos incessantes de seus comandantes por mais policiais para cobrir os claros, sempre recebem como resposta que trabalhem com o que tem, não sendo autorizado nenhuma transferência de efetivo do CPC e nem de Arapiraca para recompor a tropa das outras unidades.
O engraçado disso tudo é a falta de coesão por parte do secretario (irresponsável) pela Segurança Publica, que em entrevista recente falava que a polícia iria "intensificar o policiamento nas divisas do Estado", para assim coibir as praticas delituosas de bandido que trabalham nessas fronteiras desguarnecidas. Tudo balela. Várias unidades de fronteira tem seríssimas dificuldades de efetivo, e para exemplificar citamos a companhia independente de Novo Lino e a Companhia destacada de Piranhas, pertencente ao 9º BPM (Delmiro Gouveia), essas duas unidades simplesmente fazem fronteira com Pernambuco e Sergipe e contam com um efetivo ridículo de 4 e 3 policiais por dia de serviço respectivamente, para fazer a "segurança" das divisas de Alagoas. Desde a entrevista de Dario César não foi feito nenhum investimentos nessas duas unidades, e nem em nenhuma outra que façam policiamento nos cantos limítrofes do Estado. A verdade é que, Dário, o César, foi passear e conhecer outros secretários, pois de concreto para conter a violência no interior nada foi feito. Dos quase 600 policiais passados a pronto, NENHUM foi destacado para fazer a segurança nessas cidades tão carentes de policiamento.
Ao contrário de suas irmãs pobres em votos, a "capital do agreste" constantemente recebe investimentos na segurança. Ficou com todo efetivo do CFP formado na unidade, recebe constantemente munição, armamentos e viaturas, recebeu um posto de Polícia Comunitária e ainda, para fazer politicagem, o secretario da SEDS informou que será criado mais um Batalhão de Polícia na cidade de Arapiraca. Respondam (e)leitores, será coincidência o uso político da instituição Policia Militar de Alagoas?
Dário, o César, é consciente de sua culpa e inabilidade em combater a criminalidade galopante do Estado. Esse cidadão, que hoje propaga-se como "salvador do povo alagoano" não tem envergadura moral para gerir uma pasta como a SEDS, pois ele nunca trabalhou com segurança pública, sequer conhece a realidade de uma unidade do interior (motivado principalmente por nunca ter trabalhado na instituição PMAL, haja vista ter vivido quase toda a sua vida da caserna ao lado do Senador Collor). E quando procurado para justificar a merda que ele anda fazendo ele se sai com essa: "O secretário de Estado da Defesa Social, Dário César, foi procurado por nossa equipe de reportagem (tudonahora) para comentar os dados divulgados nesta quarta-feira (14) sobre o Mapa da Violência no Brasil. No entanto, segundo sua assessoria, 'ele não irá se pronunciar sobre os números, que apontam Alagoas como o Estado mais violento do Brasil e revelam a migração da violência para o interior'." (clique aqui)
O difícil é entender como uma pessoa tão incompetente como Dário César ainda prossegue À frente da SDS, pois atualmente essa é a pasta que vem queimando o filme do Téo, podendo levá-lo a perder uma eleição para o senado, e mesmo o governador sabendo disso, não exonera o César. O que será que há por trás dessa resistência tão grande do governador em fazer a tão necessária troca de secretario? Será que Téo deve algum favorzinho ao Dada? Quem souber a verdade, por favor nos informe...

9 comentários :

Cada Minuto disse...

Governo apresentará tabela de negociação da PM no dia 11 de janeiro

Líderes militares cobraram implementação do acordo firmado em junho deste ano

por Assessoria

Diante da reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (15), na Secretaria de Estado da Gestão Pública (Segesp) entre os líderes das associações militares e o secretário Alexandre Lages, ficou estabelecido que será apresentada uma tabela de negociação para a categoria no dia 11 de janeiro.

O secretário da Segesp, Alexandre Lages informou aos representantes das entidades militares que toda tabela será dissecada a fim de fazer um enquadramento com o intuito de ver como deverá implementar o pagamento do quinquênio. “Vamos sentar para ver caso a caso e procurar solucionar a situação de vocês”, disse Lages.

Para o presidente da Associação dos Oficiais Militares de Alagoas (Assomal), major PM Wellington Fragoso, quando tudo foi acordado em meados de junho deste ano, o Governo já deveria saber do impacto na folha. “Queremos saber de que forma será implantado e viabilizado o projeto para aplicabilidade do quinquênio em abril de 2012. Temos outras reivindicações que foram acordadas, como é o caso da mudança na lei de promoção e o cumprimento da Lei 6.824/2007 que trata dos 7% de subsídios dos militares”, pontuou Fragoso.

O vice-presidente da Associação de Cabos e Soldados em Alagoas (ACS/AL), cabo BM Rogers Tenório, enfatizou que a tropa está ansiosa e precisa de uma resposta concreta a respeito do acordo que foi firmado. “A tropa tem a certeza de que irá receber, mas é importante frisar que este impasse deixou no ar certa impossibilidade de que isto seja cumprido até abril. No entanto, esperamos que seja dada uma resposta positiva no próximo dia 11”.

Assembleia

Se após a reunião do dia 11 de janeiro entre os líderes militares e o secretário da Segesp não for acertado nada na mesa permanente de negociação no que concerne ao cumprimento do acordo, será convocada uma assembleia com toda a categoria. “Esperamos que o acordo seja garantido, ou melhor, documentado até o carnaval, caso contrário, poderemos paralisar as atividades”, finalizou o major PM Wellington Fragoso.

Fonte: Cada Minuto

Cada Minuto disse...

Após arrastão e incêndio em coletivo, policiamento será reforçado no Jacintinho

por Paulo Chancey Junior

Um arrastão no comércio do Jacintinho e um incêndio criminoso a um ônibus no terminal do Conjunto José da Silva Peixoto, motivou a Polícia Militar a reforçar o policiamento no local e junto com a Polícia Civil, buscar os culpados desses atentados contra a população. Na última terça-feira, os criminosos teriam feito um arrastão e ordenado o fechamento do comércio, levando terror ao bairro, um dos mais populosos e movimentados de Maceió.

Ontem, outra ação criminosa terminou com um coletivo da empresa Massayó incendiado no terminal do Conjunto. A reportagem do CadaMinuto entrou em contato com o Comandante do Policiamento da Capital, Coronel Gilmar Batinga, que confirmou o reforço policial na região.
“O bairro do Jacintinho é populoso, e claro que já existe um policiamento no local. Mas, diante desses últimos acontecimentos, vamos reforçar o efetivo da região, para coibir qualquer tipo de ação desse tipo”, disse.

A investigação das duas ações criminosas ficou a cargo do 9º Distrito Policial, comandado pelo delegado Waldor Coimbra Lou. O chefe de serviço do distrito, Temildo das Trevas, colocou como “audaciosa” a ação dos bandidos e foi acompanhado por Batinga.

“A motivação para esses bandidos agirem dessa forma é o sentimento de impunidade que acompanha eles. Eles fazem isso, imaginando que não vão ser presos, que não serão julgados e consequentemente condenados e assim vai. Por isso, precisamos fazer a nossa parte e aumentar a segurança não só no jacintinho, mas em toda capital”, acrescentou.

Fonte: Cada Minuto

Cada Minuto disse...

Segundo ônibus incendiado em Maceió: Empresários cogitam paralisação

por Redação

Maciel Rufino

Em menos de 48 horas Maceió presenciou a segunda ação criminosa que resulta no incêndio de ônibus coletivos na cidade. Desta vez um ônibus da Empresa São Francisco foi atacado e depois queimado no início da noite de hoje quando passava próximo ao Sesi da Cambona.

De acordo com os passageiros do ônibus quatro ou cinco homens pararam o ônibus ao apontar um revolver contra o motorista, eles gritaram para os passageiros saírem do coletivo, jogaram combustível no veículo e depois atearam fogo.

No momento em que o ônibus pegava fogo, o grupo ainda pregou dois cartazes com frases semelhantes a uma ação ocorrida no bairro do Tabuleiro no mês passado, que diziam: "Queremos melhorias nos sistemas carserarios (Assim escrito de forma errada). 100% favela" e "Contra a opresões (sic) das cadeias".

O motorista do ônibus ficou em choque, já que ficou encharcado de combustível e por um momento achou que podia ser queimado junto com o coletivo. O Corpo de Bombeiros foi chamado e logo controlou o fogo.

Empresários fazem reunião

Hoje a tarde, por conta do incêndio de ontem (Fotos), as empresas de ônibus decidiram não circular com seus veículos no Jacintinho, este novo incêndio fez com quê, de acordo com o que foi apurado pelo Cadaminuto os empresários conversassem e marcassem uma reunião onde medidas mais drásticas, como a suspensão total da circulação dos ônibus possam ser tomadas.

O Cadaminuto conversou com dois empresários e eles se mostraram preocupados com a situação,um deles explicou que está tentando contato com a secretaria de segurança.

Motorista quer parar

O sindicato dos rodoviários não se manifestou, mas já existe uma movimentação de motoristas e cobradores buscando uma ação mais efetiva por conta da secretaria de segurança pública do Estado.

“Por mim todos paravam, nós vamos dirigir um ônibus e de repente um grupo deste vem e toca no fogo no veículo, hoje o colega podia ter sido atingido, amanhã pode ser eu” disse ummotorista que passou pelo local do segundo incêndio.

Comandante pessa para sair antes que seja tarde. A tropa está de braços cruzados. Ninguém aguenta mais o desgaste desse comando. Fora Dário, o Cézar e fora lulu malvadeza. Vcs estão acabando com a segurança do estado.

Fonte: Cada Minuto

Anônimo disse...

É, companheiros do BEF, política é a arte da enganação, portanto é algo satânico.

Velha Guarda disse...

Está mais do que na hora da sociedade saber o quanto as influências políticas atrapalham o policiamento no dia a dia. Seria bom que vocês aprofundassem o contexto histórico através dos períodos revelando os momentos mais sórdidos da influência política na PMAL. E seria bom também de forma mais incisiva o quanto o patrimônio público está sendo surrupiado não apenas por políticos como também pelos oficiais, que por intermédio dos cargos que ocupam e da perspectiva de vantagem em cargos comissionados seriam capazes de vendar as próprias mães e suas filhas, isso tudo sem deixar de falar de como eles saqueiam a nossa instuição.

Anônimo disse...

BOA PARTE DESSES CRIMES QUE HOJE ACONTECE PODERIAM SER EVITADO SE OS COMANDANTES DE BATALHÃO DE ÁREA SE PREOCUPASSEM MAIS COM A SEGURANÇA DA SOCIEDADE DO QUE AS EVENTUAIS VANTAGENS QUE OS MESMOS SEMPRE TIRAM OU PROCURAM TIRA DO COMÉRCIO LOCAL. TODAS ESTAS DENÚNCIAS E REFLEXÕES QUE SÃO EXPOSTAS AQUI NÃO PODERIAM CAIR NO ESQUECIMENTO E NEM FICAR IMPUNES. AS ASSOCIAÇÕES, O MP E A OAB, QUIÇÁ A SOCIEDADE EM GERAL, TEM QUE SE MOBILIZAR NO SENTIDO DE FAZER ALGUMA COISA PARA QUE A POLÍCIA VOLTE A SER ADMINISTRADA POR PESSOAS COMPROMISSADAS VERDADEIRAMENTE COM A CAUSA PÚBLICA, POIS QUEM GANHA COM ISSO É A PRÓPRIA SOCIEDADE. CABE AO JUDICIÁRIO COLOCAR OS DESVIADORES DA FINALIDADE E DO BEM PÚBLICO NA CADEIA, PARA QUE ISSO SIRVA DE EXEMPLO PARA OS DEMAIS. EM SUMA: PRECISAMOS NOS ORGANIZAR, SEJA COMO OS MEMBROS DA POLÍCIA QUE QUEREM UMA INSTITUIÇÃO MELHOR, VOLTADA PARA OS ANSEIOS TANTO DA SOCIEDADE COMO TAMBÉM DO PÚBLICO INTERNO, COMO TAMBÉM ENQUANTO SOCIEDADE, POIS NÓS TAMBÉM FAZEMOS PARTE DA SOCIEDADE, E SENDO ASSIM A NOSSA ATRIBUIÇÃO E AS NOSSAS OBRIGAÇÕES DEVEM SER REDOBRADAS.

Uma Policial disse...

Os últimos acontecimentos nos revelam que para que as devidas providências sejam tomadas isso vai requerer o investimento de bilhões de reais, os quais serão gastos em operações "engenhosas", as quais (como sempre) não resolverão o problema e nem ao menos irá amenizá-lo. E sabe por quê? Porque o pensamento de quem está na linha de frente não está em sintonia com o de quem está gerenciando as atividades operacionais. E para muitos isso tem uma definição. Chama-se: GREVE BRANCA.

Como resolvê-la? Além dos milhões que não podem faltar, há de se modificar toda a cúpula da segurança, tal qual se faz em um time de futebol que não vai bem, porque os jogadores estão saturados com a comissão técnica. Além do mais, há de se fazer a contratação urgente e periódica de novos policiais, e tudo isso levando-se em consideração um detalhe crucial: os anseios salariais e outros mais inerentes à carreira e as condições de serviço tem que ser atendidas, sob pena de nada do que for feito, mesmo que de forma parcelada, dar certo. Alguém duvida?

Anônimo disse...

É gente, os filhotes de satanás estão sem rumo, e estão levando a corporação para o abismo. E ainda tem deles que tenta desesperadamente justificar o injustificável.

procurado disse...

agora danou-se tudo...

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver