Dia da Mentira, Hora da Verdade

Depois tantas coisas que eu disse aqui no blog, depois de tantas reflexões sobre o caos em que se encontra a Segurança Púbica em nosso Estado, gostaria de falar um pouco sobre o “Plano Brasil Mais Seguro” e principalmente sobre as prováveis causas de seu fracasso, o que certamente não deixaria de fora as nossas autoridades militares, a começar pelos Comandantes de Batalhões, com destaque especial para os últimos Comandantes da PMAL e o Secretário de Segurança Dário César.

Contudo, para que ninguém diga que estou agindo com pessoalismo contra quem quer seja, vou simplesmente revelar que a PMAL, apenas no BPRp, tem 30 motos paradas, por falta de pneus, o que tem deixando a ROCAM fora de atividade.

Senhores, em época de altos índices de criminalidade e repercussão negativa do Estado mundo a fora (por conta disso), em época de escassez recursos para segurança pública – o que levou o Governo do Estado a solicitar R$ 1 bilhão de reais emprestado ao BNDES – o mínimo que os nossos gestores deveriam fazer era um planejamento logístico, de modo tal que os recursos fossem melhor organizados.

E pra completar, das vinte e poucas viaturas da Força Nacional que se encontram em Alagoas, 15 estão quebradas por falta de manutenção.

Conclusão: a falta de planejamento e organização dos agentes do Estado não apenas fez parar a ROCAM (por falta de pneus) e as viaturas da Força (por falta de manutenção), fez com que mais de cinquenta veículos das polícias (o que corresponde a mais de 15% da frota policial em Alagoas) deixassem de servir à sociedade, o que contribui irresponsavelmente para os altos índices de criminalidade do pobre e endividado Estado de Alagoas.

Precisamos eleger um Deputado Estadual para representar os nossos interesses!

19 comentários :

Anônimo disse...

Dário Cesar vai dizer via twitter que esses carros baixados não fazem falta para o policiamento de Alagoas. Que essas quebras são pontuais e devidamente previstas no Plano Brasil Mais Seguro. No lançamento disseram que se esse plano tinha que dar certo, pois não tinham Plano B. O plano não deu certo... e agora? Fechem Alagoas e corra quem puder?

Cb PM Hailton disse...

CONVITE:

Digníssimo Sr. Sgt PM Brás, gostaria de convidá-lo a apresentar aqui o seu nome como pretenso candidato a deputado nas próximas eleições e deixar de disse me disse, pq vem alguem que se intitula Sgt Cardoso e diz que o Sr. é isso e aquilo, mas o Sr., não sei por qual motivo, não disse nada. Eu o conheço pessoalmente e tenho minha opinião formada a seu respeito; não irei expô-la aqui para não influenciar ninguém, mas acho que deveria o Sr mesmo se apresentar, se for o caso, como pretenso candidato.

Att.

Cb PM Hailton

Anônimo disse...

A FURADA MAIOR ESTÁ NAS VIATURAS LOCADAS, AÍ É QUE ESTÁ A MÁFIA. ESSAS VTRS RENDEM MUITO DINHEIRO NÃO SEI PARA QUEM, MAS PARA MIM NAÕ É.

Anônimo disse...

SENHORES;
NÃO CAIAM NO EQUÍVOCO CONTINUADO, DE PRÉ-LANÇAR NOMES DE PMS OU BMS PARA A POLÍTICA PARTIDÁRIA, PORQUE ALÉM DE PRÉ-MATURO, NÃO DÁ CERTO. NÃO CHEGAREMOS LÁ DESTA FORMA.
PRECISAMOS PARTIR DO PRESUPOSTO DE QUE UM PLEBISCITO É , AINDA, A FORMA MAIS ADEQUADA A DEMOCRACIA ( A EXPOSIÇÃO DOS NOMES A AVALIAÇÃO E DECISÃO DA MAIORIA).
PORTANTO NÃO INCENTIVEM NEM COMETAM OS MESMOS ERROS DO PASSADO.
VAMOS MUDAR ? SIM. COLOCAR GENTE NOVA SIM?. AGORA VAMOS EXPOR A APROVAÇÃO DA MAIORIA.
É COMO PENSO. MEUS RESPEITOS AS OPINIÕES ADVERSAS
ROCHA

Anônimo disse...

Rocha, comcordo com vc
Pq NÃO convocar uma grande assembleia geral para eleger 01 (um) dos canditados que se apresentarem no dia da assembleia, com esse objetivo, e trabalhar, pelo menso a maioria seus familiares, pelo nome escolhido.
Deixo ai a minha participacao tb

Anônimo disse...

oxente cb hailton, deixe o cara, se o sargento brás, é candidato ou não, no momento só interessa a ele, e se for candidato interessa a todos, ou vc é contra o cara, se ele for candidato ? vamos ajuda-lo se caso ele for candidato. atenciosamente sd célio

Anônimo disse...

é por isso e outros motivos, que voto com o sgt brás, para quer possamos melhorar nossas policias, e unirmos cada vez, não existi bope, rp, rpmon, todos somos iguais, todos dão o mesmo sangue, e pra que, uns terem vantagens (dinheiro) e outros não, sgt brás para deputado estadual, vai mudar essa concepção medilcre, atenciosamente cb costa

Anônimo disse...

CB HAILTON SE O SENHOR TRABAHOU COM SGT BRÁS, PORQUE NÃO ENTRA EM CONTATO COM ELE, POIS NUNCA TRABALHEI COM ELE, E MUITAS PESSOAS DO 4º BPM E BPESC, JÁ TEM, ANOTA AÍ VC E QUEM QUISER, 88630375, TENHO CERTEZA, QUE QUEM LIGAR, VAI TIRAR TODA A DUVIDA COM ELE, DEIXE O SARGENTO BRÁS NA DELE, DEIXE ELE NO PIANINHO, O CARA É SUPER INTELIGENTE, TENHAMOS A CERTEZA, QUE QUANDO A HORA CHEGAR ELE SE POSICIONARÁ, DISSO TENHO A CERTEZA, POIS MINHA DUVIDA JÁ TIREI.. PARABÉNS SGT BRÁS, POR SUA POSTURA, MANTENHA-SE, NA SUA... E QUEM QUISER POSTAR ALGO A RESPEITO, ASSIM O FAÇA, A FEM ANA, PERMITIRÁ. AT. CB RICARDO

Anônimo disse...

Minha amiga Sd Pfem Ana, um grupo enorme de Oficiais e Praças da PMAL, CBM, Agentes Penitenciários fizeram uma pós-graduação em Políticas e Gestão em Segurança Pública, entretanto, nenhum de nós foi convocado para particpar de nada, até hoje, com relação à Segurança Pública no Estado de Alagoas. Simplesmente a cúpula da SDS se reúne e diz o que tem que ser feito e implantado, sem a menor noção dos problemas que o Estado enfrenta.

Anônimo disse...

caro amigo Rocha e anonimo, não poderia discordar dos senhores, mas, o momento so vi o nome do sgt bras, então é nele que devemos confiar, sou militar, e todas as eleições aparecem sempre as mesmas caras, se plebiscto fizermos, com certeza ele passa, mais tenhamos acerteza, que aparecerá vários safados (oficiais) candidatos e velhas raposas praças, para macular a imagem do sgt brás, portanto, estou com ele, para deputado.. at sd armando

ASCOM da PMAL disse...

Comando Geral da PM reúne comandantes de OPM para esclarecer realinhamento

Comandante-geral junto a comandantes de OPM durante reunião sobre realinhamento

Na manhã desta segunda-feira (1), o comandante-geral da Polícia Militar de Alagoas (PMAL), coronel Dimas Barros Cavalcante, reuniu os comandantes de Unidades e Subunidades da Polícia Militar, da capital e interior, para falar sobre as decisões referentes à implantação do realinhamento nos salários dos militares.


O comandante-geral anunciou que, após o encontro com o governador Teotônio Vilela, junto ao Comando da PMAL e representantes das Associações, ocorrido na semana passada, ficou definido o pagamento dos 3% no salário de abril, referente à terceira parcela do residual de 7%; e a implantação do percentual de 5,83%, que corresponde ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), como reposição da inflação.

O realinhamento para os policiais militares será implantado assim que houver limite na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Segundo o coronel Dimas, o governador não pode definir uma data para a efetivação, mas garantiu que a mesma será realizada até dezembro deste ano.

Também estiveram presentes à reunião, o subcomandante-geral, coronel Mário Jorge Souza da Hora; o chefe do Estado Maior Geral (EMG), coronel Ivon Berto; o comandante do CPAI 3, coronel Luiz Carlos; o comandante do CPAI 2, coronel Neuton Bóia; o corregedor geral da PMAL, coronel Louvercy Monteiro; o diretor de Finanças, coronel Ricardo Santana; o comandante do CPAI 1, tenente-coronel Claudevan Albuquerque; e, representando o Comando do Policiamento da Capital (CPC), o tenente-coronel Neivaldo.

Começo das discussões

Na ocasião, o comandante-geral fez um breve resumo sobre as discussões com o Governo do Estado desde o momento em que foi apresentada a proposta referente ao piso salarial do soldado, implantando no ano passado, até as últimas decisões tomadas no final do mês de março.

Conforme o coronel Dimas, o projeto enviado pelo Gabinete Civil à Assembleia Legislativa do Estado (ALE) versava apenas sobre o vencimento dos soldados, e que outras discussões, como alterações na legislação da PMAL, a respeito das leis de promoção e do Estatuto, e estabelecimento de pisos para as demais categorias, também precisavam ser apreciadas.

“Neste momento percebemos que as discussões em torno de vencimentos também deveriam ser acompanhadas pelo Comando da PMAL, e não somente entre os membros da Secretaria de Gestão Pública e representantes das Associações de Militares”, destacou o comandante ao mencionar os movimentos realizados pelas Associações para reivindicar o realinhamento.

Em reunião recente com o governador Teotônio Vilela, o coronel Dimas alegou que além do reajuste é preciso discutir ações de segurança pública que visem tanto a segurança do cidadão como as condições necessárias ao trabalho diário do policial.

Comissão

O governador e o comandante da PMAL, além de representantes das associações, estiveram reunidos na semana passada. Segundo o comandante-geral, “houve avanços na discussão sobre o realinhamento, além de ter sido estabelecida a formação da comissão que vai acompanhar os limites da LRF”.

A citada comissão é formada por representantes da PMAL, Corpo de Bombeiros Militar (CBMAL) e de outros órgãos como a Secretaria Estadual de Gestão Pública (Segesp), Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz), Procuradoria Geral do Estado (PGE) e por integrantes das Associações Militares. Compõem a referida comissão o subcomandante-geral da PMAL, coronel Mário da Hora, o comandante do Policiamento do Interior (CPI), coronel João Marinho, e o chefe do EMG, coronel Ivon Berto. O CBMAL está representado pelo coronel Gláucio.

Anônimo disse...

QUER DIZER QUE QUANDO O ESTADO MELHORAR A ARRECADAÇAO E A LEI DE RESPONSABILIDADE PERMITIR , O GOVERNADOR VAI IMPLANTAR O REALINHAMENTO? SABE QUANDO SERÁ ISSO ? NUNCA!!!!!!!. É MAIS UMA BALELA DO SEU TÉO VILELA.

O Observador disse...

Deputado cobra mudanças no Programa Brasil Mais Seguro

O deputado Ronaldo Medeiros (PT) usou a tribuna da Assembleia Legislativa para criticar, mais uma vez, o programa Brasil Mais Seguro em Alagoas. O parlamentar disse que teve acesso ao relatório do mês de março do plano e se deparou com 207 mortes, um número maior que o mesmo período do ano passado, quando o programa ainda não havia sido instituído.

Para Medeiros, o programa necessita de ajustes urgentes, haja vista que sua meta para março era de 169. O parlamentar defende o envolvimento de várias secretarias no programa, como a de emprego e renda, educação, saúde, esporte e da mulher. “Sem elas, o dinheiro investido no Brasil Mais Seguro não terá retorno. Precisamos de capacitação, treinamento para jovens e adultos, enfim, de políticas públicas”, destacou.

Segundo o relatório, mais de 40% das mortes ocorrem na capital, Maceió. No mês passado, o bairro do Benedito Bentes registrou 13 mortes; a Cidade Universitária, 11; o Jacintinho, 10 e o Vergel, 6. Os números crescem nos fins de semana, onde de criminalidade é quatro ou cinco vezes maior que em dias comuns. Nos feriados, também há aumento. “Insisto em falar da miopia do governo em continuar o projeto como está. Não é só a legislação que temos de observar, mas adotar políticas preventivas. Não vamos combater a violência só com polícia. A questão é também social”, declarou o deputado.

Em aparte, o deputado João Beltrão (PRTB) foi solidário ao discurso do colega de plenário.

Anônimo disse...

existi uma estratégia no livro O PRINCIPE de MAQUIAVEL que ensina os bandidos políticos deste país,quer enfraquecer um povo organizado? faça que haja discordia entre eles,depois iluda alguns com excelente beneficios,ai sim comece a fazer de conta que tem:educação,saúde,segurança,trabalho,habitação,transporte...pronto você tem o atual estado de ALAGOAS. Querem vencer isto se organizem de fato.um ABRAÇO DE UM GUERREIRO

Anônimo disse...

existi uma estratégia no livro O PRINCIPE de MAQUIAVEL que ensina os bandidos políticos deste país,quer enfraquecer um povo organizado? faça que haja discordia entre eles,depois iluda alguns com excelente beneficios,ai sim comece a fazer de conta que tem:educação,saúde,segurança,trabalho,habitação,transporte...pronto você tem o atual estado de ALAGOAS. Querem vencer isto se organizem de fato.um ABRAÇO DE UM GUERREIRO

Emergência 190 disse...

VÍDEO: Sem as motocicletas Radiopatrulha “suspende” policiamento em Maceió

Há cinco meses os veículos estão parados por falta de pneus


Uma modalidade de policiamento dinâmica e de grande eficácia, em especial por causa do intenso tráfego na cidade, está prejudicada há cinco meses em Maceió. 27 das 36 motocicletas do Batalhão de Polícia de Radiopatrulha (RP) estão paradas por falta de pneu traseiro. A licitação para a compra dos acessórios deve acontecer em dois meses.

As motos são veículos que garantem agilidade nas operações policiais, principalmente em grotas, favelas e no horário de pico, nos principais corredores de trânsito da capital. O coronel Jaírrison, comandante do batalhão explicou ao EMERGENCIA190 que os pneus ainda não foram comprados devido o valor que excedente, sendo necessária licitação.

“Um pneu custa em média R$ 350 a R$ 400 reais e por conta do somatório não se adquire apenas um pneu ou dez. Eles são adquiridos por cota que ultrapassa o valor de licitação. Então temos que aguardar todo o tramite licitatório”, explicou.

O coronel disse também que o efetivo policial não está prejudicado e todos os policiais estão nas ruas garantindo a segurança da população em viaturas. rondas.

“Acredito que em 30 ou 60 dias as motos estão retornando ao policiamento de rua. A demora só acontece devido a tramitação da licitação que não ocorre por dentro da unidade e sim por outros órgãos alheio ao batalhão. Mas o pleito já foi encaminhado”, disse.

Na manhã desta quarta-feira, 04, o presidente do Conselho de Segurança Pública (Conseg), juiz Maurício Breda visitou vários batalhões da Polícia Militar (PM), entre eles o da RP. As visitas vao prosseguir até o final da semana. A idéia é confeccionar um relatório, onde exigirá meditas emergências nos problemas existentes.

ASCOM da PMAL disse...

Comando se reúne com Associações militares para tratar de assuntos referentes à Corporação

A reunião entre as representações de militares da reserva e da ativa com o comandante-geral, na tarde desta terça-feira (02) foi considerada produtiva. Em discussão foi colocada uma pauta de reivindicações que visam benefícios para todas as patentes, priorizando a Lei de Promoção e a jornada de trabalho, num primeiro momento, bem como o realinhamento salarial.

As lideranças apresentaram ao Comando vários pontos que defendem e que querem debater para se chegar a um consenso a exemplo do serviço extra voluntário, o Código de Ética da corporação, acesso à primeira graduação, AL Previdência, entre outros. Porém, para qu e não houvesse um atropelo, todos concordaram em expor e discutir imediatamente o que estaria incomodando mais a tropa, requerendo, portanto, mais urgência.

No tocante ao realinhamento, na tabela proposta pela Secretaria de Gestão Pública (Segesp) até abril de 2014 juntando os 3%, o IPCA e o realinhamento, um cabo passaria a receber R$ 2.870,00. Os militares rejeitaram e, somente com o IPCA e os 3% já agora em maio estarão com esse mesmo valor em salário.

O comandante também achou viável debater a Lei Orgânica e se prontificou a discutir com os policiais a questão relativa à licença especial. Duas comissões foram criadas com o intuito de dar celeridade às avaliações e aos debates entre as associações e o comando. Os policiais lembraram a importância de se ter acesso ao comandante para discutir problemas relacionados à base.

“O líder da tropa é o comandante. Se tiver um comandante que diga vamos puxar isso aqui, a gente vai até o fim. Esse momento é importante porque, ao contrário do comandante anterior, o senhor nos recebeu e se dispôs a intermediar as coisas. Esperamos que resulte em êxito”, afirmou o cabo Wagner Simas.

O coronel Dimas entende que a grande dificuldade era a separação da tropa. “Tudo se complicava porque existia o grupo dos oficiais e o grupo das praças. Pensamos, como uma instituição pode crescer se ela não pode aproveitar o que cada um tem de melhor? Temos que criar dentro da corporação um clima para evoluir, aqui não existe o que serve e o que não serve. Todos têm algo para contribuir e temos de agregar valores. Trabalhamos em prol da corporação e mostrando para a sociedade a nossa competência. Ninguém trabalha para o comandante, se tiver pensando assim e fazendo, está errado”, lembra.

E continua: “Não posso evoluir,, fazer nada sem discutir. Independentemente dos posicionamentos que tomaram ou que tomam. Eu não posso levar o posicionamento das associações para o campo pessoal. Todos nós acertamos e erramos”, concluiu o comandante.

Para discutir a Lei de Promoção foram indicados o sargento Ramalho, do Corpo de Bombeiros, o cabo Wagner Simas, da Aspra, sargento Teobaldo, da Associação dos Subtenentes e Sargentos (Assmal) e o major Fragoso, da Associação dos Oficiais Militares (Assomal).

A comissão para encontrar alternativas com o Departamento de Pessoal, juntamente com o coronel Albino, para as licenças especiais, jornada de trabalho e outros é formada pelo sargento Teobaldo, o subtenente Edvaldo e o cabo Filho.

Os militares expuseram para o coronel Dimas que está havendo disparidade no tocante às licenças causando desvantagens a alguns batalhões. “Antes não havia regra, agora é feito um estudo para que não haja injustiças, vamos fazer uma reavaliação e levar à mesa para discutir”, afirma o coronel. Ficou acertado que, por conta da data já marcada pelo Governo do Estado para a apresentação das propostas militares, dia 13 de maio, as discussões ocorrerão em sequência, todas as terças-feiras entre o comando e as lideranças militares.

Com Correio de Alagoas

Arthur Ramos disse...

No 8º Batalhão em Rio Largo, mais precisamente no quintal do aeroporto, existem seis motocicletas novas paradas por falta de motociclista habilitado para conduzí-las. Desde que cheguei lá, em meados de janeiro deste ano, pude constatar tal irregularidade. O comandante, Coronel pantaleão (boca de caçapa), sequer se preocupa em resolver o problema. Passa o dia todo monitorando sua mulher. Pega a viatura no meio do expediente e vai p casa de surpresa, sabe-se lá procurando o quê.

Anônimo disse...

Para resolver o problema da policia em geral, é uma valorização profissional uma policia para seguir carreira e não um interticio tão grande como se tem hoje, o salario digno para ter condições de manter sua familia, pois hj só se faz isso quem faz o famosso "bico", e essas escalas que acabam com a gente, mal da pra descansar, tem que respeitar o direito do policia militar. pois é o unico que não tem direitos respeitados e as associações não vêem isso.......... porque não fazem nada.

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver