GPM Roteiro: Bandidos 10 X 0 PMAL

Batemos sempre na mesma tecla: “a gestão temerária praticada por Dário César e seu irmão, o ‘Ninguém’ Dimas ‘César’, está destruindo a Polícia Militar deste nosso Estado de Bravos”.
Expomos com frequência a vulnerabilidade dos Batalhões, GPMs e Cias, não com o intuito de entregar os segredos das unidades aos bandidos – até porque estes conhecem do escancaramento de nossa infra estrutura –, mas para aplicar um sonoro e estridente “tapa na cara” de nossos comandantes incompetentes e arrogantes, que ante a balburdia e falência que instalaram na instituição, continuam a arrotar uma falsa pujança, sendo amparada pela secretária federal Regina “Miko”.
Inteira mentira, verdadeira temeridade!
Ontem à noite -- PELA SEGUNDA VEZ NO REINADO DE DÁRIO CESAR – mais um GPM foi invadido por criminosos. Desta vez foi o de ROTEIRO, pertencente a 1ª CIA Independente, sediada em São Miguel dos Campos. Bandidos, fortemente armados não encontraram resistência para adentrar na unidade policial, dominar os dois únicos policiais que faziam a “guarda” daquela unidade e subtrair todos os armamentos que lá se encontravam: Fuzis 7.62 Modelo Mosquefal, Metralhadora Cal. 9mm Taurus MT-12, Pistolas .40 Taurus modelo PT-100, Revolveres Cal. 38 e diversos coletes balísticos da carga da PMAL.
Anteriormente, além de ter invadido o GPM e roubado as armas, os criminosos para desmoralizar estes já desmoralizados comandantes, saíram arrastando um caixa eletrônico amarrado por correntes pela cidade. Desta vez foram mais benevolentes e apenas se limitaram a roubar o armamento da unidade.
Segue reportagem do Cada Minuto:
Criminosos invadem GPM de Roteiro e roubam armas e coletes
A ação de criminosos surpreendeu policiais, que estavam no Grupamento da Polícia Militar (GPM), no município de Roteiro, no Litoral Sul do estado, na noite desta segunda-feira (29).
De acordo com as primeiras informações, os bandidos roubaram o veículo Fiat Punto de cor prata com placa NLW-2908, e abandonaram a vítima nas proximidades da cidade e cometeram o assalto.
A Polícia Militar ainda não divulgou como ocorreu a ação dos bandidos, que levaram armas e coletes dos policiais. Foi feito um alerta geral na região na tentativa de capturar os envolvidos.”
Como proporcionar segurança à população em um GPM com apenas seis homens, revezando-se em uma escala de 1 por 2, onde 2 homens apenas tomam conta de uma cidade e ao mesmo tempo, dos bens da fazenda?
Vamos divulgar ainda esta semana o efetivo e escalas de todas as OPMs da PMAL, para que a sociedade fique ciente da forma criminosa em que esta instituição está sendo gerida.
É mais uma “bola fora” destes PATETAS que fazem da segurança pública desse Estado já miserável um campo “profícuo” e “exitoso” para a atuação de bandidos forasteiros, sem a mínima dificuldade a enfrentar, uma vez que a nossa PMAL encontra-se fraca, desmotivada e sem comando.
Bandidos 10, Dário (O “Tiririca”) e Dimas (O “Ninguém”) ZERO!
Precisamos eleger um Deputado Estadual para representar os nossos interesses!



ENEM 2012

Senhores, falta menos de uma semana para o início das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), e mais uma vez centenas de policiais militares da nossa Briosa Polícia Militar serão empregados na segurança das referidas avaliações.
Para ser mais específico, conforme foi esclarecido pelos oficiais que integram o BEF, “a missão da PM é ‘simples’: nós somos os responsáveis pelo recebimento, guarda, distribuição e recolhimento dos malotes, além da segurança externa”.
Até aí nenhum problema, pois “missão dada é missão cumprida”. Acontece que, como ocorre todo ano, haverá diárias, as quais serão pagas pelo MEC, e a maioria dos policiais não irá receber, como ocorreu no ano passado; e os que forem “agraciados” receberão apenas parte do valor integral.
Procuramos saber dos nossos colegas, policiais militares dos vizinhos Estados de Pernambuco e Sergipe (Comandantes de Unidades, bem como ocupantes de funções de assessoramento das suas instituições), se os policiais que forem trabalhar nas provas do Enem irão recebem diárias...  E as respostas foram quase que no mesmo sentido: “as diárias serão pagas pelo MEC, a PM [local] só vai repassar”.
A julgar pelo que vem acontecendo há alguns anos, aqui em Alagoas os militares que forem empregados serão – literalmente – roubados pelo comando; e eu, mais uma vez, estarei entre os lesados.
A imprensa alagoana, o Ministério Público (já que estamos diante da possibilidade de desvio do erário), o CONSEG (por inciativa do seu “cumpridor de metas”, o Dr Maurício Brêda), a Polícia Federal (já que envolve recursos federais), deveriam ficar de olho nessa situação, pois todo ano o dinheiro repassado pelo MEC não chega aos seus destinatários, que até reclamam, mas não são ouvidos. Quanto às provas dessa afirmação, basta solicitar da PMAL a relação dos militares empregados nos exames de 2011 pra baixo e os respectivos extratos bancários com a comprovação de depósito para os mesmos.
Já denunciamos aqui, na postagem “Detalhes sobre o esquema do ENEM” (clique aqui), os desvios que ocorrem com as diárias inerentes, e se, por hora, nada for feito quanto a isso, continuaremos a denunciar até que algo seja feito. “Água mole e pedra dura, tanto bate até que fura”.
Precisamos eleger um Deputado Estadual para representar os nossos interesses!



Greve: Um Direito Social do Militar

Sabemos, e reconhecemos, a necessidade de haver na sociedade um corpo de prontidão que garanta a cidadania e a dignidade da pessoa humana, como servidores especiais do Estado (União e Estados, entenda-se), sujeitando-se estes a um regime funcional e disciplinar diferenciado. Esta é a síntese do “ser militar” apregoado na constituição cidadã.
Desta ideia, e necessidade, aferimos que o legislador originário vedou a sindicalização e a greve ao militar.
Será?
Adentrando ao debate, ainda que aos militares lhes sejam proibidos a “manifestação social” e “a greve”, tais situações evidentemente acontecem na prática. Lembremos que em plena aurora republicana, na noite de 24 de março de 1964, marinheiros rebelados carregaram o Almirante Cândido Aragão – o “Almirante do Povo” – em aberto e claro levante social.
Em 1997, lembram os nossos amigos da PMMG que colaboram com este site, eclodiu o movimento grevista em junho daquele ano culminando num violento levante armado onde Policiais Militares “grevistas” e Policiais Militares que guardavam o QCG daquele Estado confrontaram-se, resultando na morte do Cabo Valério dos Santos Oliveira.
Aqui mesmo, em nosso Estado, estivemos muito próximos a um banho de sangue no mesmo ano, sendo impedidos pela sábia intervenção federal. Ocasião em que foi nomeado como Secretário de Segurança Pública o Coronel – da reserva remunerada – José Siqueira Silva, e como Comandante Geral da PMAL, o militar do Exército, Juaris Weiss Gonçalves.
Se é verdadeiro que os militares integram uma categoria especial, inconteste é que estes encontram-se no gênero humano, abarcando, desta forma, garantia plena de Direitos Sociais. Não há, pois, como não estender as proteções efetivas dos direitos sociais (entre eles a greve a sindicalização) ao universo militar.
Por este prisma, o legislador federal não descuidou-se e, ante ao cenário de movimentos grevistas pelo Brasil, editou a Lei nº 12.191, de 13 de janeiro de 2010, que concedeu anistia a vários policiais militares que participaram de movimentos grevistas reivindicatórios.
Embora não possamos afirmar que tal anistia reconheceu o direito de greve, doutra banda alinhou o entendimento à necessária proteção aos direitos humanos e sociais do sistema americano de direitos, isentando os punidos por lutarem pelos seus direitos.
Desta anistia, objeto de caso concreto, podemos afirmar que este é um sinal dos novos tempos, que já produziu efeitos jurisdicionais vinculantes, tendo o STJ produzido a seguinte decisão:
“HABEAS CORPUS PREVENTIVO. POLICIAL MILITAR DO DF. MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO POR MELHORIAS SALARIAS E DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO.
DENÚNCIA PELOS CRIMES DOS ARTS. 155, 209 C/C O ART. 30, II, 223, PARÁG. ÚNICO, 259 C/C OART. 261, I, C/C O ART. 53, TODOS DO CPM (INCITAMENTO À INDISCIPLINA, LESÃO CORPORAL LEVE CONSUMADA E TENTADA, AMEAÇA E DANO QUALIFICADO). PRESCRIÇÃO DOS DELITOS DE LESÃO CORPORAL E AMEAÇA. ANISTIA CONCEDIDA PELA LEI 12.191/2010. PROCESSO ENVIADO AO TJDFT EM RAZÃO DA ELEIÇÃO DO ACUSADO PARA DEPUTADO DISTRITAL. DECISÃO DO RELATOR AFASTANDO A ANISTIA EM RELAÇÃO AO CRIME DE DANO QUALIFICADO. CONSTRANGIMENTO ILEGAL VERIFICADO. DELITO PRATICADO DENTRO DO CONTEXTO DO MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO.
DESDOBRAMENTO DAS DEMAIS CONDUTAS. PARECER DO MPF PELA DENEGAÇÃO DA ORDEM. ORDEM CONCEDIDA, NO ENTANTO, PARA TRANCAR A AÇÃO PENAL INSTAURADA CONTRA O PACIENTE.
1. Se todas as condutas ocorreram dentro um só contexto e estão intimamente relacionadas ao movimento reivindicatório, sendo um verdadeiro prolongamento umas das outras, deve sucumbir a pretensão condenatória diante da anistia concedida por lei para os participantes do movimento.
2. É da natureza do ato de anistia ser interpretado com propósito inclusivo, não se harmonizando com a sua índole a exegese restritiva, para excluir do seu alcance condutas que são consectárias das expressamente visadas no ato anistiador.
3. Ordem concedida, para determinar o trancamento da ação penal instaurada em desfavor do paciente, não obstante o parecer ministerial em sentido contrário.
(HC 174.462/DF, Rel. Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO, QUINTA TURMA, julgado em15/02/2011, DJ de 09/03/2011)”
Desta forma, não há negar que o legislador brasileiro reconheceu aos militares a proteção dos seus direitos sociais, neles incluso o direito à greve.
Aos representantes de todas as categorias, tomem conhecimento, e, sobretudo, providências.
Precisamos eleger um Deputado Estadual para representar os nossos interesses!



Assédio Moral no ambiente de trabalho

Vejamos mais uma queixa contra o Major Pádua...
Senhores do BEF,
Recorremos a este blog, mais uma vez, para externamos o descontentamento contra o Major Pádua, o Chefe da Divisão Técnica de Ensino da (Ignorância Cavalar da) PMAL.
No dia 24/10/2012 começamos bem o dia. Às 06:45h estávamos em forma, as alterações já tinha sido tiradas, a tropa fez a sua marcha... Tinha tudo pra ser um dia normal... Podemos até dizer quer seria um típico dia de aluno.
No entanto, fomos convidados para uma missa no Auditório da APMSAM, para ouvir A Palavra de Deus; numa missa realizada pelo padre da nossa corporação, o Tenente Epitácio. Mas como aqui tudo é possível, haja vista que a APM/SAM é uma LOUCADEMIA de Polícia, o Major Pádua, “ele de novo”, o especialista em notícias péssimas, após a missa inventou de dar uma aula de cidadania e direitos humanos”  (para não dizer o contrário). Diga-se de passagem, ele não esperou nem o padre tirar a batina...
Nesse momento, o coitado do Araújo, aluno do CHOA, xerife da semana, pessoa educada, religiosa, que fala muito baixo, por sinal, quase é engolido pelo Major Pádua. E isso tudo ocorreu bem na frente do Tenente-Coronel Wilson, Comandante da nossa Loucademia, o Major Gaia, Comandante do Corpo de Alunos, dentre outros oficiais que também presenciaram a carga de estresse do Oficial com o aluno, que apenas estava informando sobre a ausência da professora de língua portuguesa.
Que lindo, a atitude do referido major foi exemplo para todos, digno de elogios, maravilhoso, magnânimo, aplausível, extremo, inigualável, formidável, altíssimo... Que oratória, que oficial invejável, sentimo-nos honrados em sermos seus pupilos. Tudo isso é para não dizer que o que aconteceu foi uma pá de esterco saindo dos grandes lábios daquele hipopótamo. Apesar de tudo, vamos sempre me espelhar nesse IGNORANTE, para não cometermos as mesas atitudes que ele.
Senhor Tenente-Coronel Wilson, de maneira alguma podemos sair oficiais qualificados e fortalecermos o espírito de camaradagem com esse tipo de formação. Nós, alunos do CHOA, podemos não ter sido matriculados na APM/SAM pelo merecimento intelectual oriundo de um vestibular, e sim de antiguidade, mas uma coisa é fato: somos mais antigos que os alunos CFO e das demais Praças, e por essa razão, bem como devido a ética policial militar insculpida no pilar da disciplina, jamais era para sermos tratados assim, como somos tratados frequentemente pelo Major Pádua, e sermos chamados à atenção na frente de nossos subordinados (Praças do PAA...). Comandante Wilson, um oficial estressado, que não sabe como tratar os alunos, para não dizer os pares, não pode pertencer a uma Unidade de Ensino.
Pra finalizar, vamos prestar uma última informação: chegou na APM/SAM um tenente pra comandar o CFO. O seu nome é Nyron. Esse militar, segundo informações de quem conviveu com ele quando era aluno aqui da academia, era muito folgado, mas agora está “botando pra moer”. Por sinal, além do tratamento humilhante que esse oficial impõe aos alunos, cada cadete teve de “adotar” uma janela das salas de aula, e assim, de cinco em cinco minutos, quando toca o sino os coitados correm para ficar limpando a mesma janela por cerca de meia hora...
Senhores, este é mais um desabafo nosso, os alunos da APM/SAM. Sabemos que os resultados dessas informações serão colhidos apenas pelas próximas turmas, mas não podemos nos calar com o que está acontecendo. A Tropa, e a sociedade em especial, precisa saber dessas coisas, ou seja, de como é a formação militar dos policiais que todos os dias lhes provem a segurança.
Amigos do BEF, admiramos a coragem que vocês utilizam para manter esse blog. Nós, que não aceitamos as coisas erradas que acontecem em nossa corporação, fazemos parte dessa família. Esperamos que vocês sejam sempre a voz dos injustiçados.
Nota: está claro e evidente que os alunos da APM/SAM estão sendo vítimas de Assédio Moral no ambiente de trabalho, o que trás reflexos não apenas para os mesmo como também para o Serviço Público e para a sociedade em geral, e esta foi a razão de divulgamos essa matéria hoje, 26 de outubro de 2012. Dito isto, às 09:00h, no Sindicato dos Bancários, Centro, Maceió–AL, estará ocorrendo um evento onde haverá uma mesa-redonda, cujo tema será: “Assédio Moral e suas Implicações no Serviço Público”. Os palestrantes serão o Coordenador Geral do Sindjus/AL, professor Marcus Robson Nascimento Costa Filho, a chefe do Setor de Saúde do TRT/AL, enfermeira do Trabalho e professora Socorro Alécio, os quais debaterão as questões jurídicas e de saúde das vítimas de assédio moral. Após a mesa-redonda, ocorrerá coquetel para os convidados.
Precisamos eleger um Deputado Estadual para representar os nossos interesses!



A prova da falta de efetivo‏ na PMAL

Só para demonstrar o que todos nós já sabemos e que os malas também sabem.
Suspeitos optaram pelo BB de Teotônio Vilela pela falta de policiamento
Dayvisson Rogério Idelfonsa de Bezerra e Daniel de Freitas Moraes foram presos no aeroporto de Maceió, quando tentavam fuga para Mato Grosso
A divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic) apresentou, na tarde desta quarta-feira (24), em coletiva de imprensa realizada na sede da Polícia Civil, em Jacarecica, dois dos suspeitos do assalto contra a agência do Banco do Brasil no município de Teotônio Vilela, ocorrido na madrugada da terça-feira (23). Ambos foram presos no Aeroporto Zumbi dos Palmares, tentando embarcar para o Estado do Mato Grosso e, um deles, já teve várias passagens pela polícia sob a acusação de roubo a instituições financeiras e contra estabelecimentos comerciais.
Dayvisson Rogério Hidelfonso de Bezerra e Daniel de Freitas Moraes, ambos de 25 anos e naturais de Mato Grosso, teriam sidos os responsáveis pelo uso do maçarico e pelo recolhimento do dinheiro que fora furtado dos caixas eletrônicos destruídos na ação delituosa, respectivamente.
“O Daniel, inclusive, é maçariqueiro. Ele confessou que já trabalhou numa funilaria e tem experiência de manusear, com facilidade, a ferramenta. Os dois já foram ouvidos na Deic e admitiram envolvimento com o crime. No momento em que foram presos, a polícia, além de recolher maçaricos, pés-de-cabra, botijões de gás (que poderiam ser utilizados para provocar explosões), dentre outras ferramentas, também encontrou as roupas utilizadas no furto qualificado. Nas imagens do circuito interno do banco, é nítida a identificação das camisas que a dupla estava vestindo”, explicou a delegada Ana Luíza Nogueira, coordenadora da Deic.
Com Dayvisson e Daniel foram apreendidos R$ 9,3 mil. “Acreditamos que todo esse dinheiro foi furtado dos caixas eletrônicos. Até notas chamuscadas (com queimaduras em parte da cédulas) foram encontradas, situação que normalmente ocorre quando o maçarico é utilizado. É importante esclarecer que a dupla é experiente na prática criminosa e por isso conseguiu efetuar o furto tão rapidamente. O Daniel, por exemplo, já tem passagem pela polícia e responde por várias acusações de assaltos e furtos lá no Mato Grosso”, disse a delegada.
Crime foi planejado no MT
Ainda de acordo com a Deic, os acusados, após assumirem ter participado do crime, contaram que haviam chegado a Alagoas na segunda-feira, que teriam se hospedado numa pousada na Praia do Francês e que o furto havia sido planejado ainda no Mato Grosso. “Eles já vieram para cá com o plano orquestrado e confessaram ter estudado várias agências de Alagoas, antes de escolher a de Teotônio Vilela. Até disseram que optaram por aquele alvo porque o município teria poucos policiais fazendo a segurança na cidade. E eles não agiram sozinhos. Tem um homem, por enquanto apenas identificado como Adriano, que seria da Bahia, que também tem envolvimento no delito. Ele conseguiu foragir, mas, estamos com o nosso Serviço de Inteligência tentando localizá-lo”, garantiu a coordenadora d a Deic.
A prisão aconteceu com menos de 24 horas após a ocorrência do furto qualificado. Agentes da Seção de Roubo a Bancos da Deic foram informados, pela Polícia Federal, da atitude suspeita de dois homens que tentavam embarcar para o estado de Mato Grosso. De imediato, os policiais, que já estavam em diligências na parte alta da cidade, dirigiram-se para o Aeroporto Zumbi dos Palmares e reconheceram os acusados. Eles foram presos na hora e levados para a sede da Divisão.
Fonte: Gazetaweb (clique aqui)
Por fim, cabe uma última observação sobre a falta de efetivo: os soldados oriundos do atual concurso público somente estarão atuando depois de um curso de formação que terá, aproximadamente, 11 meses de duração. Logo, a sociedade praticamente só poderá contar com os novos soldados em 2014, pois a previsão de início do curso de formação está agendada para fevereiro de 2013.
Mas essa não é a maior preocupação, pois se levarmos em conta que Alagoas tem 102 municípios, e se dividirmos os 1.000 soldados pelos mesmos, teremos um reforço de menos de 10 policiais por município. O que na prática não dará para nada (fora o fato de que os novos policiais levarão uns dois anos para desenvolverem o tino policial). Se o governo não abrir 5 mil vagas para soldados nos próximos 3 anos, a coisa vai ficar muito pior – e os malas sabem disso. Enquanto isso, alheios à falta de efetivo, os nossos comandantes fazem as suas reuniões, como se delas fosse surgir a solução que venha a compensar a carência de policias nas ruas.
Senhores, precisamos eleger um Deputado Estadual para representar os nossos interesses.


Paulo Brêda, “sua forma de agir perdeu o jogo”

Em 19 de setembro de 2011, o Dr Paulo Brêda, em seus primeiros momentos à frente do Conselho Estadual de Segurança Pública (CONSEG), mais especificamente em seu discurso de posse, destacou que “é preciso haver uma maior participação da sociedade no combate à violência”, e que “o governo não deve combater o alto índice de criminalidade apenas com polícia, mas com investimentos em políticas públicas”.
Na ocasião, apesar de notado no enfadonho discurso de posse que a participação da base tropa não fazia parte dos planos dessa nova gestão do CONSEG, eu quase acreditei que finalmente teríamos alguém que fosse mostrar serviço à frente de importante pasta. Ledo engano. Paulo Brêda, fora a mirabolante ação de “acabar com as regalias dos presos militares do GPMTB (Grupamento Policial Militar do Trapiche da Barra)”, o que fez com que os presos militares fossem conduzidos para o presídio Baldomero Cavalcante, quase sendo misturados com os presos “civis”, expondo-os ao risco de morte, nada mais fez! Durante o período de sua presidência, apesar de ter ficado mais de três anos como conselheiro antes de ser presidente, apesar de ter dito para a sociedade que “os problemas da segurança de Alagoas tem solução, como todos os problemas tem solução”, Paulo Brêda teve uma passagem apagada.
É, senhores... O Dr Brêda acreditou que “pudesse mudar o mundo”. Ele andou dizendo na imprensa que, após três anos de grande aprendizagem, se sentia qualificado para desempenhar altivamente a missão que lhe estava sendo confiada, não obstante tivesse reconhecido que a realidade atual é semelhante à de dez ou cinco anos atrás; com drogas, homicídios, assaltos... Não tendo mudado nada!
Eu poderia, aqui nesse momento, levantar inúmeras teses para revelar em quais pontos esse homem errou. Mas isso não será preciso. Ele já o fez. As postagens ao longo da existência desse blog apontaram inúmeras soluções para os nossos problemas, as quais foram ignoradas; não apenas pelo nosso comando, mas também pelo Dr Brêda (e os demais conselheiros). E se hoje nós (o BEF) fazemos críticas, é porque as nossas sugestões não foram ouvidas, ou seja, parafraseando uma de suas frases, nossas sugestões não foram postas em prática. Porém, se ainda assim me cabe dizer algo, eu devolvo ao Dr Paulo as palavras que ele “profeticamente” disse numa entrevista: “nós perdemos o jogo, a nossa forma de agir perdeu o jogo”. Vejamos o áudio da afirmação:


Por fim, quero deixar uma lição este advogado, que nem mesmo sabe quais são os níveis hierárquicos da PM, e nem mesmo a diferença entre posto e graduação: “se o governo realmente quiser combater o alto índice de criminalidade, antes de fazer investimentos em políticas públicas, deve investir em suas polícias, atendendo aos seus anseios”.
OBS: Ao longo dos 14 meses em que o Dr Paulo Brêda esteve à frente do CONSEG o efetivo da PMAL foi de 7.897 militares, para os atuais 7.328. Pena que “somente as regalias dos presos é que foram enxergadas por ele”.


Policial é preso por afirmar que “não é menino”

Antes de falarmos sobre o assunto que é o título dessa postagem convidamos os leitores que dizem – nos comentários das nossas postagens – que “perdemos o foco”, que “somos um blog de fofocas”, que “não apresentamos coisas que sejam de interesse da tropa”, que “não tratamos de questões salariais”... Que façam uma releitura das nossas postagens, em especial as de janeiro deste ano (o que fez com que o Coronel Luciano enviasse ofícios para a PGE solicitando providências em relação ao que estávamos instigando a tropa a fazer), assim como as de meados do segundo semestre do ano passado, para confirmar que sempre estivemos voltados para os anseios da tropa, conduzindo uma bandeira de lutas e reivindicações que poucos seriam capazes ou estariam dispostos a conduzir.
Sabemos o quanto somos indesejados por isso... Mas continuamos firmes e dedicados ao propósito de tentar melhorar a nossa corporação a cada dia. E se às vezes fazemos isso através de postagens que soam como fofoca, saibam de uma coisa: nós apenas reproduzimos para um grande público o que é de conhecimento de um pequeno grupo.
E a finalidade de fazermos isso, em meio à nossa bandeira de lutas, é justamente coibir a continuidade do comportamento revelado (o que, na maioria das vezes, surte efeito). Nesse sentido, vamos revelar uma fofoca, ops, uma informação que foi enviada para o nosso e-mail, sobre algo que aconteceu em Novo Lino.
“Senhores, o Soldado Lúcio, lotado na 2ª Cia/IND em Novo Lino, foi preso na manhã de hoje por ter dito algo ao 1º Tenente Luciano, lotado na mesma Cia, que não gostou da afirmação do soldado, que teve posto em dúvida a veracidade de suas palavras. No caso, o soldado teria afirmado ‘não ser menino, para estar com mentiras’, e isso foi o bastante para o mesmo fosse punido com seis  (06) dias de prisão.
Ressalte-se que o Soldado Lúcio estava destacando na cidade de Campestre quando recebeu a ligação do oficial que perguntou ‘se o seu companheiro havia chegado’, ocasião em que o soldado lhe informou que ‘sim’. Diante dessa afirmação o oficial mandou que ele passasse o telefone ao referido policial, então o soldado disse que ‘não seria possível, pois o seu companheiro não estava no GPM e a guarnição estava em ronda’. O oficial, demonstrando não ter acreditado na informação recebida, mandou que o subordinado retornasse a ligação (do telefone do GPM).
O soldado, por ter sua palavra posto à prova, afirmou ‘não ser menino para estar com mentira’, e isso foi o bastante para que ele fosse punido com seis dias de prisão.
É inaceitável que fatos como esse venham acontecer. Como se já não bastasse o dia a dia dos policiais que estão na linha de frente no combate à criminalidade, os mesmos ainda têm que conviver com as injustiças cometidas por alguns que fazem da nossa Policia Militar um dos piores lugares para se trabalhar. Um lugar onde a grande maioria dos policiais são mal remunerados, desmotivados, usam estrutura logística e física sucateadas, subordinados a superiores hierárquicos que na grande maioria das vezes desviam a finalidade da Polícia Militar quando se tornam subservientes ao poder de políticos, ou então de suas próprias ambições. Em meio a tudo isso, ainda querem dedicação da base, ainda querem uma polícia nos moldes do regime ditatorial (voltada para o Estado) em um país que se coloca como democrático.
A livre manifestação de pensamento e expressão não deve ser confundida com desobediência, desrespeito e desordem.”
A punição está contida no BGO nº 184, de 27 de setembro de 2012 (páginas 28 e 29).



Dois pesos e duas medidas

Ainda sobre as Eleições 2012... A situação que tomei conhecimento é, como diriam os mais exaltados, “uma tremenda cara de pau” do nosso Comandante Geral, o Coronel Dimas, que ao contrário do que estão afirmando por aí, age com dois pesos e duas medidas.
No domingo 07 de outubro, dia das eleições para vereadores e prefeitos, aconteceram situações complicadas em nosso Estado, as quais envolveram oficiais superiores da nossa corporação. Na cidade do Pilar, por exemplo, o Tenente-Coronel Elvandro era quem mandava no policiamento local, apesar de não estar de serviço. E ele agiu às claras, sem se importar que todo mundo ali observasse. De acordo com os informes que chegaram ao meu conhecimento, o Tenente-Coronel Elvandro fez boca de urna, pressionou eleitores, vendeu voto, porém, nada foi feito pelo Comandante Geral para freá-lo em suas ações. Diga-se de passagem, o Elvandro, que é nascido e criado ali no Pilar, pintou e bordou para eleger Carlos Alberto Canuto prefeito e seu sogro Acácio Serafin como vice-prefeito.
Mas como é que essas informações chegaram ao meu conhecimento? Explico. Foram feitas várias denúncias aos policiais de serviço naquela cidade, que nada puderam fazer, devido ao posto da autoridade em questão. E olha que até o Ministério Público e a Polícia Federal foram informados da situação, mas, sabe-se lá por qual motivo, não deram o flagrante. Um absurdo.
Já em Passo de Camaragibe, o Tenente-Coronel Do Valle, que não faz parte da panela do grupo do Secretário de Segurança Pública, Dário Cesar e cia, estava (também fora de serviço) por ali pedindo voto para um candidato a prefeito, pois, como é ligado ao grupo do prefeito da capital, Cícero Almeida, por estar lotado na AM/PMM, estava defendendo algum interesse pessoal. Contudo, com o Do Valle o tratamento do Comandante Geral foi outro. O Coronel Dimas mandou abrir uma sindicância para apurar os fatos contra ele, que certamente será punido.
Acredito que “o pau que dá em Chico também deveria servir para Francisco”, ou seja, o Comandante Geral deveria ter aberto o mesmo procedimento para o Tenente-Coronel Elvandro, ato que se não for feito será passivo de enquadramento por prevaricação, por parte do Coronel Dimas.


Blog da Reserva Técnica da PMAL

Senhores, meu nome é Danilo Nascimento. Faço parte da comissão da reserva do concurso de 2006. Não se espantem, ainda tem gente oriundo do concurso de 2006 lutando pra entrar na Polícia Militar de Alagoas. Somos aproximadamente 600 pessoas com ações individuais e coletivas, com a mesma fundamentação da Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público, registrada sob o nº 0030199-88.2011.8.02.0001.
Estamos na luta desde 2010, e recentemente nos reunimos recentemente com a Secretária Nacional de Segurança Pública Regina Miki (clique aqui). Desde então estamos aguardando o retorno dela, para conversarmos com o governador e seu “cão de guarda” Dário Cesar.
Parabéns pela luta e, se Deus quiser, logo logo estaremos lutando juntos pela Polícia Militar e pelo Estado de Alagoas que tanto amamos!
Fonte: recebido por e-mail.


Comando da PMAL ordena invasão de domicílios

“A casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial.”
(Art. 5º, XI, da Constituição da República)
Responda sem tergiversar: existe outra possibilidade de se entrar na casa de alguém, seja esse alguém civil ou militar, fora das prescrições da Constituição Federal de 1988, acima?
Vamos repetir as condições para o poder público poder entrar na casa de uma pessoa:
1. Flagrante delito ou desastre;
2. Prestar socorro;
3. Por determinação judicial, durante o dia.
Mas analise também a determinação do inciso X do mesmo artigo 5º:
São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.”
Mas, na PMAL, o comando criou outra condição de invadir o lar e a privacidade das pessoas: através da “visita” domiciliar do quadro de “saúde” na casa dos policiais de licença médica, via assistentes sociais:
A licença médica é um direito do ser humano, e, no caso dos militares de alagoanos, é prevista no Estatuto dos Policiais Militares do Estado de Alagoas (Lei 5.346/1992).
Acontece que o Estatuto da PMAL não estabelece as tais “visitas” em nenhum caso, seja por motivo de LTS ou de licença para acompanhar tratamento de pessoa da família (LTSPF) ou qualquer outro. Se o Estatuto estabelecesse, seria simplesmente inconstitucional.
Se o Comando Geral – exatamente igual a quaisquer outros gestores do Estado – só pode fazer o que a lei determina, as visitas são escandalosamente ilegais.
A coisa vem piorando a cada dia, porque os militares da briosa se calam diante dos abusos. Quem determina o afastamento por motivo de saúde é um médico. Se o militar, por si só, alegar que tá doente, sem atestado médico, vai levar a famosa “cipoada”. Então, qual é a utilidade e o propósito da “visita de oficiais” na casa do militar doente, se o médico já atestou o tipo de doença e o tempo de afastamento? A utilidade é nenhuma, mas o propósito é óbvio demais: frustrar os militares no seu direito mais sagrado à vida e à saúde, dificultando o atendimento e o acesso ao serviço.
“É só para dificultar a vida dos folgados”, disse um oficial do Alto Comando quando foi indagado por uma oficiala médica sobre o tal requerimento para homologar atestados e a constrangedora visita domiciliar.
Se o militar está doente, é a Junta Médica que tem que avaliar. E isso deve ser feito no Hospital da PM. Para isso existe uma Junta Médica. Por conta da “hierarquia e disciplina” fora da lei, os militares, com medo, tem permitido essas invasões de oficiais capachos e subservientes do comando. O Coronel Luciano implantou e o Coronel Dimas, que tinha tudo pra acabar com isso, piorou a coisa.
Se houvesse de fato interesse em apurar “macetes”, o comando mandaria investigar a situação de vários oficiais que hoje estão “reformados” por “acidente de serviço”, pois foram julgados “inaptos para o serviço da PMAL”. Só que agora muitos são advogados que sobem correndo as escadas do Fórum de Maceió todos os dias, ou vivem trabalhando normalmente em outros serviços. Isso a Junta Médica, nem a P2, nunca investigou nem determinou “visita domiciliar”.
Então, caros amigos leitores, se algum oficial chegar na casa de vocês para fazer a tal “visita”, NÃO DEIXEM ELE ENTRAR, e chamem a polícia. Se ele insistir em entrar, peguem o testemunho de dois vizinhos ou parentes, e gravem a conversa para anexar ao Boletim de Ocorrências. Depois, comuniquem ao Comandante de sua Unidade, prestem uma queixa no MP e outra na delegacia (Polícia Civil), alegando:
INVASÃO DE DOMICÍLIO;
CONSTRANGIMENTO ILEGAL;
VIOLAÇÃO À INTIMIDADE DE SEU LAR;
ABUSO DE DIREITO.
É isso, ou continuar de cabeça baixa, levando porrada e sofrendo humilhações. Você escolhe!


“ESTAMOS SEGUROS”

O telefone 190 não para de tocar. As “Bases Comunitárias” funcionam dia e noite, todos os 365 dias do ano.
As viaturas rodam diuturnamente, massacrando os policiais em escalas absurdas de 12 x 36 sem direito a nenhum fim de semana completo com a família. Os batalhões diminuíram o pessoal de expediente.
...O Palácio de Vidro “devolveu” 90 policiais para as ruas!
O Estado deve “comprar” 77 câmeras ao preço módico de quase 10 milhões de reais (elas são caras assim porque, imagine só, 77 câmeras para monitorar mais de 500 km² da capital alagoana).
Os recrutas empolgados da Rádio Patrulha ainda acham que podem salvar o mundo com uma viatura ostensiva das mais mixurucas e algumas pistolas, nada mais. O BOPE ainda é “osso duro de roer, pega um, pega um geral, também vai pegar você”.
O comandante do CPC não dorme mais de tão “preocupado” com os índices de violência. Os comandantes de unidades são os seus oficiais de “confiança, os “mais preparados” do Brasil.
Os delegados de Alagoas são os melhores e mais bem pagos do mundo.
O governador ainda é o Teotônio Vilela e o Secretário de Defesa Social, o Dário César.
Em suma, o povo de Alagoas tinha tudo pra tá vivendo em um “mar de tranquilidade”. E quem assiste propaganda do governo, nossa senhora, realmente tem tudo e algo mais pra se sentir muito mais seguro. O marqueteiro de Téo Vilela é um gênio: nem a polícia de New York aparece tão bem na fita.
Mas, infelizmente, a realidade é um “mar de sangue”, que banha de vergonha o povo de Alagoas. São mais de 160 assassinatos por mês. E o povo alagoano ainda fica assustado com os episódios de terror no Iraque, na Síria e outras nações “violentas”. “Aquilo lá é lugar de doido”; “Deus me livre de morar num país assim”... É o que gente ouve todos os dias do povo ingênuo de Alagoas.
E aqui, é um lugar comum? É menos perigoso do que o Iraque, por exemplo?
Quase 1.500 pessoas assassinadas até o mês de setembro deste ano. Não dá pra ficar chocado com a violência de outros países. “O Haiti é aqui”.
Somos hoje uma terra sem lei. A terra dos bárbaros, onde se mata mais gente do que em 97% de todos os lugares do mundo. E olhe que o mundo é grande.
Enquanto isso, o chefe do Poder Executivo se comporta como a maioria dos técnicos de futebol da seleção brasileira: insiste deixar em campo (do “combate” à violência) uma equipe que não ganha uma só partida contra os adversários.
Derrota atrás de derrota, e as mesmas figurinhas estão lá, batendo cabeça dentro do “jogo”.
O técnico do Poder Executivo não tá nem aí pra sua torcida.
A alegria dele é às avessas; vive a comemorar derrotas. Seu “time” só ganha nos treinos, mas ele comemora como se fosse a partida pra valer...
O Téo Vilela e seu assistente-técnico, Dário César, mesmo não ganhando nenhum round na luta contra o crime, são ovacionados pelos outros poderes de Alagoas e pela sociedade civil – elitista – organizada de nossa província.
MP, Judiciário, Legislativo, OAB... Todos aplaudem de pé as grandes derrotas do governo de Alagoas.
É só você analisar a decisão judicial que mandou prender o presidente do Sindicato dos Médicos, enquanto os corpos de pessoas apodrecem no “IML”.
O governo descumpriu o acordo com os médicos e “perdeu” a batalha contra a vergonha que é o IML; a greve é legal, mas o magistrado está lá, na arquibancada, aplaudindo efusivamente os derrotados que derrotam Alagoas.
Enquanto isso, a PM capenga, a Polícia Civil agoniza. Os policiais recebem menos e trabalham mais do que os Guardas Municipais, mostrando que a prefeitura tem o respeito pela segurança que o Poder Executivo Estadual nunca teve.
Mas tudo isso que foi dito aqui, é “balela” pros “chefes” do governo e da SDS. É coisa da “oposição”.
Milhares de mortos na “Alagoas de Graciliano Ramos” é coisa da “oposição”.
É, parece que o capeta é quem governa Alagoas...
Porque, governador, de boas intenções e mentiras, O INFERNO TÁ É CHEIO.



Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver