Adicional noturno, insalubridade e hora extra

Quanto recebe um delegado da Polícia Civil em Alagoas? Quanto recebe, exatamente, eu não sei. Contudo, segundo o edital do último concurso da Polícia Civil, o subsídio inicial do delegado substituto (durante o estágio probatório) é de R$ 12.593,22.

E você acha que eles, os delegados, estão satisfeitos com este salário? Eu acho que não, e como fundamentação apresento a seguinte informação:

Justiça manda governo pagar adicional e horas extras aos delegados

A ADEPOL (Associação dos Delegados de Polícia de Alagoas) comemora a publicação, no último dia 18, na edição 890 do Diário Oficial do Estado, páginas 82 a 87, da sentença proferida pela juíza Esther Manso reconhecendo que os delegados têm direito a adicional noturno, inclusive quanto às horas prorrogadas.

Foi o que a Juíza decidiu, em outubro do ano passado, ao julgar ação ordinária de cobrança impetrada pela associação.

Cabe recurso, mas se perder o Estado será obrigado a pagar os valores devidos retroativamente a pelo menos 10 anos.

O Estado de Alagoas contestou, alegando a impossibilidade de pagar adicional aos 112 associados da ADEPOL. Por quê? Veja se advinha!

Isso mesmo. Alega o governo que os delegados não recebem o que têm direito em virtude da Lei de Responsabilidade Fiscal. Sempre ela!

O presidente da ADEPOL, Antônio Carlos Azevedo Lessa, sabe que não basta essa decisão da magistrada, titular da 16ª Vara da Capital (Fazenda Pública) para que o direito seja financeiramente reconhecido. Cabe recurso e, mesmo mantida a sentença, a luta será árdua para executá-la.

Mas ele sabe também que, enquanto espera, poderá provocar muita dor de cabeça no governador Teotônio Vilela Filho.

E quanto vai receber cada um dos delegados? Bom, isso será determinado quando da liquidação de sentença.

Nessa valorosa causa a ADEPOL avança sob o comando do advogado Fábio Barbosa Maciel. Já o Estado de Alagoas é defendido pelo procurador Eduardo Valença Ramalho.

Fonte: Site da ADEPOL (clique aqui e clique aqui)

Diante do exposto, o amigo briosiano pode arguir que os delegados somente conseguiram tal façanha – prevista na CLT – porque eles, embora policiais, exercem função de natureza civil... Sendo assim, vamos a mais esta informação:

PM de São Paulo terá correção do Adicional de Insalubridade

Neste mês de abril, o Adicional de Insalubridade da PM de São Paulo voltará a ser calculado com base no salário mínimo em vigor no país. Isso quer dizer que o valor passará para R$ 436,00, tendo um ganho de R$ 64,00.

Isso foi possível devido ação movida pela Associação de Cabos e Soldados da PMSP. Que faz mais que sua obrigação, ao lutar por seus associados. A Procuradoria Geral do Estado entendeu que a correção deve ser estendida para todos os policiais militares, ativos, inativos e pensionistas. Ou seja, o oficialato de São Paulo deve agradecer aos Cabos e Soldados por essa diferença na xepa.

Também será pago o valor de R$ 192,00 referentes aos pagamentos do 13º salário, dezembro, janeiro e fevereiro, conforme demonstrativo:

Diferença
Valor pago
Valor corrigido
Diferença
Dez/2010
R$ 372,00
R$ 408,00
R$ 36,00
13º Salário
R$ 372,00
R$ 408,00           
R$ 36,00
Jan/2011
R$ 372,00
R$ 438,00           
R$ 60,00
Fev/2011
R$ 372,00
R$ 438,00           
R$ 60,00
Valor dos atrasados a receber: R$ 192,00.

Pensa que acabou? Então veja mais estas informações:

Estado deverá aumentar adicional de periculosidade de agentes

Agentes penitenciários recebiam o adicional com base de cálculo no salário mínimo.

O Estado de Alagoas deve implantar o adicional de periculosidade aos agentes penitenciários tendo como base o salário recebido por eles e não mais o salário mínimo. Decisão foi mantida pelo desembargador Eduardo José de Andrade, integrante da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL).

“Neste momento, tenho por certo que não estão presentes o fumus boni iures e o periculum in mora, requisitos necessários para a suspensão da decisão recorrida. Saliente-se, ainda, que a medida concedida é reversível, não sendo apta a causar dano irreparável ao agravante”, explicou o desembargador.

Em suas razões recursais, o Estado de Alagoas havia alegado que a decisão lhe causaria lesão grave, caso não fosse reformulada. Defendeu que contra a Fazenda Pública é vedado a concessão de antecipação de tutela, o que é requerido pelos agentes penitenciários neste processo.

Quanto ao argumento do Estado de Alagoas sobre a impossibilidade de antecipação de tutela contra a Fazenda Pública, o desembargador Eduardo José afirmou que preenchidos os requisitos do artigo 273 do Código de Processo Civil, é perfeitamente possível a concessão em desfavor da Fazenda Pública.

O relator do processo destacou, ainda, que a Constituição Federal determina que o subsídio é parcela única, vedado qualquer acréscimo de gratificação, no entanto o fato de o servidor receber subsídio, como forma de remuneração, não exclui a possibilidade de incidência dos direitos sociais previstos no artigo 39 desta constituição.

A decisão foi publicada no Diário de Justiça Eletrônico (DJE), desta terça-feira (14).

Matéria referente ao Agravo de Instrumento nº 2012.000671-7

Fonte: TJ/AL (clique aqui)

Agora vamos a uma lei aqui do Estado de Alagoas...

Lei nº 6.772, de 23 de novembro de 2006.

Altera dispositivo da Lei nº 5.247, de 26 de julho de 1991, e dá outras providências.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Faço saber que o Poder Legislativo Estadual decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º O art. 73, da Lei nº 5.247, de 26 de julho de 1991, passa a ter a seguinte redação:

“Art. 73. Os servidores que trabalham com habitualidade em locais insalubres ou em contato permanente com substâncias tóxicas radioativas, biológicas, ou com risco de vida, fazem jus a um percentual incidente sobre a retribuição pecuniária mínima, paga sob a forma de subsídio pelo Poder Executivo”. (NR).

Art. 2º O percentual pelo exercício de atividades insalubres, devido aos ocupantes de cargos efetivos da Administração Estadual, corresponderá a 20% (vinte por cento), 30% (trinta por cento) ou 40% (quarenta por cento) da retribuição pecuniária mínima, paga sob a forma de subsídio pelo Poder Executivo, conforme se trate da insalubridade de grau mínimo, médio ou máximo respectivamente.

Parágrafo único. Enquanto não advinda legislação estadual específica, adotar-seão, para efeito de apuração do grau de insalubridade em locais de trabalho, as normas pertinentes estabelecidas pelo Ministério do Trabalho, consideradas as peculiaridades das diferentes categorias profissionais.

Art. 3º É devido aos ocupantes de cargos efetivos um percentual pelo exercício de atividades consideradas de periculosidade, em valor mensal correspondente a 40% (quarenta por cento) da retribuição pecuniária mínima, paga sob a forma de subsídio pelo Poder Executivo, quando em exercício em estabelecimentos prisionais ou hospitais psiquiátricos, judiciários ou não.

Art. 4º Esta Lei entra em vigor a partir da sua publicação.

Art. 5º Ficam revogados os artigos 36 e 37 da Lei n° 5.464, de 25 de janeiro de 1993, e demais disposições em contrário.

PALÁCIO REPÚBLICA DOS PALMARES, em Maceió, 23 de novembro de 2006, 118º da República.

LUIS ABILIO DE SOUSA NETO
Governador

Este texto não substitui o publicado no DOE de 24.11.2006.

Percebam que esta lei se refere aos servidores civis, porém ela dá o direito ao adicional mesmo com subsidio, e o Estatuto da Polícia Militar. Lei nº 5.346, de 26 de maio de 1992, em seu art. 30, § 1º, assegura como direitos e prerrogativas dos policiais militares “adicional de remuneração para as atividades insalubres, penosas ou perigosas, conforme dispuser a legislação própria”.

Por tudo o que foi exposto, resta-me fazer uma singela pergunta: Por que as associações dos militares do Estado de Alagoas não fazem o mesmo que as demais associações deste ou dos demais Estados?

Enquanto vocês pensam nas prováveis respostas, eu concluo esse texto com a seguinte opinião: vocês precisar começar um movimento para concretização dos seus direitos; vocês precisam de representantes nas associações que os libertem dessa escravidão silenciosa; vocês precisam eleger um Deputado Estadual para representar os seus interesses. Somente assim vocês conseguirão dar um basta em toda essa omissão dos legisladores e aos interesses escusos do Estado (de Alagoas).

23 comentários :

Anônimo disse...

E oq dizer das empregadas domesticas q conseguiram aprovar a PEC delas e agora tem carga horaria definida e direito a hora extra. E nos PM? Nada. Precisamos eleger um deputado com urgencia.

Anônimo disse...

PARABÉNS PELA MATÉRIA

Anônimo disse...

engraçado näo há lei de responsabilidade fiscal quando aumentam os salários dos desembargadores
,promotores,juizes,conselheiros do tribunal de contas,deputados estaduais,governador e vice,só existe lei de responsabilidade fiscal para os pm's
.

Anônimo disse...

Nós que não atestamos essess falsos líderes (Teobaldo, Simas, Soares, Fragoso, etc)vamos fazer de tudo para exterminar esses líderes. Sabemos que nesse meio tem até ladrão nos representando. Queremos líderes fichas limpas. Não queremos líderes com passagem pela Polícia. Fora Teobalodo! Fora Simas! Fora Soares! Fora Fragoso! O Ministério Público vai investigar vocês. Aguardem! Aguardem! Aguardem!

Anônimo disse...

cinco presidentes* foram se alistar
queriam a reeleição só para mamar

a tropa cansada disse "cheguem pra lá"
queremos gente nova pra nos representar

*SoAres, Simais, Teobaldo, Alberto, FraCoso

JESB disse...

AQUI EM ALAGOAS O JUDICIÁRIO (JUSTIÇA)É MUITO "HARMONIOSO" COM O GOVERNO (EXECUTIVO), OU SEJA, AINDA QUE AS ASSOCIAÇÕES BUSQUEM OS DIREITOS PREESTABELECIDOS, VAI EMPERRAR NAS GAVETAS COM UMA PEDRA DE MÓ EM CIMA. A IMPARCIALIDADE É CEGA.

Major Fragoso disse...

Caro internauta anônimo, se você for oficial e não for covarde compareça na ASSOMAL que terei o maior prazer em lhe mostrar toda contabilidade da entidade, todo nosso trabalho e nosssas dificuldades, contudo se você for praça, procure o seu respectivo presidente ACS, ASSMAL, ASPRA ou ABM e peça que ele faça o mesmo, pois no militarismo cada ciclo tem o seu respectivo presidente, e todos não lhe representa. Acho que você poderia render mais se comparecece na sua entidade e procurasse a diretoria, é mais sensato que ficar escondido como anônimo nos blogs. Com certeza você é um parasita que não participa das lutas pela defesa de seus direitos e não hornra a farda que veste.

Motivação ZERO disse...

Mais de 30 mortes marcam Semana Santa em Alagoas

Dentre os casos, homem joga filho de 8 meses no chão em pleno feriado religioso

Alagoas registra 33 mortes desde a quinta-feira (28) até o início da noite deste domingo (31) – grande parte provocada por arma de fogo -, em pleno feriado religioso. Além disso, os Institutos Médico-Legais (IMLs) de Maceió e Arapiraca contabilizaram casos de acidente, queda, enforcamento, choque elétrico, achado de corpo, queimadura e afogamento.

No primeiro dia, a Perícia Oficial de Alagoas apontou para 11 mortes, com destaque para o assassinato de um menor de 11 anos na zona rural de São José da Laje. Já em plena Sexta-Feira da Paixão (29), o número subiu para 13 casos, oito deles em menos de 14 horas. E, do sábado (30) até o início desta noite, o IML registrou em seu livro de ocorrências nove homicídios.

As vítimas – a maioria executada por arma de fogo – foram identificadas como José Ronaldo dos Santos Silva Filho, de 17 anos, Edilson Alves da Silva, 11, José Robson Ferreira da Silva Santos, 25, Everson Robério Santos da Costa, 26, Marcelo Batista, 23, Benone dos Santos Fonseca, 23, Cleria Lilian Vilas Boas, 36, Ailton de Souza Fernandes, 32, um jovem não identificado, 20, Eliene Nunes da Silva, 22, outro jovem não identificado, Selma Roberta da Silva, 34, Antônio Siriano de Barros, 39, Edson Ferreira Caetano, 24, Jamerson Moraes Silva, 22, Valério Meneses da Silva, de apenas oito meses, Luiz Eduardo Da Silva, 35, Ednilson Xavier, José Roberio Santos da Silva, 32, Thiago Rocha da Silva, 25, José Fábio da Silva, 26, Célio dos Santos Souza, 20, Jailson Santos Costa, 27, e um homem identificado apenas como Nivaldo. Outras identificações não foram repassadas pelos institutos.

O caso que mais chamou a atenção ocorreu na cidade de Junqueiro, onde o próprio pai jogou o filho - Valério Meneses - de oito meses no chão, após ter raiva do menino. A criança foi socorrida por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) à Unidade de Emergência do Agreste (UEA) Doutor Daniel Houly, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Os crimes ocorreram em Maceió e em outros municípios, como São Luiz do Quitunde, São José da Laje, Pilar, União dos Palmares, Olho D`Água das Flores, Arapiraca, São Miguel dos Campos, Marechal Deodoro, Boca da Mata, Junqueiro, Taquarana, Santana do Ipanema e Quebrangulo.

Outros casos registrados envolvem acidente de trânsito, queda, choque elétrico, enforcamento, achado de corpo, queimadura e afogamento.

Sócio da ASSOMAL disse...

Ao Senhor presidente Major Fragoso...

O comentarista anônimo que disse sabemos que nesse meio tem até ladrão nos representando não o chamou de ladrão, ele o chamou de falso, e disso eu também te chamo, como já disse na sua cara. Por motivos claros, eu não vou revelar o meu nome. Ainda em relação aos roubos cometidos pelos presidentes de associações, é o Cabo Soares quem anda afirmando que o Cabo Simas desviou recursos da ACS, e essa informação está disponível no próprio site da associação deles. Agora, se a carapuça serviu para o senhor, vamos apurar isso, até mesmo porque o seu diretor financeiro não inspira confiança em ninguém.

OBS: senhor(es) moderador(es), peço-lhe(s) que permita essa comentário, em nome da democracia.

Anônimo disse...

FRAGOSO, AO INVÉS DE FICAR DESAFIANDO OS SÓCIOS, POR QUE VOCÊ NÃO PROCURA BEM REPRESENTÁ-LOS?

TOMA UM CHÁ DE "SEMANCOL", CARA, TÚ SÓ FAZ MERDA E AINDA QUER POSAR DE GOSTOSÃO E MORALISTA.

Anônimo disse...

fracoso ler o briosa em foco, tá vendo?

isso é mais uma prova do alcance do bef, kkkk

Cb PM JMA disse...

Fiquei curioso quando me disseram que o Major Fragoso tinha dito aqui no Briosa que quem quer era oficial não era covarde, dando a entender que somente os oficiais é que não são convardes...

Bem, por questão de respeito ao mais antigo, bem como à boa educação que os pais me deram e o meu nível cultural, vou apenas dizer que as palavras do major foram infelizes, até mesmo porque, seria mais proveitoso para ele, e os seus associados, pesquisar um direito, mover uma ação em prol dos seus representados, que ficar aqui (ou em qualquer outro lugar) falando besteira.

NIVALDO disse...

SE O GOVERNO NÃO DÁ OS NOSSOS DIREITOS, PORQUE OS "NOSSOS" REPRESENTANTES NÃO RECORREM Á JUSTIÇA? LEMBREM-SE DE QUE OS NOSSOS 7% DO R. LESSA ,FOI CONSEGUIDO NA JUSTIÇA, PORTANTO, COLOQUEM ESSES ADVOGADOS DAS ASSOCIAÇÕES PARA TRABALHAR,POIS PARA ISSO, ELES SÃO BEM PAGOS.

Anônimo disse...

Senhores.

Realmente precisamos de uma associação para impetrar na justiça pedidos que nos são de direito? Por que não formarmos um grupo de interessados para isso?
A faca e o queijo estão na mão!

Anônimo disse...

Em 2005 nós entramos com um processo requerendo tudo isso. O processo é o de Nº 0018087-97.2005.8.02.0001 que tramita na 17ª Vara Cível da Capital. Em sua sentença o Juiz entendeu que nós tinhamos direito qo que estamos requerendo.

Entretanto, o Estado recorreu, alegando que não poderíamos requerer esse direito por não termos legislação própria a respeito.

Só não entendo porque quando é para dar um direito nós não podemos contar com a legislação civil, mas quando é para nos prejudicar, então pode.

Há pucos dias, o Sd Afonso, de 2010, foi demitido com base na Lei Nº 5.247, DE 26 DE JULHO DE 1991 - que INSTITUI O REGIME JURÍDICO ÚNICO DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS DO ESTADO DE ALAGOAS, DAS AUTARQUIAS E DAS FUNDAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS.

Nessa mesma Lei estão descritos todos os direitos que a nós deveriam ser concedidos. E por que isso não é feito?

Onde estão os nossos representantes que, também, não enxergam o mesmo que eu enxerguei?

Anônimo disse...

Queremos a prestação de contas das nossas associações!!!!

Anônimo disse...

Soube por um oficial que o Major Carlos pegou R$ 3.000 da ASSOMAL, eita menino para gostar de dinheiro viu!!!!!!

ASCOM da PMAL disse...

Comando Geral da PM reúne comandantes de OPM para esclarecer realinhamento

Comandante-geral junto a comandantes de OPM durante reunião sobre realinhamento

Na manhã desta segunda-feira (1), o comandante-geral da Polícia Militar de Alagoas (PMAL), coronel Dimas Barros Cavalcante, reuniu os comandantes de Unidades e Subunidades da Polícia Militar, da capital e interior, para falar sobre as decisões referentes à implantação do realinhamento nos salários dos militares.


O comandante-geral anunciou que, após o encontro com o governador Teotônio Vilela, junto ao Comando da PMAL e representantes das Associações, ocorrido na semana passada, ficou definido o pagamento dos 3% no salário de abril, referente à terceira parcela do residual de 7%; e a implantação do percentual de 5,83%, que corresponde ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), como reposição da inflação.

O realinhamento para os policiais militares será implantado assim que houver limite na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Segundo o coronel Dimas, o governador não pode definir uma data para a efetivação, mas garantiu que a mesma será realizada até dezembro deste ano.

Também estiveram presentes à reunião, o subcomandante-geral, coronel Mário Jorge Souza da Hora; o chefe do Estado Maior Geral (EMG), coronel Ivon Berto; o comandante do CPAI 3, coronel Luiz Carlos; o comandante do CPAI 2, coronel Neuton Bóia; o corregedor geral da PMAL, coronel Louvercy Monteiro; o diretor de Finanças, coronel Ricardo Santana; o comandante do CPAI 1, tenente-coronel Claudevan Albuquerque; e, representando o Comando do Policiamento da Capital (CPC), o tenente-coronel Neivaldo.

Começo das discussões

Na ocasião, o comandante-geral fez um breve resumo sobre as discussões com o Governo do Estado desde o momento em que foi apresentada a proposta referente ao piso salarial do soldado, implantando no ano passado, até as últimas decisões tomadas no final do mês de março.

Conforme o coronel Dimas, o projeto enviado pelo Gabinete Civil à Assembleia Legislativa do Estado (ALE) versava apenas sobre o vencimento dos soldados, e que outras discussões, como alterações na legislação da PMAL, a respeito das leis de promoção e do Estatuto, e estabelecimento de pisos para as demais categorias, também precisavam ser apreciadas.

“Neste momento percebemos que as discussões em torno de vencimentos também deveriam ser acompanhadas pelo Comando da PMAL, e não somente entre os membros da Secretaria de Gestão Pública e representantes das Associações de Militares”, destacou o comandante ao mencionar os movimentos realizados pelas Associações para reivindicar o realinhamento.

Em reunião recente com o governador Teotônio Vilela, o coronel Dimas alegou que além do reajuste é preciso discutir ações de segurança pública que visem tanto a segurança do cidadão como as condições necessárias ao trabalho diário do policial.

Comissão

O governador e o comandante da PMAL, além de representantes das associações, estiveram reunidos na semana passada. Segundo o comandante-geral, “houve avanços na discussão sobre o realinhamento, além de ter sido estabelecida a formação da comissão que vai acompanhar os limites da LRF”.

A citada comissão é formada por representantes da PMAL, Corpo de Bombeiros Militar (CBMAL) e de outros órgãos como a Secretaria Estadual de Gestão Pública (Segesp), Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz), Procuradoria Geral do Estado (PGE) e por integrantes das Associações Militares. Compõem a referida comissão o subcomandante-geral da PMAL, coronel Mário da Hora, o comandante do Policiamento do Interior (CPI), coronel João Marinho, e o chefe do EMG, coronel Ivon Berto. O CBMAL está representado pelo coronel Gláucio.

Anônimo disse...

É inadmissível que a Lei Nº 5.247, DE 26 DE JULHO DE 1991, sirva apenas aos militares quando para embasar punições.
E na ausência de legislação própria, deveriam se utilizar do estatuto civil para preencher a lacuna.
Srs advogados, qualquer primeiro período de Direto sabe disso.

Militarismo é foda, cabresto!

josehilton andrade disse...

Resumindo,ser pm em Alagoas é uma merda,num tem direito a nada,ainda tem um monte de babacas que acha o máximo ser pm de Alagoas.quer receber adicional noturno,periculosidade,hora extra,escala justa? pede pra sair.

ASCOM da PMAL disse...

Comando se reúne com Associações militares para tratar de assuntos referentes à Corporação

A reunião entre as representações de militares da reserva e da ativa com o comandante-geral, na tarde desta terça-feira (02) foi considerada produtiva. Em discussão foi colocada uma pauta de reivindicações que visam benefícios para todas as patentes, priorizando a Lei de Promoção e a jornada de trabalho, num primeiro momento, bem como o realinhamento salarial.

As lideranças apresentaram ao Comando vários pontos que defendem e que querem debater para se chegar a um consenso a exemplo do serviço extra voluntário, o Código de Ética da corporação, acesso à primeira graduação, AL Previdência, entre outros. Porém, para qu e não houvesse um atropelo, todos concordaram em expor e discutir imediatamente o que estaria incomodando mais a tropa, requerendo, portanto, mais urgência.

No tocante ao realinhamento, na tabela proposta pela Secretaria de Gestão Pública (Segesp) até abril de 2014 juntando os 3%, o IPCA e o realinhamento, um cabo passaria a receber R$ 2.870,00. Os militares rejeitaram e, somente com o IPCA e os 3% já agora em maio estarão com esse mesmo valor em salário.

O comandante também achou viável debater a Lei Orgânica e se prontificou a discutir com os policiais a questão relativa à licença especial. Duas comissões foram criadas com o intuito de dar celeridade às avaliações e aos debates entre as associações e o comando. Os policiais lembraram a importância de se ter acesso ao comandante para discutir problemas relacionados à base.

“O líder da tropa é o comandante. Se tiver um comandante que diga vamos puxar isso aqui, a gente vai até o fim. Esse momento é importante porque, ao contrário do comandante anterior, o senhor nos recebeu e se dispôs a intermediar as coisas. Esperamos que resulte em êxito”, afirmou o cabo Wagner Simas.

O coronel Dimas entende que a grande dificuldade era a separação da tropa. “Tudo se complicava porque existia o grupo dos oficiais e o grupo das praças. Pensamos, como uma instituição pode crescer se ela não pode aproveitar o que cada um tem de melhor? Temos que criar dentro da corporação um clima para evoluir, aqui não existe o que serve e o que não serve. Todos têm algo para contribuir e temos de agregar valores. Trabalhamos em prol da corporação e mostrando para a sociedade a nossa competência. Ninguém trabalha para o comandante, se tiver pensando assim e fazendo, está errado”, lembra.

E continua: “Não posso evoluir,, fazer nada sem discutir. Independentemente dos posicionamentos que tomaram ou que tomam. Eu não posso levar o posicionamento das associações para o campo pessoal. Todos nós acertamos e erramos”, concluiu o comandante.

Para discutir a Lei de Promoção foram indicados o sargento Ramalho, do Corpo de Bombeiros, o cabo Wagner Simas, da Aspra, sargento Teobaldo, da Associação dos Subtenentes e Sargentos (Assmal) e o major Fragoso, da Associação dos Oficiais Militares (Assomal).

A comissão para encontrar alternativas com o Departamento de Pessoal, juntamente com o coronel Albino, para as licenças especiais, jornada de trabalho e outros é formada pelo sargento Teobaldo, o subtenente Edvaldo e o cabo Filho.

Os militares expuseram para o coronel Dimas que está havendo disparidade no tocante às licenças causando desvantagens a alguns batalhões. “Antes não havia regra, agora é feito um estudo para que não haja injustiças, vamos fazer uma reavaliação e levar à mesa para discutir”, afirma o coronel. Ficou acertado que, por conta da data já marcada pelo Governo do Estado para a apresentação das propostas militares, dia 13 de maio, as discussões ocorrerão em sequência, todas as terças-feiras entre o comando e as lideranças militares.

Com Correio de Alagoas

Anônimo disse...

NOBRES COLEGAS MILICIANOS, PENSEM EM UM COMBATENTE REVOLTADO E DESMOTIVADO! FOI EM QUE EU ME TORNEI AO DESPERTAR E PASSAR A OBSERVAR OS MILHARES DE ATOS DE COVARDIA QUE OS OFICIAIS COMETEM CONTRA AS PRAÇAS DA NOSSA CORPORAÇÃO. DO CMT AO MAIS MODERNO, NÃO SE SALVA NENHUM, TODOS SÃO FARINHA DO MESSMO SACO! CONTUDO, O QUE MAIS ME REVOLTA É VER MUITOS PRAÇAS QUE NÃO TÊEM VERGONHA NA CARA PUXANDO O SACO DE MUITOS OFICIAIS E DEPOIS SEREM TRATADOS PIORES QUE VIRA-LATAS. QUANTO A ESSES INOPERANTES QUE SE DIZEM NOSSOS REPRESENTANTES EU LAMENTO MUITO, PORQUE ACHO QUE NÓS NÃO MERECEMOS SER REPRESENTADOS POR TANTOS INCOMPETENTES E MAL-INTENCIONADOS. FORA ESSAS LAZERAS, FORA ESSES FANFARRÕES QUE FINGEM QUE NOS DEFENDEM NA NOSSA PRESENÇA, MAS QUE POR TRÁS SABEMOS QUE A PRÁTICA É BEM DIFERENTE!!!!!

Anônimo disse...

MEU DEUS os Militares de Alagoas só se lascam...Todo mundo ganha aumento e na hora da Pm é essa palhaçada...PQP!!!! Sempre é assim....Só Jesus na causa..

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver