Seria melhor "ter 'pedido' para sair" (agora é tarde)

Todos nós somos conhecedores das seguintes frases:
"O que você faz de bom hoje será esquecido amanhã, mesmo assim faça o bem"; e
"Tudo que a gente faz na vida, um dia acaba retornando".
Eu aprendi muito com essas frases, gosto disso. Ambas são bons lembretes para as consequências que disso podem advir. Ao que parece, pessoas como o Coronel Luciano ignoram estes ensinamentos milenares. Ainda em relação ao Coronel Luciano, tamanho foi o seu menosprezo para as consequências de seus atos que sob a capa da hierarquia e da disciplina ele perseguiu, humilhou, exacerbou os próprios poderes. E agora está começando a arcar com as consequências das suas ações, bem como das suas omissões. Há pouco dias tivemos a decretação da sua prisão, e no episódio mais recente, conforme foi estampado na capa da Gazeta de Alagoas, a mesma autoridade que o prendeu agora quer asua destituição. Vejamos a matéria:
Presidente do TRE de Alagoas quer troca de comando na Polícia Militar
Após mandado de prisão, desembargador sugere demissão de oficial
O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE-AL), desembargador Orlando Manso, enviou ofício ao governador Teotônio Vilela Filho (PSDB) comunicando que não tratará nenhum assunto com a Polícia Militar de Alagoas (PM) enquanto o coronel Luciano Silva for o comandante da corporação.
No ofício recebido pelo Gabinete Civil no último dia 1º de dezembro, e obtido pela Gazeta, Manso se refere ao comandante da PM como um "franco e deliberado transgressor da legislação pátria".
Na próxima quinta-feira, Orlando Manso reúne-se com as polícias Federal, Civil e Rodoviária Federal para definir a segurança para as eleições de Joaquim Gomes, no próximo domingo, dia 11. No ofício, o presidente do TRE "avisa" que, caso o coronel Luciano Silva persista até o dia da reunião à frente da corporação, ele irá excluir totalmente a PM do esquema de segurança, além de solicitar a presença do Exército em Joaquim Gomes. E mais: Manso afirma que será de responsabilidade do governador Teotônio Vilela Filho qualquer incidente ou fato negativo que ocorra no pleito eleitoral.
Segundo as nossas fontes, agora não tem retorno: "a queda já está definida, a questão agora é: 'quem' seria a pessoa ideal no momento"; Como assim "no momento"? Explico: haveria mudanças em várias pastas do Governo Estadual antes do final do ano, e o Comando da Corporação também seria alternado. Estas mudanças levariam em consideração os índices da violência e as coligações políticas, haja vista estarmos às vésperas das eleições municipais. O nome do coronel cotado pelos parlamentares de oposição ao governo divergia do nome escolhido pela sua base na assembleia, e até mesmo das "sugestões" de assessores diretos do próprio governo, que há muito querem a substituição de toda cúpula da Segurança Pública. Diante dessa situação três nomes apareciam com muita força, porém outros dois "corriam por fora", um deles com grandes possibilidades de ocupar o cargo máximo castrense, ainda mais devido as suas articulações tanto dentro quanto fora do Estado. Em meio a essa situação, nomes como o do coroneis Gilmar Batinga e Dimas – que antes eram tidos como certos à sucessão do comando – perderam força e cogita-se que após a mudança nem mesmo permaneçam nos cargos que hoje ocupam.

Diante de tudo isso, o secretário Dário César desconversa e diz que "é hora de trabalhar" e que não discute esse assunto, cujos rumores dão conta que após a sua destituição o caminho do Coronel Luciano seja mesmo o Sistema Prisional. Desta feita, não na condição de preso (ainda), mas sim na condição de superintende – até quando?

22 comentários :

Apenas um antigo que tem esperança na polícia(ainda). disse...

Oque ele e outros precisam saber é que pra ser reto,honesto e dar exemplo não é preciso manter o terror de um comando que utiliza a retaliação e arbitrariedade como grandes características e pior,que se vangloriam disso e acham que não existem outras opções como flexibilidade e compreensão ao lidar com os subalternos.a ideia que todo mundo é macetoso e usa de má fé e desonestidade,ou tem que ser subserviente as suas pseudo-majestades em todas as suas vontades é na verdade justificável apenas como distúrbio psicológico,esquizofrenia semelhante a que Hitler sofreu quando de seus últimos dias,pouco tempo antes de cair,vítima de seu próprio orgulho, incutido em sua mente insana,qualquer semelhança com certeza não é mera coincidência,com napoleão foi assim também,acabou solitário em uma ilha,numa ilha o comandante já está,só que uma ilha em que ele não tem ninguém ao redor para apoiá-lo. Hitler se matou.é...o destino em todos os casos é triste.será que a história vai se repetir?numa guerra,algumas baixas são aceitáveis,mas quando quem cai é o general,todo seu exército se enfraquece e desmorona.vai cair,é fato,espero que apareça alguém de idéias e principalmente que o poder não suba à cabeça,sendo candidato também à vergonha.

Blog do Célio Gomes disse...

Pergunta sobre “intervenção federal” irrita secretário

Uma pergunta sobre eventual pedido de intervenção federal irritou o secretário de Estado da Defesa Social, coronel Dário César. Foi durante entrevista ao AL-TV Primeira Edição, na TV Gazeta, no fim da manhã desta terça-feira.

No estúdio da TV, ao vivo, ele falava aos jornalista Filipe Toledo e Liara Nogueira. Depois de apresentar uma reportagem com os dados mais recentes sobre violência, a dupla fez várias perguntas a respeito das ações oficiais para enfrentar a situação.

O secretário respondia com informações sobre investimentos; e lembrava que a violência não ocorre somente em Alagoas. Dário César chegou a contestar os métodos da ONU para estabelecer números sobre segurança pública.

“O estado pode pedir intervenção federal?”, perguntou a jornalista Liara Nogueira. “Intervenção?! Por que isso?”, respondeu o secretário, entre surpreso e contrariado. A apresentadora afirmou que a insegurança “é gritante e está na porta de casa”.

“Sim, tem muita violência, mata-se todos os dias. Mas é em Alagoas e em todo o País. Você, desculpe, mas não está levando em conta a questão nacional. Por que não pediram intervenção há seis anos, quando explodiram os números de assassinatos?”, disse o coronel, aparentando desconforto e irritação.

As últimas ações anunciadas pelo governo nessa área foram o aluguel de um helicóptero para o Bope e a licitação para o sistema de videomonitoramento em Maceió.

Blog do Célio Gomes disse...

Eleição no meio do impasse

A polêmica envolvendo o presidente do Tribunal Regional Eleitoral e o comandante da Polícia Militar ganha contornos delicados por causa do calendário: no próximo domingo, tem eleição para prefeito de Joaquim Gomes, na Região Norte de Alagoas.

Para o desembargador Orlando Manso, não há condições para trabalhar ao lado do coronel Luciano Silva – “um franco e deliberado transgressor da legislação”, segundo o presidente do TRE.

Ocorre que o evento em Joaquim Gomes precisa do trabalho conjunto da Justiça Eleitoral e das forças de segurança pública. Como a Gazeta informa hoje, Manso diz em ofício ao governo que prefere o Exército, exclusivamente.

A essa altura, resta saber se tal providência ainda é viável. Um capítulo dessa confusão terá como palco o próprio TRE, na próxima quinta-feira, quando o desembargador recebe os dirigentes das polícias, para definir justamente a atuação na eleição de domingo.

Segundo o ofício enviado ao governo, Manso diz que receberá, apenas, os chefes da polícias Federal, Civil e Rodoviária Federal; nada de Polícia Militar.

E agora? Interlocutores tentam o fim do impasse.

Anônimo disse...

OAB/AL recebe denúncia contra a Polícia Militar em Poço das Trincheiras. Mais um escândalo nesse comando.Acho que orlando manso deveria pedir a cabeça do governador pois Téo Vilela é o governo + preguiçoso e fraco até hj. Fora Téo e fora Lulu e fora César converssador.

Anônimo disse...

Mais uma do coronel Luciano,o mesmo despromoveu 18 sargentos informano em BGO que se tratava de determinação judicial,os interessados procuraram a autoridade competente que informou que não determinou nada,para finalizar hoje saiu a sentença em carater de urgência mandando promover os mesmos ao referido posto, caso o coronel facista não cumpra essa determinação terá que ressacir os 18 praças em cem reais por dia para cada um... Peça para sair seu covarde,a polícia não é um bem particular e sim uma entidade pública do povo alagoano...

Anônimo disse...

Meus queridos eu quero é ver se a gente quando trabalha e ver um juiz errado, não é para pedir que ele saia daquela função. Que diga o X, esse Homi do TRE tá para se aposentar no ano que vem por isso ta com medo de perder poder, um Desembargador a favor disse que é para mostrar quem manda...se essa moda pega...eu digo que nós policiais somos filhos sem pai e mãe, kd governador.

Anônimo disse...

Coronel Luciano VOCÊ num tem moral sobre a tropa que comanda VOCÊ é um Facista pessa baixa seu crápula.

Anônimo disse...

ae companheiros, vcs estão de PARABENNNNNNSSSSSSSS QUE ESSE BLOG, SE TORNE UM SITE, ENCORAJANDO A BASE DA PIRAMIDE PARA FAZER A REVOLUÇÃO, E LUTAR POR NOSSOS DIREITOS CONTRA ESSAS DITADURA QUE PASSA DE COMANDO PARA COMANDO. CORAGEM AMIGOS, TOMAMOS COM EXEMPLO A PM DO MARANHÃO.

Anônimo disse...

Governo em crise com o Tribunal EleitoralCompartilhe
mais opções Publicidade
As declarações do presidente do Tribunal Regional Eleitoral, Orlando Manso de que não fará tratativas com o atual comandante da Polícia Militar, Luciano Silva, sobre a segurança das eleições, abre mais uma crise no governo de Téo Vilela.

O desembargador, que já mandou prender dias atrás o próprio comandante por descumprimento de ordem judicial, disse em ofício enviado ao governador Téo Vilela que ´´tal panorama converge para um tirocínio de absoluta incompatibilidade de que este Regioanl engendre qualquer tratativa com o comandante, corolário de sua intransigente e injustificável contumácia no descumprimento de ordens judiciais´´. O desembargador referia-se exatamente na punição ao capitão Antônio Marcos da Rocha Lima que era de ´´repreensão´´ e nunca de prisão, como aconteceu. Era somente o que falta.

A crise deverá ser debelada pelo próprio governador com duas alternativas: ou afasta o comandante da PM ou enfrenta o Tribunal Regional Eleitoral. Manso já disse, que irá pedir tropas federais para Alagoas.
Ricardo Mota buchecha de budogue tu diz uma coisa depois diz outra. Vai te ferrar. Fica com o Coronel Luciano pra tú, leva ele pra tua casa.

Blog do Célio Gomes disse...

O governo do Estado informou ao desembargador Orlando Manso, presidente do Tribunal Regional Eleitoral, que não tem motivos para trocar o comandante da Polícia Militar, coronel Luciano da Silva.

O comunicado foi feito em documento e, ao mesmo tempo, numa conversa entre Manso e o secretário do Gabinete Civil, Álvaro Machado. Eles tiveram reunião no TRE até o começo da noite desta terça-feira (6).

Na Gazeta desta quarta-feira (7), o repórter Felipe Farias relata como foi o encontro entre o presidente do tribunal e o secretário do governo.

A resposta do governador não poderia mesmo ser outra. O desembargador ouviu tranquilamente os argumentos levados por Álvaro Machado. Disse até compreender o ponto de vista do Executivo.

Mas não mudou de opinião quanto ao coronel. Amanhã (quinta-feira) o presidente do TRE tem reunião marcada com as forças de segurança. Será debatido o trabalho do próximo domingo, na eleição de Joaquim Gomes.

O desembargador avisa que devem comparecer os chefes das polícias, além do Exército. Só não pretende “tratar” com o comandante da PM.

Ricardo Mota disse...

Por que o governador Vilela não deve atender ao desembargador Manso

Porque cabe ao governador do Estado, seja ele quem for, escolher o oficial quem deve comandar a Polícia Militar – nenhum integrante de qualquer outro poder deve substituir o chefe do Executivo nesta função de definir os seus subordinados.

Ao decretar a prisão do coronel Luciano Silva, recentemente, o desembargador Orlando Manso exerceu as suas atribuições de magistrado. Se o oficial não cumpriu uma determinação judicial, que responda legalmente pelo fato.

Mas cabe ao desembargador, principalmente presidindo o Tribunal Regional Eleitoral, cumprir o que estabelece a legislação. Nada mais além.

O que está em jogo, aqui, é a relação entre duas instituições: o TRE e PM.

Não se trata – nem deve assim ser tratado – de uma questão pessoal entre o desembargador e o coronel.

Se o coronel Luciano Silva é um “fora da lei”, o desembargador Orlando Manso há de enquadrá-lo dentro do que estabelece a Constituição.

Decidir, porém, quem pode e quem não poder dirigir a corporação é uma questão que diz respeito ao governador.

Recentemente abordei o tema, aqui, por imaginar que a recente prisão do oficial, determinada pelo desembargador Orlando Manso, que atuou então como integrante do Tribunal de Justiça, poderia resvalar para outra área.

Mas, confesso, o fiz de forma apenas a refletir sobre o tema. Imaginei que não chegaríamos a este momento, por ser o desembargador – agora como presidente do TRE – um profundo conhecedor da legislação e, principalmente, da Constituição.

Mesmo os seus colegas de TJ sabem que têm muito a aprender com ele. Mas a reação de agora não parece se enquadrar nas questões relativas ao Direito.

Imagino qual seria repercussão se o governador – seja ele quer for – sugerisse ao presidente do TRE – seja ele quem for – que substituísse um integrante do primeiro escalão da sua equipe.

Qual será a resposta de Vilela?

Anônimo disse...

Deputado quer isenção de tributos para PMs que comprarem as próprias armas

22:10 - 06/12/2011 Josenildo Törres

O deputado estadual Joãozinho Pereira (PSDB) pretende aprovar na Assembleia Legislativa do Estado (ALE) uma indicação ao governo do Estado para que isente de tributos os policiais militares que comprarem suas próprias armas. Apresentada durante a sessão desta terça-feira (6), ela se baseia, segundo o autor, em reivindicações apresentadas por integrantes da Polícia Militar de Alagoas (PM/AL), que muitas vezes têm que comprar o próprio armamento para trabalhar.

Para conquistar a simpatia dos demais 26 colegas de parlamento à aprovação da indicação, Joãozinho Pereira argumentou que um policial militar ganha em torno de R$ 2 mil, não sendo justo ele destinar grande parte deste valor para comprar uma arma. “Quando isso ocorre, certamente vai fazer falta para as necessidades domésticas. Mas se conseguirmos desonerar o preço da arma, vai sobrar mais dinheiro para que o policial possa cuidar da sua família”, destacou o tucano.

O projeto pode não conquistar o aval do poder Executivo, já que a desoneração tributária sugerida pelo deputado do PSDB deve causar despesas extras aos cofres do governo do Estado. O Tudo na Hora contatou o Comandante da Polícia Militar, coronel Luciano Silva, mas ele não atendeu às ligações para se pronunciar sobre o tema polêmico.

Região metropolitana de Palmeira

Ainda durante a sessão desta terça-feira (6), foi aprovado o Projeto de Lei que criou a Região Metropolitana de Palmeira dos Índios. O projeto foi apresentado pelo deputado Ronaldo Medeiros (PT), líder da oposição na ALE.

Também foi aprovado um projeto de Lei, de autoria do deputado Antônio Albuquerque (PTdoB), que proíbe a circulação de pessoas não autorizadas no interior de unidades escolares. Os 19 deputados presentes à ALE aprovaram, ainda, o projeto que autoriza a doação de terreno para construção de unidades habitacionais destinadas a servidores públicos.

Fonte: Tudo na Hora

Anônimo disse...

Qual a FUNDAMENTAÇÃO LEGAL para que o sr. orlando manso peça a exoneração do EXCELENTÍSSIMO SENHOR COMANDANTE GERAL DA BRIOSA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS, CEL PM LUCIANO ANTÔNIO DA SILVA??? O sr. orlando manso deve está de brincadeira ou não tem o que fazer!!!

Anônimo disse...

Para que não entendeu o Desembargador não pediu e sim sugeriu a saída do Cmt Geral. Como também as associações sujeriram, como 100% dos praças rezam pela saída e cerca de 90% dos oficiais anseiam a saida do algoz.

Anônimo disse...

O que o sr. orlando manso entende de POLÍCIA MILITAR para sugerir a saída do EXCELENTÍSSIMO SENHOR COMANDANTE GERAL - CEL PM LUCIANO ANTÔNIO DA SILVA???

Anônimo disse...

Fica de 4 LAmpiano e chupa essa que é de uva e senta nessa que é de menta, kkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

PM Problema;

Quero muito que o coronel Luciano saia, mas muito mesmo.
Mas queria que ele saisse pelas pressões da classe; pelos crimes de abuso e perseguições que ele comete, inclusive, as contra, não só o cap. Rocha Lima, mas como também os demais companheiros.
Mas que a queda dele, por mais desejada que seja, não pode vir de um magistrado pré-histórico, que, garanto, não passaria na prova da OAB, e, assim como os oficiais do Cel Rocha e Denilma, entrou pela janela do favorecimento e da peixada, bem como toda a família, tire o comandante geral de uma instituição secular e decisiva quando quer (vide 17 de julho de 1997, a queda do Suruagy), pois do mesmo jeito que é esse comandante lástima pode ser um bom comandante no futuro que um desembargador déspota queira tirar. Lembrem-se que não é por injustiça contra o cap Rocha lima, e sim porque o coronel Luciano não liberou o desordeiro do filho dele.

Anônimo disse...

Quero ver se ele é Manso ou brabo...kkkkkkkkkkkkkkkk
Tá vendo ai cel. Lampiano, que vc não é Deus e que encontrou alguém maior que vc e que a tropa não te admira e nem gosta de vc. Vamos lutar agora para que o comandante da PMAL seja escolhido por seus subordinados, alguém que tenha a cara da PMAL.

Anônimo disse...

E como fica o caso do Oficial Blogeiro Teles, nessa briga di cachorro grande ele vai babar o ovo do Manso ou do LULU.

Blog do Célio Gomes disse...

Comandante da PM é um fora da lei, afirma o presidente do TRE

Não tem acordo. O presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador Orlando Manso, não permite a Polícia Militar atuando na eleição do próximo domingo, em Joaquim Gomes. Foi o que ele informou nesta quarta-feira, oficialmente, ao plenário do TRE, durante sessão ordinária.

No município, sem dúvida, os militares podem atuar no policiamento normal, mas o desembargador deixou claro: os policiais serão impedidos de chegar perto dos locais de votação.

Sim, a PM não é convidada para a reunião desta quinta-feira, quando o presidente do tribunal vai acertar os detalhes da segurança para o dia da votação em Joaquim Gomes.

Na sessão do TRE, Manso disse que a Justiça Eleitoral “não será desmoralizada”. Afirmou ainda, para os demais magistrados do tribunal, que o coronel Luciano da Silva, comandante da PM, é um “fora da lei”. E que, por isso, não pode tratar com essa autoridade.

Para defender seus argumentos diante do plenário, Orlando Manso fez até uma viagem no tempo: lembrou que sempre teve embates com governos.

O desembargador falou muito. Na sessão do TRE, além dos juízes e funcionários, estava o jornalista Felipe Farias. Na Gazeta desta quinta, ele relata o que viu e ouviu.

Anônimo disse...

Comandante geral… O PRESIDENTE DO T R E DISSE.... Vc é um desobidiente… não tem condições de comandar a pmal seu fora da lei.

Anônimo disse...

Esse filho de uma mãe solteira...

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver