O ostracismo enlouquecedor

Temos ainda muito a aprender com o povo grego, sobretudo em sua idiossincrasia política. Deles, tomamos emprestado o conceito de ostracismo para – à pinceladas verbais – transparecer ao nosso leitor os verdadeiros motivos de determinadas manifestações de apoio, ainda que estas pareçam completamente descabidas e fora do contexto.

Dos gregos, sobretudo atenienses, surgiu a figura politica punitiva do ostracismo, como punição aplicada a pessoas praticadas sob a vontade de exclui-la politicamente – classificando-a como estrangeiro – reprimenda que muito envergonhava aquele que a esta estivesse submisso.

Nos dias de hoje cabe à sociedade, em suas diversas camadas, aplicar tal reprimenda, excluindo de seu seio (político social) aqueles que devidamente a merecem. Sobretudo, afirmo, àqueles que nada fazem por nós, povo.

É neste claro conceito expresso que surge a figura do Delegado Federal, aposentado, Pinto de Luna. Ex-superintendente da SMTT (no governo Cícero Almeida) e autodenominado “porta voz da probidade”, fora ele o delegado responsável pela prisão de baluartes da corrupção alagoana, na conhecida Operação Taturana, em 2007. Teve participação significativa na Superintendência Regional da PF em Alagoas (novamente ex).

Indubitavelmente, sabemos que o ex delegado é um homem de caráter. Entretanto, a vida – que é feita de escolhas – reservou ao ex-servidor federal um leque de oportunidades cuja feitura lhe saiu mal. O dedo podre para selecionar oportunidades, sobretudo aquelas no campo politico, custou ao neopolítico uma conta amarga a ser paga: o ostracismo.

Errou duas vezes: a primeira, a escolher o PT (Partido dos Trabalhadores) como sigla ideal para sua caminhada politica. Não pela pujança da legenda, mas pela fragilidade partidária que o PT possui em Alagoas. Naufragado em três eleições seguidas, tentou eleger-se vereador por uma vez e deputado por duas – fora tragado pelos caciques majoritários servindo como “João Bobo” da vez para a captação de votos suficientes a consagrar o nosso estranho sistema de votação proporcional, suportando uma ambígua suplência.

O seu erro maior foi o segundo, ao aceitar a Superintendência da SMTT, de onde praticamente estragou em menos de um ano uma imagem de administrador que havia deixado como legado à Superintendência da PF alagoana. Saiu de lá magoado, sem efetivamente dizer a que veio. Na verdade, retirou-se daquela repartição municipal com a pecha de inoperante, ante a barreira cultural enfrentada à assunção a uma pasta que não domina.

Pinto passou e a SMTT ficou, pois o sistema sobrevive por si. Entretanto, também ficaram mágoas terríveis, especificamente com relação ao Prefeito Cicero Almeida, cuja suposta interferência em sua gestão fora elencado por PDL como o responsável pelo insucesso tremendo que foi a sua passagem pelo executivo municipal.

O fel do ostracismo (experimentado pela ausência de cargos políticos), que incomoda Luna, está fazendo com que ele se aproxime – através da bajulação congratulação gratuita – de mais uma escolha errada: compactuar com o terrível e corrupto Dário César, o responsável direto pelo caos administrativo da segurança pública estatal. Sabe-se lá com que intuito, e nesse sentido não podemos descartar o da lembrança fácil e as consequências das boas relações com o poder, vê-se que o que está em questão é a oportunidade de, mesmo em cargo inferior, retornar ao executivo de alguma esfera de poder.

Parece-nos que o petista se encontra tão enredado com o cântico da sereia dariana que ignora o atual estado de falência que Alagoas está vivendo, discordando dos números e da realidade que não encontra esconderijo na mentira oficial, cuja veracidade é a de que Alagoas – desejada a ser por Graciliano Ramos um golfo – está imersa e banhada em um mar (de sangue, diga-se).

O Briosa em Foco fraternamente, e acreditando no caráter de Pinto de Luna, o adverte quanto ao atual secretário: uma víbora – que já inoculou seu veneno em tantos outros nomes da atual e velha segurança pública, e até mesmo no ex-presidente Collor de Mello.

De Luna, o avançar dos anos enseja maturidade e não burrice: Cuidado!

Precisamos eleger um Deputado Estadual para
(juntamente com o Delegado Pinto de Luna)
defender os nossos interesses!

12 comentários :

Anônimo disse...

esse forasteiro, pinto de luna, quer se auto-se promover ou outra coisa ? tú sabes, que para os alagoanos, está difícil se eleger, imagina tú, que vieste de outro estado, somente porque prendeste alguém, por determinação da justiça, se achas um herói, se mim permiti Montana, vou ser cabo eleitoral do sargento brás, pois, venho acompanho sua desenvoltura na policia militar e dentro do copom também, homem integro, fiel, e não bajulador de ninguém, muito respeitador, que os digam o efetivo do ciods, estou com ele, acompanhei e acompanho sua vida, na época do fora suruagy, o cara tava a frente, foi procurado por muitos repórteres na mídia nacional, porque o mesmo ficou conhecido aqui em alagoas como o cabo parteiro, os antigos da polícia assim o conhecem, foram exatamente 03 vidas, que veio ao mundo pelas mãos desse herói militar alagoano, foram exatamente 03 partos. lembro-me que um dos partos, foi feito na porta do QCG, um na praça bomfim e outro não mim recordo, esse sim, merece nosso apoio para deputado estadual, sabemos do profissionalismo e educação, não estou aqui para puxar o saco de ninguém, apenas para falar a verdade para aquele que não conhece e os que não o conhecem.... deixo aqui bem claro o meu apoio ao sargento brás, se candidato a deputado for, estarei com o senhor, e pedirei para os administradores do site, o apoiarem, bem como, toda a família miliciana, policia civil e cbmal. atenciosamente cb ricardo

Capitão Lampiano disse...

Gostaria de fazer um singelo convite ao Nobre exDelegado da PF, Pinto de Luna:

Dr Luna, vamos nós dois (e no máximo com um repórter) darmos um volta em Maceió, entre 20 horas (de um dia qualquer) e as 04 horas da manhã do dia seguinte; com a seguinte condição: o senhor não poderá portar arma de fogo, muito menos poderá usar colete balístico ou levar consigo algum tipo de aparelho de comunicação. Se o senhor topar o desafio, eu me apresento com o nome, para que, juntos, possamos desmitificarmos essa sua falsa impressão sobre a realidade dos fatos.

OBS: metade do tempo ficaremos a pé, transitando pelas principais ruas, e a outra metade estaremos de carro. Pode ser o seu mesmo, doutor, desde que ele não seja à prova de balas. No máximo levaremos água, algum QSJ para o lanche, e uma máquina filmadora, para registar o momento (quanto a isso fique tranquilo, usaremos uma dessas filmadoras de espionagem, para não chamarmos a atenção). O Ponto de partida será a sede do veículo de comunicação onde o senhor tem uma coluna/blog, para que a imprensa também registre o fato.

Ah, só mais uma coisa: de dez locais que eu lhe apresentar, visitaremos apenas cinco, os quais deixarei que o senhor mesmo escolha, bem como a ordem de início das visitas.

Se o senhor aceitar o convite, use a sua rede social para responder.

PS: Caso as minhas condições estejam “pesadas”, façamos assim: ficaremos das 08 às 16 horas, de um dia qualquer, com o senhor usando as armas que quiser o que mais entender como necessário (pistola, colete, carro blindando, HT, celular), mas nesse caso iremos a dez pontos, os quais a SEDS não apresenta como locais de alta incidência de crimes. Depois disso o senhor não precisará me dizer nada, apenas deverá escrever sobre o que achou – se tiver essa oportunidade.

TÁ LOUCO! disse...

LAMPIANO, SEM CONDIÇÕES, É CLARO QUE LUNA NÃO ACEITARÁ; NEM NA ORLA MARÍTIMA EM QUALQUER HORÁRIO HÁ SEGURANÇA (OLHE QUE EXISTE CÂMERAS), IMAGINE NUM DESSES LOCAIS QUE TODA A GRANDE MACEIÓ SABE, MENOS A CÚPULA DA SEGURANÇA. HONESTAMENTE, EU NÃO IRIA.

Anônimo disse...

Para ajudar o dotor Luna a pensar melhor, apresento a seguinte informação do emergencia190
http://emergencia190.com.br/homicidios/2013/03/31/13479/traficantes-matam-e-ditam-a-lei-em-bairro-de-maceio-em-dois-dias-quatro-execucoes

Anônimo disse...

Facilita, pow. Coloca a matéria ao invés do link. faz assim, ó:

Maceió. Em dois dias quatro execuções

Moradores falam que PM mantém viaturas paradas enquanto bandidos passeiam no bairro

O bairro do Jacintinho, o mais populoso de Maceió e “dono” de uma tipografia que traduz o caos social que há anos se instalou e rapidamente se proliferou, também detém um dos mais altos índices de assassinatos registrados pela polícia, que ainda enfrenta uma guerra sem fim contra o tráfico de drogas que comanda as partes mais carentes do Jacintinho, que são as diversas e bem habitadas grotas, deixando em polvorosa as famílias que ainda sonham com operações policiais semelhantes ao do Morro do Alemão, no Estado do Rio de Janeiro, que expulsou e prendeu os bandidos que ali comandavam e decidiam os rumos das pessoas.

Somente este ano a Delegacia de Homicídios (DH) já registrou cerca de 20 assassinatos. Em todos os crimes a mesma característica. A maioria das vítimas foram mortas a tiros, principalmente na região da cabeça, tinham envolvimento com o tráfico de drogas e morreram em locais movimentados apesar de ninguém assumir que viu o ou os matadores.

Na quinta, 28, e sexta-feira, 29, semana em que os católicos reverenciam a morte e a ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo quatro pessoas foram executadas em via pública. Uma delas foi morta justamente quando uma comunidade encenava a Paixão de Cristo.

O EMERGENCIA190 registrou todos os assassinatos. O primeiro deles foi na noite da quinta-feira e teve como vítima Benoni dos Santos Fonseca, 23, foi morto a tiros quando transitava por um dos trechos da Rua Pastor Eurico Calheiros. Benoni estava na companhia de um amigo – que estava armado com um revólver – e que também foi baleado, sendo socorrido para o Hospital Geral do Estado (HGE).

O segundo assassinato foi na Sexta-feira Santa. A vítima foi Luiz Eduardo da Silva, 35, que residia na Grota do Pau D’arco. Ele foi executado quando estava próximo do terminal de ônibus do Conjunto José da Silva Peixoto. No momento do crime um grupo de moradores participava da Paixão de Cristo, encenada em via pública. Os tiros causaram pânico para quem participava e assistia a encenação.
No mesmo momento outros dois assassinatos eram registrados no bairro.

Edmilson Xavier, o “Neno”, assassinada a tiros na calçada de um bar – onde ele bebia – localizado na Rua Pastor Eurico Calheiros, mesma rua onde foi registrado o crime da quinta-feira à noite. “Neno” foi morto na frente de uma Delegacia da Polícia Civil (PC).

Também foi morto Jamerson Moraes da Silva, 23. O crime aconteceu em um dos trechos da Travessa São Domingos, próximo onde a vítima morava. No local ninguém comentou o que viu.

continua na parte de baixo

Anônimo disse...

No mesmo bairro cerca de 200 homens do Batalhão de Policiamento de Eventos (BPE) e da recém-inaugurada base comunitária da Polícia Militar (PM), com apoio de equipes da Força Nacional (FN) militar tentam inibir a violência. Mas o modelo de policiamento é criticado por muitos moradores.

“Tem vez que passamos na frente do BPE e tem mais de cinco viaturas paradas e o bairro todinho sem nenhum policial. Aqui na Gota do Cigano se a polícia fizesse policiamento a pé nos finais de tarde, a noite e madrugada certamente prenderiam os traficantes. Encontra-los é a coisa mais fácil do mundo. É só entrar na grota de uma só vez pelas escadarias e vai encurralar esses bandidos”, diz um comerciante que há anos mora em uma das localidades mais violenta do bairro.

Em outra grota no Jacintinho as criticas são as mesmas.

Na Santa Helena líderes comunitários denunciam que para viverem um pouco mais são obrigados a “aceitarem” os traficantes.

“O BPE só aparece aqui quando tem algum crime. Em qualquer hora da tarde se encontra os traficantes vendendo drogas por trás do ginásio municipal. A polícia não olha para as encostas”, disse José Antonio Soares, que confirmou que é comum ver os carros da PM parados na frente do BPE. Ele disse que já procurou saber os motivos, mas a explicação não convenceu.

“A informação dos oficiais é que não tem necessidade de se colocar as viaturas 24 horas andando pelas ruas pois a polícia tem o mapeamento dos horários críticos e locais para agir e se houver necessidade, as equipes entram em ação a qualquer momento”, disse o homem.

O EMERGENCIA190 tentou manter contato com o comandante ou o oficial de dia do BPE, mas o militar que atendeu explicou que somente o setor de Comunicação Social da Polícia Militar é quem poderia se pronunciar sobre a situação.

Outras três situações que preocupam moradores no bairro é também a falta de ações policiais nas Grotas do Pau D’árco, que dá acesso ao bairro do Feitosa, nas barreiras por trás do “Canal 5 e que dá acesso ao Reginaldo e no Morro do Ari, a poucos metros da sede do BPE. Nessas três localidades diversos traficantes montaram suas bases de operações e comandam seus “soldados”, sempre dispostos a matarem para não terem o “trabalho” prejudicado.

Os nomes dos assassinos e seus chefes são do conhecimento da polícia, mas alguns policiais que participam das investigações dizem que falta vontade para prende-los.

“Este ano estávamos monitorando uma quadrilha inteira de traficantes e assassinos e só não prendemos todos de uma única vez por que o delegado, que deveria dá o “ok”, quando foi informado que o chefe dos bandidos não estava no local, mandou abortar a missão. No outro dia o bando voltou para onde estava e matou duas pessoas. Não sei como um delegado desse consegue dormir com a consciência pesada”, revelou um policial que garante que a maioria dos crimes no Jacintinho estão esclarecidos, mas que muitos “chefes” preferem fingir que nada acontece e devido sua inoperância, favorece para que os criminosos continuem nas ruas.

Fonte: Emergência 190

Blog do Ricardo Mota disse...

Em outra postagem alguém perguntou sobre "o alcance do Briosa em Foco", "quem lia esse blog"...

Bem, talvez nós nunca venhamos a saber com exatidão qual o alcance ou as pessoas que leem, muito menos as que nos dão credibilidade. Mas uma coisa é fato: muita gente - importante ou não - lê as postagens do Briosa em Foco.

Dito isto, vejamos o que o nobre escritor e blogueiro Ricardo Mota escreveu, ainda a pouco, em sua página:

O louco da cidade

E se eu fosse o louco da cidade? Sim, e por que não? Todas as cidades, no mundo inteiro, têm os seus loucos. Eles servem para que as outras pessoas, ao vê-los, se sintam normais e resgatem a autoestima que imaginavam não mais ter. Assim, para que uma cidade seja sã precisa ter o seu louco.

Só há vantagens no projeto: é o ganha-ganha. Aliás, eu só não sei por que a loucura privilegia tão poucos.

Eu poderia dormir na praça, em meio aos cães, todos em volta, carentes que são do carinho humano. Adoráveis tolos! Nas noites de frio, os seus pelos me serviriam de manta. Quando fosse temporada de calor, com esperteza, lhes faria um agrado e eles abanariam os rabos – pequenos e delicados ventiladores.

Esqueceria para sempre todas as regras da etiqueta. Comeria com os dedos, fazendo bolinhos com o bem-mole que me dariam, tomaria água com as mãos em concha, como quando era moleque a me espalhar e sumir no oco do mundo: “Você é doido, menino.” Pois é, de repente poderia ter dado certo, mas eu reneguei o vaticínio. Por algum tempo, como bem se vê.

A garotada, ao passar de volta da escola, zombaria de mim, faria algazarra, eu correria atrás da tropa a jogar pedra – todo louco joga pedra –, num ritual que se repetiria de segunda à sexta. Nos finais de semana, descansaria. Essa é a lei dos homens respeitada até mesmo pelos loucos.

E se as moças bonitas andassem por ali não me veriam, mas eu voltaria os olhos para elas, de esguelha, dissimulado. Não as teria nos braços, é certo, mas quem há de saber o que vai na cabeça de um louco? De repente, ele vive uma realidade que para nós, do lado de cá da fronteira, é apenas um sonho.

Seria ignorado pelos homens importantes, engravatados e solenes, que nem ao menos dirigiriam a mim um gesto de desprezo, de nojo ou algo assim. Seria visto, porém, pelos pequeninos melequentos nos braços das mães, olhares espantados em evidente perplexidade ao se depararem com aquele ser estranho coberto de trapos e com postura majestosa.

Os mais velhos sabem que a loucura não é contagiosa: “Não pega”, garantiriam do alto da sua autoridade adquirida. Mas haveria sempre uma balzaquiana a passar pela praça, as ancas em expansão, os peitos querendo romper a sufocante prisão. Ela? Fingindo medos em gritinhos quase sussurros, audíveis o suficiente para que o garanhão ao derredor lhe oferecesse segurança e lhe fizesse a corte. Retornaria para casa feliz em saber que foi desejada por um curto momento que fosse.

E o melhor de tudo eu deixo para o final: estaria livre da loucura ao sentir as dores e misérias dos homens.

Anônimo disse...

Realidade: Quantos cidadãos por policial existem nos Estados?

A "falta de efetivo" policial sempre foi uma das reclamações das polícias militares no Brasil. Analisando proporcionalmente, quais Estados brasileiros possuem mais ou menos PMs?

O site Abordagem Policial (especializado em assuntos policiais) levantou a questão e descobriu que o número de pessoas para um policial militar é assustador.

DADOS DE ALAGOAS - Só em todo o Estado de Alagoas (Zona da Mata, Agreste, Grande Maceió e no Sertão), um policial militar protege em média 417 pessoas.

Para piorar ainda mais, uma pesquisa internacional realizada pela organização não governamental mexicana Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Criminal aponta a capital alagoana, Maceió como a 6ª cidade mais violênta do mundo.

No ranking de 2011, a capital aparece ocupando o vergonhoso terceiro lugar, com 1.564 homicídios registrados e a absurda taxa de 135,26 ocorrências para cada grupo de 100 mil habitantes.

Agora a pergunta: E a soma dos homicídios registrados na outras áreas do Estado? É evidente que o número será maior.

Veja abaixo a relação de quantas pessoas são protegidas por um só policial militar (não contando os políciais civis):

Falando em homicídios, Veja o ranking das cidades mais violentas do mundo:

1 - San Pedro Sula, Honduras
1.218 homicídios em 2012
719.447 habitantes
169,30 homicídios por 100 mil habitantes

2 - Acapulco, México
1.170 homicídios em 2012
818.853 habitantes
142,88 homicídios por 100 mil habitantes

3 - Caracas, Venezuela
3.862 homicídios em 2012
3.247.971 habitantes
118,89 homicídios por 100 mil habitantes

4 - Central District, Honduras
1.149 homicídios em 2012
1.126.534 habitantes
101,99 homicídios por 100 mil habitantes

5 - Torreon, México
1.087 homicídios em 2012
1.147.647 habitantes
94,72 homicídios por 100 mil habitantes

6 - Maceió, Brasil
801 homicídios em 2012
932.748 habitantes
85,88 homicídios por 100 mil habitantes

7 - Cali, na Colômbia
1.819 homicídios em 2012
2.294.653 habitantes
79,27 homicídios por 100 mil habitantes

8 - Nuevo Laredo, no México
288 homicídios em 2012
395.315 habitantes
72,85 homicídios por 100 mil habitantes

9 - Barquisimeto, Venezuela
804 homicídios em 2012
1.120.718 habitantes
71,74 homicídios por 100 mil habitantes

10 - João Pessoa, Brasil
518 homicídios em 2012
723.515 habitantes
71,59 homicídios por 100 mil habitantes

11 - Manaus, Brasil
945 homicídios em 2012
1.342.846 habitantes
70,37 homicídios por 100 mil habitantes

12 - Guatemala, Guatemala
2.063 homicídios em 2012
3.062.519 habitantes
67,36 homicídios por 100 mil habitantes

13 - Fortaleza, Brasil
1.628 homicídios em 2012
2.452.185 habitantes
66,39 homicídios por 100 mil habitantes

14 - Salvador, Brasil
2.391 homicídios em 2012
3.642.682 habitantes
65,64 homicídios por 100 mil habitantes

15 - Culiacan, México
549 homicídios em 2012
884.601 habitantes
62,06 homicídios por 100 mil habitantes


Fonte: Organização não governamental mexicana Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Criminal (México)

Anônimo disse...

cinco presidentes* foram se alistar
queriam a reeleição só para mamar

a tropa cansada disse "cheguem pra lá"
queremos gente nova pra nos representar

*SoAres, Simais, Teobaldo, Alberto, FraCoso

Anônimo disse...

HÁ ALGUNS DIAS VERIFIQUEI O CONTADOR DE HOMICÍDIOS NUM SITE DESTA CAPITAL, E NÃO ACREDITAVA QUE EM 03 MESES CHEGARIA A 550 MORTOS, POIS IMAGINAVA QUE SE CHEGASSE A ESSE NÚMERO A TENDÊNCIA SERIA CRESCER O NÚMERO DE HOMICÍDIOS. POIS IMAGINEM SE A CADA TRÊS MESES MORRER 550 PESSOAS, EM CALAMIDADE ESTARÁ NOSSO ESTADO. QUE O JORNALISMO (COM QUEM CONTAMOS) CONVOQUEM A POPULAÇÃO PARA IR ÀS RUAS PEDIR "AS AUTORIDADES", PRINCIPALMENTE AO SR. TÉO, PROVIDÊNCIAS NESSE SENTIDO. QUE DEUS CONSOLE ÀS FAMÍLIAS.

Anônimo disse...

Nåo adianta reclamar continuaremos passeando,a populaçåo que se lasque váo reclamar pro téo cara de buraco eo dada.


GM SEMSC disse...

INOPERANTE TAMBÉM FOI O SECRETÁRIO PINTO DE LUNA Á FRENTE DO COMANDO DA GUARDA MUNICIPAL DE MACEIÓ, CHEGOU E SAIU SEM SER NOTADO, POIS EM NADA CONTRIBUIU PARA A GUARDA MUNICIPAL DE MACEIÓ, ATUAL SEMSC - SECRETARIA MUNICIPAL DE SEGURANÇA COMUNITÁRIA, COMO TODOS QUE POR AQUI PASSARAM SÓ PROMESSAS, CONVERSA PRA BOI DORMIR E NADA QUE VINHESSE A ACRESCENTAR.

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver