Sargento Júnior (outra estística...)

Cada pessoa que é assassinada representa uma estatística para o Estado – uma estatística negativa, para ser mais preciso. Mas para os entes familiares das vítimas, a morte representa mais que uma estatística. Representa uma dor, uma perda, uma ausência... E o Estado vilipendia a dor das famílias. Ou melhor, “O Estado” em si é alheio a isso. O Governo do Estado, e aí se inclua os deputados, prefeitos municipais e os edis de cada município, é que são alheios ao caos em que vivemos.
E a cada assassinato, a cada crime de menor potencial ofensivo, vemos o quanto as nossas autoridades políticas são alheias à nossa triste realidade. Foi assim com os dados estatísticos referentes aos mais de 400 assassinatos desde o começo do ano até agora, e será assim com os próximos mortos; os quais, presumo, deverão passar novamente dos mais de 2.000 assassinatos. Então, se nem com os assassinatos ele se importam, quem dirá com os crimes de menor potencial ofensivo?
Quem ainda espera que as nossas autoridades, enfim, se mobilizem, já deve ter ficado frustrado com tamanho atraso por providências. Porém, ainda assim todos nós estamos ansiosos pelos resultados prometidos, isto é, estamos ansiosos pela redução da criminalidade, ainda mais quando são investidas verdadeiras fortunas justamente para combater a criminalidade.
Mas como a segurança pública em nosso Estado não é tratada com seriedade, apesar da montanha de investimentos, infelizmente, por muito tempo ainda continuaremos sem ver resultados efetivos. Enquanto isso, continuaremos padecendo a cada investida marginal ou a cada omissão governamental. E esse não é um “privilégio” apenas da sociedade.
No nosso caso em específico, quando não somos vítimas dos marginais, ou da omissão governamental, ou do assédio funcional dos nossos superiores hierárquicos no ambiente de trabalho, somos vítimas dos nossos próprios colegas de profissão, tal qual aconteceu com o Sargento Manoel Alves Ferreira Júnior, 43 anos – que foi baleado por outro sargento em Santana do Mundaú, e acabou falecendo.
De acordo com as testemunhas, o Sargento Júnior foi baleado pelo Sargento Diógenes Batista de Lima, na tarde de ontem, sexta-feira (22.02), em Santana do Mundaú, mas não resistiu ao pós-cirúrgico e morreu nas primeiras horas da madrugada deste sábado.
Ele foi atingido no abdome e na perna e um dos projéteis perfurou o seu intestino, o que fez com que ele tivesse hemorragia interna. À noite, assim que foi concluída a intervenção cirúrgica, os parentes receberam a notícia de que o sargento estava bem e não iria necessitar sequer de ser levado para a Unidade de Terapia Intensivo (UTI).
O Sargento Diógenes é irmão do Subtenente Antônio Neto (que está preso há alguns anos, por ter participação no grupo de extermínio “Os Ninjas”), fugiu logo após o crime e ainda não foi localizado. Tanto o Diógenes quanto o Júnior, que era lotado no Batalhão de Radiopatrulha (RP) de União dos Palmares, sempre foram do 2º BPM.
Que Deus console a família do Sargento Manoel Alves Ferreira Júnior! E quanto a nós, que Ele nos perdoe, pois vamos procurar exorcizar um espírito de porco!

17 comentários :

Anônimo disse...

Assassino e vítima cresceram juntos, jogavam futebol nas mesmas equipes, e se encontraram também na vida militar servindo na mesma base. Pela convivência a tragédia jamais seria imaginada.

Anônimo disse...

O crime ocorreu após discussão entre ambos. O agressor teria feito insinuações sobre a vida conjugal da vítima e esta não gostado e revidado. Os irmãos do sargento morto estão inconformados e esperam que o criminoso seja “preso”.

Anônimo disse...

O crime, de acordo com levantamentos, aconteceu após o assassino ter feito insinuações sobre a vida conjugal da vítima, que não gostou e foi tomar satisfação.

Anônimo disse...

A confusão foi registrada no “Bar do Tonho Dantas”, em um dos trechos da Rua da Jaca, na cidade de Santana do Mundaú e teria sido presenciada por várias pessoas.

Anônimo disse...

Júnior ainda foi levado com vida até o Hospital Regional São Vicente de Paulo, em União dos Palmares, de onde foi transferido para o Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, onde não resistiu aos ferimentos e morreu.

Anônimo disse...

Diógenes – o acusado – é irmão do subtenente Antônio Neto preso desde o ano de 2006 após investigações que comprovaram sua participação em um grupo de extermínio conhecido como “Os Ninjas” e que atuava em União dos Palmares. O bando criminoso era formado em sua maioria por policiais militares e foram presos após terem assassinado dezenas de pessoas.

Sgt Braz disse...

meus pêsames a família desse jovem sargento, quando tomei conhecimento do fato, fiquei estarrecido, já não basta, perder nossos irmãos de farda, para a marginalidade, agora, estamos perdendo para um sargento da reservada, que por motivo fútil, seivou a vida do seu companheiro da ativa. Sgt Junior, descanse na Paz do Senhor Jesus Cristo, e que aonde estiveres, estaremos aqui orando por vós.

Sgt Braz disse...

que DEUS conforte a família do Junior.

Sargento Martiniano disse...

Nós do Pelopes/2º BPM, queremos externar nossas condolências pelo lamentável falecimento do Sargento Júnior, pois por certo, não perdemos apenas um companheiro de farda, mas um homem íntegro, bondoso e companheiro. E que o nosso Deus conforte a todos que passam por esse momento doloroso, e que lhe seja concedido o descanso celestial.

Anônimo disse...

Hoje(23/02/13) no IML MACEIÓ estão 14 - isso mesmo quatorze - CORPOS para serem necropsiados, em uma tarde em condições pessimas. Sem efetivo suficiente. Por mais que o Governo Federal ajude a "DESGRAÇA" do (des)governo estadual não faz nada. Uma simples obra de apenas um mês no CCBI JA DURA 6 MESES. É desumano como se faz 14 necrop. em 5 horas?

Anônimo disse...

QUANTO AO ASSASSINO SER IRMÃO DO TEN NETO, NÃO TEM NADA A VER. CADA UM PAGUE PELOS SEUS ATOS. QUE SEJA DADO AO MESMO O CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA.

Danielle Silva disse...

Violência: Quatro tentativas de assassinato são registradas pela PM

Além dos dois homicídios registrados no município de Maceió, na noite de sábado e madrugada deste domingo, a Polícia Militar registrou quatro tentativas de homicídio, sendo três na capital e uma na região Metropolitana de Maceió.

Segundo dados do relatório do Centro Integrado de Operações da Defesa Social (Ciods) divulgados na manhã desta domingo, 24, foram vítimas de tentativa de homicídio:

Jonatan Douglas Silva Santos, 18 anos, residente no bairro do Cleto Marques Luz. Este foi atingido por um projétil no ombro. O causado não foi identificado.

Outra vítima foi um homem conhecido apenas como Dorgival, 46 anos, morador de rua. Segundo a polícia, a vítima foi atingida por um tiro no abdome, por um indivíduo não identificado. O fato ocorreu ao lado do Hospital Universitário (HU), por volta de 2h da manhã de hoje.

Em Santa Luzia do Norte, região Metropolitana de Maceió, policiais da Guarnição Motorizada do município foram acionados por populares após o atentado contraFranklin Marcelino Silvestre, 22 anos. A vítima foi atingida na perna e abdome, próximo à unidade de saúde da cidade.

O quarto atentado aconteceu no conjunto Village Campestre, próximo a um posto de combustíveis. Paulo Nascimento, 29 anos, foi atingido por quatro disparos de arma de fogo, na cabeça e ombro. A ocorrência foi atendida por policiais do BPesc (Batalhão Escolar).

As vítimas foram encaminhadas ao Hospital Geral do Estado (HGE) por equipes do Samu.

Dulce Melo disse...

Sargento assassinado é sepultado sob comoção e honrarias

A cidade de Santana do Mundaú parou na manhã deste domingo (24) para se despedir do sargento Manoel Francisco Ferreira Júnior, 43. O clima de muita dor e tristeza se espalhou entre familiares e amigos. Policiais do 2º Batalhão, onde ele era lotado, bem como o comandante da unidade, tenente-coronel Araújo, prepararam honrarias com salva de tiros, mensagens e toque com corneta. Sob o caixão, a bandeira do seu time de coração, o Flamengo.

Centenas de pessoas se concentraram na casa do sargento desde a noite do domingo (23) e a Rua Dr. Muniz Falcão ficou tomada. O trânsito foi desviado. Júnior era muito querido na cidade. Todos rezaram e oraram por ele num momento em que era percebida a sua importância na família. O filho do militar, Romário, de 18 anos, não conseguiu se conter durante todo o cortejo e suas palavras eram comoventes: "painho, o que vou fazer sem você? Eu preferia que você me enterrasse. Com quem vou conversar na calçada, quem vai ser meu companheiro? Você era um homem tão digno, meu pai, não merecia morrer assim", falava aos prantos.

O Sargento Júnior era considerado pacato e de boa índole.

Muitos colegas de farda, filhos da cidade, foram à despedida, inclusive o sobrinho do assassino que era muito amigo da vítima. A irmã de Júnior, Ana Maria, falou em nome da família, ainda na casa do sargento, logo após as orações feitas pelo capelão da Polícia Militar, enviado pelo Comando para as homenagens.

"Meu irmão era um homem digno, um bom pai, um grande amigo. A nossa dor é muito grande, mas não faz parte da nossa família a vingança. Antes de morrer, Júnior falou com o cunhado e pediu para não vingarmos nada, caso morresse, porque quem atirou, disse ele, era seu amigo. Ele o perdoou. Esperamos pela justiça divina, mas, não vamos negar que também queremos a dos homens. Nosso irmão foi morto covardemente. Quem matou Júnior não matou somente ele, levou um pedacinho de cada um. Que ele seja encontrado para não acabar com mais famílias. Sabemos da sua honestidade, meu irmão, e de como se sentia honrado vestindo essa farda", falou chorando, Ana Maria.

Enquanto o cortejo passava, pessoas formavam 'muros' humanos nas laterais das ruas. No cemitério, o Pelotão de Operações Policiais Especiais (Pelopes) rendeu homenagens com salva de tiros. Um primo de Júnior, Adriano Cardoso, leu uma mensagem e o irmão Jurandir fez uma declaração. Um aplauso extenso foi ouvido.

Fonte: Correio de Alagoas

Anônimo disse...

Se nossos PMs tivessem um plano de saude digno, muitas vidas seriam poupadas. Nosso dignissimo governador nem em sonho toca nesse assunto. Esse plano de metas a serem atingidas pela Seds, eh uma utopia, maquiagem pura, para camuflar a situacao caotica em nosso estado.

GRUPO DE PESQUISA EM SEGURANÇA PÚBLICA - GPSEG disse...

Índices de homicídios estão sob suspeita em AL Violência: greve no IML, em 2012, interferiu nos dados oficiais

A redução do número oficial de homicídios cometidos em Alagoas no ano passado foi comemorada pelo governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) e demais integrantes do governo estadual como resultado da implantação do programa federal Brasil Mais Seguro. Mas a população alagoana ainda não sente a sensação de segurança que as ações oficiais desejam proporcionar. E o medo ainda persiste, apesar de ações repressivas inovadoras, como os sobrevoos de helicópteros das polícias, bancados por recursos do programa lançado em junho de 2012.

A desconfiança é outro sentimento despertado nos alagoanos, após a divulgação de uma queda de quase 10% do número dos chamados crimes violentos letais e intencionais (CVLI) no ano passado, com relação a 2011.

Para ilustrar que as dúvidas têm razão de existir, a Gazeta revela nesta reportagem o trecho de um relatório técnico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), publicado em dezembro de 2012, que atribui às paralisações dos médicos legistas do Instituto Médico Legal (IML) a redução de 14,89% do número de homicídios, obtida no primeiro semestre após a implantação do Brasil Mais Seguro.

“Outro fato relevante que contribuiu para a redução do número de óbitos foi a paralisação dos médicos legistas entre os meses de junho a setembro, sendo autorizado pela Justiça o sepultamento dos corpos, mesmo sem a definição da causa mortis”, diz o trecho do Informativo Técnico da Sesau, que expõe dados tabulados até o dia 10 de dezembro de 2012.

Anônimo disse...

Policiais militares 'caçam' colega de farda acusado de crime Manoel Alves foi morto a tiros supostamente pelo 'amigo' Diógenes Batista, em Santana do Mundaú

Revoltados com o bárbaro crime registrado no fim de semana, colegas de farda do sargento Manoel Alves Ferreira Júnior, 44 anos, 'caçam' o principal acusado pelo assassinato em Santana do Mundaú: o militar da reserva Diógenes Batista de Lima. Os dois eram amigos e bebiam em um bar daquela cidade, quando uma discussão resultou na morte de Manoel. A vítima atuava no 2º Batalhão de Polícia Militar (BPM).

O comandante do 2º BPM, André Araújo, disse à Gazetaweb que vítima e acusado se conheciam eram vizinhos e se conheciam há muitos anos. “Desde o dia do crime que realizamos buscas para tentar localizar o Diógenes. Já estivemos em União dos Palmares, mas ainda não obtivemos êxito. O sargento Manoel era um rapaz honrado. Todos nós do batalhão ficamos muito tristes. A dor da família dele é nossa também”, declarou o comandante.

As informações da Polícia Civil dão conta de que o motivo do crime teria sido fútil. Nesta terça-feira (26), o delegado Valdeks Pereira começa a ouvir as primeiras testemunhas do caso. “É prematuro falar sobre o motivo, ma,s pelo que ficamos sabendo, eles estavam bebendo e discutiram no local, antes do crime. A princípio, o motivo foi fútil”, relatou o delegado.

Valdeks Pereira disse também que ainda vai decidir se pede a prisão do militar acusado pelo crime durante o inquérito policial ou após a conclusão dos trabalhos. “Vou convocá-lo para ser ouvido sobre o caso. Amanhã começo a ouvir as testemunhas”, emendou.

A assessoria de comunicação da PM, por sua vez, informou que, paralelamente ao inquérito policial instaurado pela Polícia Civil, o militar vai responder a procedimento administrativo na corporação. Manoel Alves, o 'Júnior', faleceu no último sábado (23), no Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, para onde chegou a ser socorrido.

Fonte: Correio de Alagoas disse...

Sargento acusado de matar colega se entrega em União dos Palmares

O sargento Diógenes Batista de Lima, acusado de matar o colega de farda sargento Manoel Alves Ferreira Junior, em Santana do Mundaú, acaba de se entregar e se apresenta ao comando do 2º Batalhão em União dos Palmares. De lá, ele foi levado para a Delegacia Regional de União dos Palmares, onde está sendo ouvido neste momento pelo delegado Valdecks Pereira.

Por determinação do juiz de União dos Palmares, Diogenes Batista será transferido para Maceió onde ficará no módulo do presídio Baldomero Cavalcanti, que acomoda somente militares.

Relembre o caso

Diógenes Batista é acusado de matar Manoel Alves, conhecido como sargento Júnior, no último dia 22 de fevereiro. O crime ocorreu no Bar do Tonho, em Santana do Mundaú. Diógenes empreendeu fuga assim que efetuou quatro disparos contra o “amigo”, após um bate-boca rápido.

Segundo testemunhas, ele teria confirmado que a vítima estava desarmada foi em casa e pegou a arma utilizada no crime. No bar, Júnior foi surpreendido. Um policial da Radiopatrulha, que é da cidade, ainda tentou evitar a tragédia empurrando o braço do acusado para cima. A princípio obteve êxito e o primeiro disparo atingiu o teto, porém não houve como conter o criminoso.

A vítima recebeu os primeiros atendimentos em União dos Palmares, depois passou por cirurgia no Hospital Geral do Estado (HGE) , mas morreu oito horas depois.

O crime chocou e revoltou a população da pacata cidade alagoana. Vítima e acusado cresceram juntos, praticamente, e ambos eram de famílias tradicionais da cidade. Júnior era filho do ex-prefeito conhecido como 'Nezinho fiscal ' e também da ex-vereadora Teresinha Cardoso.

Júnior deixou dois filhos, Romário e Manoela, esta última ainda em estado de choque.

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver