Ai se eu te pego, bandido

Quando Walter Sá foi “transferido” para o Batalhão de Palmeira dos Índios, ele não foi movimentado a bem do serviço público, ele foi de “banguela”. O resultado disso todos nós já sabemos – mas ele não foi o único penalizado com essa tragédia, haja vista que ele tinha esposa (Elizama de Carvalho S. Sá), e a mesma está grávida.
Se o Soldado Walter não tivesse sido vítima dessa tragédia, talvez ele tivesse agido como o Sargento André Felipe Freire de Mendonça, que levou uma banguela para o 2º BPM, mas conseguiu uma coisa inédita aqui em Alagoas, ainda mais nestes tempos de opressão e perseguição, ou seja, reverter um ato discricionário de transferência; algo que deve ter irritado e muito o Coronel Luciano, principalmente de onde partiu a decisão em sede de liminar (clique aqui), conforme informou o nosso amigo o Dr Júlio. Bem, o que passou não volta atrás, mas nós podemos impedir que essa tragédia indescritível possa acontecer com outras pessoas. Pensando assim, disponibilizamos a fotos dos suspeitos (dois já identificados) na morte do nosso companheiro. São eles:
José Humberto da Silva – vulgo: Betinho
Ricardo Lopes da Silva – vulgo: Pixoto
Alex – vulgo: Satuba
Alan
Os marginais identificados pelas testemunhas são “Betinho” e “Pixoto”, como são conhecidos. Até o presente momento todos os acusados estão foragidos, mas não por muito tempo, esperamos.
As investigações estão sendo comandadas pelo delegado Aílton Soares, do 104º Distrito Policial, que fica em Atalaia, mas o mesmo está precisando de toda ajuda possível para “capturarmos” estes elementos.
Lembrem-se, amigos, Walter de Sá Carvalho, um cidadão trabalhador, policial militar, chefe de família, era casado e sua viúva está grávida de 7 meses. Esta criança certamente não seria o único filho do militar, que tombou em nome da PMAL defendendo a sociedade alagoana. O mínimo que podemos fazer por ele é “pegarmos” os meliantes que o assassinaram. O resto fica por conta da justiça!

9 comentários :

Anônimo disse...

essa decisão só poderia ser da dona ester manso

pitt-bull instigado. disse...

copiado e já na caça,companheiro.só a misericórdia divina pra safar esses defuntos vivos.

canídeos assassínios(nome científico). disse...

o prazo de validade deles já venceu,só eles não sabem,mas deixa que nós avisamos pessoalmente,já estou atrás deles há alguns dias,não sei se eles vão querer atirar em nós também.

Anônimo disse...

JENÉSIO O PECADOR,NESTE CASO ESPECÍFICO DEVERIAMOS USAR O VELHO TESTAMENTO,OLHO POR OLHO DENTE POR DENTE E MANDAR ESTES DEMÔNIOS PARA O INFERNO ANTES MESMO DO JULGAMENTO FINAL.

O OBSERVADOR disse...

Bastou vocês incitarem a busca a estes animais e logo logo alguém tratou de capiturar os mesmos...

PM prende acusados de envolvimento na morte de policial militar

Entre os presos está um menor de 17 anos

Quatro homens foram presos, no começo da tarde desta quarta-feira (28), no bairro do Clima Bom, em Maceió, por guarnições do Batalhão de Polícia de Radiopatrulha (BPRp). De acordo com a PM, dois deles têm participação direta no assassinato do soldado da Polícia Militar de Alagoas, Walter Sá de Carvalho, ocorrido há duas semanas, dentro de um microônibus que fazia transporte alternativo, na zona rural de Atalaia.

Foram detidos José Humberto da Silva, mais conhecido pelo apelido de “Beto”, de 25 anos, Yuri Ângelo de Souza Félix, de 20 e Walysson da Silva, de 18, apelidado de “Baby”. O adolescente A.S, de 17 anos foi apreendido com o trio e, de acordo com a polícia, tem envolvimento na morte do militar juntamente com Humberto. Todos foram apresentados, em entrevista coletiva, convocada pelo Comando de Policiamento da Capital (CPC). Aos jornalistas, eles negaram envolvimento no crime e disseram que não estavam no microônibus.

Entretanto, segundo o comandante de Policiamento da Capital, tenente-coronel Gilmar Batinga, os dois foram reconhecidos por testemunhas que estavam no instante em que o fato aconteceu. As pessoas disseram também que Humberto era um dos mais agressivos enquanto o assalto aconteceu.

Ainda conforme Batinga, os acusados estavam na companhia de Ricardo Lopes da Silva Santos, de 18 anos, apontado, pela polícia, como sendo o autor do disparo que matou o soldado. Ele tem mandado de prisão em aberto expedido Justiça e está na condição de foragido.

Com os presos, os policiais apreenderam uma garrucha (arma de fogo de cano curto, semelhante a uma pistola ou revólver), uma pistola calibre Ponto 380, com numeração raspada, R$ 530, além de uma quantidade de maconha, crack e uma balança de precisão. A suspeita é a de que a pistola pertencia a Walter Sá de Carvalho.

Em desfavor dos quatro já haviam, também, mandados de prisão. Por meio do serviço de inteligência, a PM investigava o grupo por envolvimento com o tráfico de drogas e roubos. Durante a apuração, foi descoberto que José Humberto e o adolescente participaram da execução do soldado.

O crime

O policial militar Walter Sá de Carvalho, de 32 anos, foi assassinado com um tiro na face, no dia 15 de março, em um microônibus que trafegava em trecho da BR-316, em Atalaia, Segundo os militares que estavam no transporte complementar, onde tudo aconteceu, a vítima estava fardada e retornava da unidade policial de Maribondo para Maceió. Ele teria percebido três suspeitos no coletivo e tentou avisar ao motorista. Quando retornou, um quarto criminoso, que sentava ao seu lado, sacou uma arma e disparou em direção à sua face.

Os bandidos, ainda conforme os PMs, cometeram três assaltos nas rodovias nesse dia. Após a execução, eles ainda determinaram que os passageiros ficassem calados durante a viagem até Satuba, quando desceram sem que nenhum objeto fosse roubado. Walter Sá morreu na hora. Os policiais que estavam no transporte estavam à paisana e não se manifestaram temendo a morte.

Parabéns ao BEF pela matéria disse...

Presos acusados de assassinar PM em assalto a microônibus
Outros dois jovens também foram presos, acusados de diversos crimes

Militares da Rádio Patrulha, dando cumprimento a mandados de prisão expedidos pelo juiz Alfredo dos Santos, da Comarca de Atalaia, prenderam, na tarde desta quarta-feira (28), dois suspeitos de assassinar o policial militar Valter Sá. Alan da Silva e José Humberto da Silva, 25, o Betinho, foram presos em uma residência no Clima Bom. Além dos dois, Yuri Angelo de Souza, 20, e Wallison da Silva, o Baby, 18, também foram detidos, acusados de fazer parte de uma quadrilha acusada de vários crimes.

O comandante do policiamento na capital, Coronel Gilmar Batinga, disse em entrevista coletiva que há dois integrantes do bando foragidos. Ricardo José da Silva, vulgo Pixoto, e um homem identificado apenas como Alex são caçados pela Polícia. Ricardo teria atirado no militar. O bando foi preso sob acusação de tráfico de entorpecentes.

Com os presos, os policiais encontraram 220 gramas de maconha, uma balança de precisão, crack e cocaína, além de R$530,00 em espécie, dois celulares, carteiras de identidade falsas, uma garruncha e uma pistola Taurus, calibre 380, modelo 938, com numeração raspada e 12 munições intactas, que pode ser a arma roubada do militar. O material e os suspeitos foram levados para a Central de Polícia, no bairro do Prado.

Batinga explicou que a Polícia recebeu diversas denúncias anônimas e diligências foram realizadas, inclusive no interior do Estado. O grupo é suspeito de vários assaltos e teria invadido recentemente um mercadinho em Satuba. Wallison foi atingido no pé por um tiro, durante a ação.

“Essa prisão era uma questão de honra, uma resposta à sociedade. Recebemos denúncias através do 181. Vamos buscar qualquer cidadão que tente matar um policial. Ainda estamos no encalço dos outros dois. O Beto usava as identidades falsas para não ser pego, pois cometeu varios crimes. Encontramos o RG verdadeiro dele atrás de um quadro, em uma residência no Clima Bom”, desabafou Batinga.


O caso

O policial militar Valter Sá, lotado no 10º Batalhão da PM em Palmeira dos Índios, foi executado na manhã do último 15, dentro de um micro-ônibus, de placa EWR 8592, em um dos trechos da rodovia BR-316, próximo ao município de Atalaia. O militar foi morto com um tiro na cabeça.

O micro-ônibus saiu de Palmeira dos Índios por volta das 05 horas. Segundo passageiros, quando percebeu o assalto Sá ainda chegou a se levantar e conversar com o motorista, tentando também contato com um posto policial de Atalaia. Minutos depois, um disparo foi efetuado na direção do militar, que teve morte instantânea.

Anônimo disse...

Deus dará todo o suporte a familía do nosso colega de farda!! Jesus é bom!!

Anônimo disse...

Sargento da pm é executado em Maceió

Mais um policial militar é executado em Alagoas. A nova vítima é o sargento C. Soares, que era lotado no Batalhão de Policiamento Escolar (BPesc) da Polícia Militar.

O militar foi assassinado a tiros na noite desta quarta-feira (28), em um dos trechos da avenida Manoel Afonso de Mello, no bairro do Santa Lúcia, parta alta de Maceió.

Testemunhas relataram que o criminoso foi um homem que fugiu em um Renault Clio branco, de placa não anotada. Informações dão conta que a arma da vítima, uma pistola Glock calibre 380, e que estava com C. Soares, desapareceu.

Anônimo disse...

Se forem presos vão virar heróis e isso não pode acontecer.

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver