Mais do mesmo: enxugando gelo

Desde a última sexta-feira nós, militares, estamos “imbuídos” em cumprir aquilo que o novo Comandante do Policiamento da Capital – encabeçado pelo Coronel Boia – tem traçado como diretriz: “a ocupação dos bairros considerados mais violentos e com o maior índice de criminalidade”.

Porém, há um pormenor que ainda não foi levantado: as fontes que indicam as áreas são oriundas da Secretaria de Defesa Social de Alagoas, a mesma instituição que maquia dados da violência para apresentar à sociedade um quadro de redução criminológica (ainda que os números reais desmintam-nos pesadamente).

E assim, recebemos com desconfiança, pois, tal determinação. Sobretudo depois das informações que nos chegaram fruto dos bastidores da alta cúpula da insegurança.

Por falar em “bastidores”, a saída do Coronel Gilmar Batinga do Comando do Policiamento da Capital teve motivo principal um fato algo que até hoje era de conhecimento de uns poucos: a traição por parte do Secretário Dário César (o que para nós pareceu uma ingenuidade por parte do “esperto” Gilmar, por não esperar tal conduta de Dário). Isso porque a promessa feita dois anos atrás pelo secretário, quando da assunção do Batinga ao Comando da Capital, era a de que ele seria o próximo Comandante Geral, sendo que antes deveria seguir a sequência lógica, ou seja, a de ser alçado ao subcomando.

Sabemos que isso não aconteceu, e mais: o coronel Dário botou na conta de Gilmar Batinga a incompetência da não redução dos números da violência, pagando com traição àquele que mais dedicou-se a causa do estancamento criminal, mesmo que esta tenha sido com atitudes espúrias, como a de sugar até a exaustão a já combalida tropa.

Batinga já mandou avisar que “amor com amor se paga”, e que “sua vingança não tardará”. Fosse eu, o Cabo Montana, o atual secretário – cujo prazo de validade no cargo encontra-se vencido a pelo menos dois anos –, poria as barbas de molho. Pois Gilmar tem importantes parceiros políticos (mais até do que o “vaidoso” Dário), razão pela qual eu não me surpreenderia com uma rasteira e uma possível catapultada de Batinga ao cargo que hoje é de Dadá.

Particularmente, se os leitores me permitem: os dois que se danem!

Ocorre que, embora tenhamos ocupado três grandes bolsões de pobreza, somente hoje (sábado) já contabilizamos sete homicídios, que ao somar-se aos cinco de ontem (sexta-feira), e a ter como referência o andamento do domingo, ultrapassaremos facilmente o número de pelo 20 mortes violentas somente nesse final de semana. Alguém duvida?

Na tarde de hoje, fiquei estarrecido quando minha viatura foi deslocada para atender uma ocorrência de isolamento de cadáver, justamente num dos bairros ocupados por nós, e praticamente colado ao BPE, no Jacintinho. A Travessa F, do Conjunto Claudionor Sampaio, era uma poça de sangue só. A conclusão é que a greve branca vence qualquer planejamento ou plano mirabolante, uma vez que todas ações são discutidos apenas entre as cabeças pensantes da tropa, excluídos os elementos de execução (cabos e soldados).

Por fim, merece destaque desonroso a figura do já conhecido nosso, “coronel” Maxwell (alcunhado no submundo palaciano como o ‘ensalivador escrotal’ geral, ou para os menos versados aos eufemismos: o babão-mor), cuja única competência e atribuição naquela secretaria é a de lubrificar o escroto do atual comandante da pasta, não medindo esforços para isto (Estou com 26 anos de polícia, e alguém mais antigo pode me dizer “por quais batalhões operacionais passou o oficial Maxwell mesmo?” Nunca me lembro de tê-lo visto numa ocorrência, ou até mesmo na rua...).

Estamos perdidos! Por isso,

Precisamos, com urgência, eleger um Deputado Estadual
para representar os nossos interesses!

12 comentários :

Anônimo disse...

Até que enfim alguém falou deste oficial. Gostaria de perguntar por que será que o jornalista Ricardo mota não comenta sobre a inoperância do dito oficial? Sabem porque?porque o senhor Maxuel articulou juntamente com o irmão do Dário que trabalha na tv pajucara para que o nobre jornalista Ricardo mota não comente mais nada ao seu respeito. Não podemos nos esquecer que o jornalista Ricardo sempre criticou o oficial por nunca ter assumido um batalhão e por que agora silencia de maneira ridícula. Com a palavra a briosa em foco.

JESB disse...

ESTÁ ESCRITO: O QUE O HOMEM SEMEAR, ELE CEIFARÁ. BEM COMO: AS MÁS COMPANHIAS CORROMPEM OS BONS COSTUMES. DIGO EU: SERIA BOM QUE O HOMEM DIRIGISSE SUA PASTA (ADMINISTRATIVA) SOB O COMANDO DE D'US (O SENHOR DOS EXÉRCITOS), LÓGICO, RESPEITANDO AS AUTORIDADES SUPERIORES NO QUE FOR LEGAL, SENÃO, O HOMEM ESTARÁ FADADO AO ERRO.

Anônimo disse...

Meu Caro amigo Montana.... é por isso e outros motivos, que voto com o sgt brás, para quer possamos melhorar nossas policias, e unirmos cada vez, não existi bope, rp, rpmon, todos somos iguais, todos dão o mesmo sangue, e pra que, uns terem vantagens (dinheiro) e outros não, sgt brás para deputado estadual, vai mudar essa concepção medilcre, ninguém falou que o sargento brás ta doente , alguém ouviu isso ?
atenciosamente cb costa

Anônimo disse...

QUERIA FALAR SÓ UMA COISA FORA DO ASSUNTO DESTE TESTO.
AQUI NA SEGUNDA CIA INDEPENDENTE DE NOVO LINO,TEM UM SOLDADO DE AGUA PRETA PERNAMBUCO QUE TRABALHA QUANDO QUER.
PORQUE TODO MÊS ELE PAGA A UM OFICIAL R$ 1.000,00 PARA NÃO TRABALHAR.
E O P/1 ESTÁ AQUI HA 6 ANOS,CHEGOU 2º TEN JÁ É 1º TEN E VAI SAIR CAPITÃO FAZENDO O QUE QUER, MAS É CURUQUEIRO .NEM OS OUTROS OFICIAIS GOSTÃO DELE.

Anônimo disse...

Dário César e Gilmar Batinga: não dou um pelo outro e não quero torna!

Ascom/Aspra disse...

Realinhamento: Parecer da PGE não agrada comissão militar

A comissão de militares formada na semana passada por intermédio do governador Teotonio Vilela Filho para acompanhar as contas do Estado junto às secretarias de Gestão Pública (Segesp) e da Fazenda (Sefaz) esteve reunida ontem à tarde para tratar de uma das reivindicações da categoria: o realinhamento salarial de cabo a coronel.

Um dos membros desta comissão, o presidente da Associação dos Praças da Polícia e Bombeiros Militares de Alagoas (Aspra/AL), Wagner Simas, informou que a solicitação de um parecer da Segesp pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) acerca do realinhamento não teria agradado a comissão.

“Posso garantir que a solicitação vinda da Segesp para um possível parecer da PGE no nosso realinhamento não foi bem-vista pela comissão. O que é mais uma vez lamentável”, frisou Wagner Simas.

O representante da classe explicou que a resposta da Segesp insinuou que os militares nestes seis anos de gestão do governo tucano tiveram um reajuste de 100% no salário, e que o realinhamento aplicado para agora infringiria a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Simas retrucou, dizendo que, ao contrário, os militares tiveram perdas, se referindo, por exemplo, à correção do quinquênio e de datas-bases. “Se tivéssemos ganhado 100% de aumento estaríamos devendo 60% deste salário ao Estado”, completou.

Anônimo disse...

Comissão aprova novas regras para apurar mortes causadas por policiais

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou no último dia 26 o Projeto de Lei 4471/12, que cria regras para a apuração de mortes e lesões corporais decorrentes das ações de agentes do Estado, como policiais. Pela proposta, esses casos deverão ter rito de investigação semelhante ao previsto para os crimes praticados por cidadãos comuns. O projeto foi apresentado pelos deputados Paulo Teixeira (PT-SP), Fábio Trad (PMDB-MS), Delegado Protógenes (PCdoB-SP) e Miro Teixeira (PDT-RJ).

O projeto altera o Código de Processo Penal (Decreto-Lei 3.689/41), que autoriza os agentes públicos e seus auxiliares a utilizarem os meios necessários para atuar contra o suspeito que resista à prisão. O código atual não prevê, porém, regras para a investigação no caso de o uso de força policial resultar em morte ou lesão corporal.

A proposta foi considerada como prioritária pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, durante a comissão geral sobre segurança pública realizada pela Câmara no último dia 19.

O parecer do relator, deputado Pastor Eurico (PSB-PE), foi pela aprovação da proposta, com emendas. Ele ressalta que hoje muitas vezes o uso da força policial não resulta na instauração de inquérito para apurar se a ocorrência foi resultante de estrito cumprimento do dever legal, legítima defesa ou se resultou de uso abusivo da força. “A falta de apuração acaba fazendo com que os casos de abuso policial não apareçam, tampouco sejam apurados”, disse.

Inquérito imediato

Pela proposta, sempre que a ação resulte em lesão corporal ou morte, o delegado deverá instaurar imediatamente inquérito para apurar o fato. A emenda do relator permite que o delegado deixe de recolher a vítima da lesão à prisão, se entender necessário à formação de provas e obtenção de informações. O Ministério Público, a Defensoria Pública e, onde houver, Ouvidoria ou órgão de atribuição análoga deverão ser comunicados imediatamente da instauração do processo.

Assim como é previsto para os crimes comuns, na investigação dos incidentes decorrentes da chamada “resistência seguida de morte ou lesão corporal” deverão ser recolhidos todos os objetos envolvidos no evento. Em caso de morte, as autoridades devem requisitar também o exame pericial do local. De acordo com emenda do relator, o delegado poderá ainda requisitar registros de comunicação e movimentação das viaturas envolvidas na ocorrência.

Corpo de delito e fotos

A proposta determina ainda que seja realizado exame de corpo de delito em todos os casos de morte violenta envolvendo agentes do Estado. Hoje, pelo Código de Processo Penal, esse exame é opcional em todos os casos. O laudo da apuração deverá ser entregue à autoridade requisitante e à família da vítima em até dez dias. O texto também proíbe que qualquer pessoa estranha ao quadro de peritos e auxiliares acompanhe o exame.

Além do exame de corpo de delito, o projeto exige a documentação fotográfica dos cadáveres “na posição em que forem encontrados”, bem como das lesões externas e de vestígios deixados no local. Os peritos deverão também juntar esquemas e desenhos da ocorrência. Hoje, essa documentação não é obrigatória.

Emendas

Outras emendas apresentadas pelo relator visam à adequação técnica dos termos empregados na proposta. Ele recomendou a substituição do termo “autópsia” por “necropsia”, por esta ser a expressão consagrada pela Medicina Forense. Além disso, sugeriu a alteração do termo “autoridade policial” por “delegado de polícia”, por ele ser a autoridade específica para condução do inquérito policial. “A ideia também é reforçar a atuação do delegado no combate aos eventuais irregularidades e ilegalidades praticadas por agentes de segurança pública”, enfatizou.

Tramitação

A proposta será analisada agora pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, antes de ser votada no Plenário.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Cláudia Galvão e Railton Teixeira disse...

Homem sobrevive após ser atingido por 9 disparos de arma de fogo

Um intenso tiroteio foi registrado na manhã desta segunda, dia 8, na região do Vale do Reginaldo, área de vulnerabilidade social. Um homem, identificado como Glebson Ferreira de Farias, foi atingido por nove disparos de arma de fogo e foi socorrido por uma unidade de salvamento avançado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado ao Hospital Geral do Estado (HGE).

De acordo com informações repassadas pela polícia, populares teriam ouvido inúmeros disparos em meio a uma perseguição e posteriormente encontraram a vítima agonizando. Entretanto, os policiais não sabem informar se a vítima portava alguma arma ou se possui envolvimento com ilícitos.

Durante o resgate da vítima, a polícia teve que empreender força para retirar os curiosos, que tentavam atrapalhar o trabalho policial. Ninguém quis fornecer informações sobre os envolvidos, no entanto, curiosos confirmaram que a vítima reside no Reginaldo, local do crime.

A reportagem do Alagoas24Horas entrou em contato com a assessoria de comunicação do HGE e foi informada que o paciente está sendo avaliado e deverá ser submetido a procedimento cirúrgico para retirada dos projéteis. Apesar dos ferimentos, o quadro da vítima é considerado estável.

Flávia Duarte disse...

IMLs registram 14 assassinatos durante o fim de semana em AL

A Perícia Oficial de Alagoas (Poal) registrou 14 crimes de homicídios durante o final de semana em Alagoas – das 7h de sábado (6) até as 7h desta segunda (8). Entre os crimes está o assassinato de uma mulher na cidade de Rio Largo.

Maria Antônia Vieira de Lima, 36 anos, foi encontrada morta em um saco plástico no Conjunto Maranata, em Rio Largo. Segundo informações da Poal, a dona de casa – que estava seminua e com os pés e mãos amarrados – foi espancada até a morte. A polícia não tem informações ainda sobre os autores ou motivações do crime. O assassinato já foi relatado pelo Alagoas 24 Horas.

Ainda na Grande Maceió, Cícero Pedro da Silva, 50, foi vítima de disparos de arma de fogo na manhã de sábado, dia 6, na Rua Traipu, no bairro de Canaã. No Jacintinho, o servente de pedreiro Cristiano Félix da Silva foi assassinado a tiros no Morro do Ary. Na cidade de Pilar, José Tiago da Silva, 28, foi executado com disparos de arma de fogo na madrugada deste domingo, dia 7, na Rua Aureliano Cavalcante, em Chã do Pilar.

Deram entrada ainda no IML de Maceió os corpos de José Vanderson dos Santos Azarias, 23, foi vítima de disparos de arma de fogo no Alto do João Miranda, em Atalaia; José Reginalvo da Silva do Nascimento, 19, morto a tiros em via pública em Cajueiro; Carlos Henrique Tavares, 19, assassinado a tiros na cidade de Boca da Mata; Manoel Bernardo de França, 29, foi morto a tiros na Aldeia Wassu Cocal, em Joaquim Gomes.

Em União dos Palmares, José Adriano da Silva Albuquerque, 36, foi assassinado a tiros no Conjunto Padre Donald; José Wallisson da Silva, 25, foi vítima de arma de fogo na Chã da Jaqueira; e Antônio Ruithemberg, 18, foi executado no bairro de Ouro Preto. Estes crimes já foram relatados pelo Alagoas 24 Horas.

Já no IML de Arapiraca, deram entrada os corpos de Pedro Augustinho dos Santos, 44, morto a tiros no Sítio Concho, de Taquarana – crime já relatado pelo Alagoas 24 Horas; Robson Santos de França, 18, foi assassinado neste sábado (6) com disparos de arma de fogo em praça pública da cidade de Campo Alegre; e Wellington Peixoto Barbosa foi vítima de arma de fogo no Povoado Serrinha, na zona rural de Mata Grande.

Mais.AL disse...

Homem "ninja" ataca ônibus em Maceió

O elemento foi capturado pela polícia antes da prática do assalto

Um fato assustador foi registrado na noite deste sábado, dentro de um ônibus coletivo, no bairro do Santos Dumont. Os passageiros se deparam com a invasão de um homem armado e disfarçado com uma touca ninja. Graças as abordagens de rotina da polícia, o elemento foi capturado, antes de cometer o assalto.

Foram apreendidos pela guarnição da Força Nacional, com Emanuel da Rocha Santos, 31, um revólver Tauris Calibre 38 com seis munições intactas, bem como uma capa para refil balístico e a touca ninja. O bandido foi autuado por porte ilegal de arma de fogo.

Anônimo disse...

Integrantes do Conseg divergem sobre utilização de policiais militares em segurança individualizada

Conselheiros querem que os militares de gabinete sejam designados para essas funções

Por Anna Cláudia Almeida e Vanessa Siqueira

A utilização de policiais militares para fazer a segurança individualizada em Alagoas gerou uma acirrada discussão durante a reunião, nesta segunda-feira (08), do Conselho Estadual de Segurança (Conseg). Quatro casos estavam em votação e os membros do conselho argumentaram que essa segurança poderia ser feita por policiais civis ou bombeiros.

O primeiro caso em pauta, cujo relator era o advogado Marcelo Brabo, envolveu o juiz Hélio Pinheiro, de São Miguel dos Campos, que já dispõe de segurança individualizada. Numa disputa balanceada, com seis votos a favor e cinco contra, o Conseg decidiu pela prorrogação por mais 30 dias.

As discussões sobre os casos de segurança pessoal foram motivadas por diversos questionamentos de conselheiros. Segundo Mário da Hora, a escolta de magistrados, promotores, desembargadores, poderia ser feita por Policiais Civis, alegando os policiais militares deveriam estar isentos desta questão.

Já Alfredo Gaspar de Mendonça, coordenador do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) e membro da entidade, votou a favor da prorrogação da segurança para o juiz, ressaltando a importância do papel do magistrado. Ele ainda teceu críticas afirmando ser uma falha de o Estado algumas pessoas precisarem recorrer ao conselho para garantir a integridade física.

Os conselheiros devem pedir ao Tribunal de Justiça de Alagoas para que seja colocada em prática uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para que os militares de gabinete sejam designados para essas funções.

De acordo com o presidente do Conseg, Maurício Brêda, a segurança particular será concedida a todos aqueles que se sentirem ameaçados.

Caso Otávio Praxedes

Ainda durante a reunião, os conselheiros – por unanimidade – decidiram prorrogar por 180 dias a segurança particular do desembargador Otávio Leão Praxedes. Ele e a família sofreram sérias ameaças de morte por integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC).

Maurício Brêda disse que este é um caso bastante preocupante por envolver um grupo criminoso responsável pela ameaça. “É uma situação séria e urgente e por isso o Conseg vai manter a segurança do desembargador”, colocou.

GRUPO DE PESQUISA EM SEGURANÇA PÚBLICA - GPSEG disse...

NESTA SEMANA, O SEGURANÇA EM DEBATE TRARÁ PROGRAMAS INÉDITOS TODOS OS DIAS, INICIANDO HOJE, SEMPRE ÀS 19H30, NO CANAL 16-TV FAROL (TV ABERTA), NO QUAL TEREMOS:

UMA SEMANA ESPECIAL DE ENTREVISTAS COM LIDERANÇAS SINDICAIS DE DIVERSAS CATEGORIAS EXPLANANDO ACERCA DAS SUAS CONDIÇÕES DE TRABALHO, PRINCIPAIS PLEITOS, dentre outros temas inerentes.

2ª Feira:
– Wellington Galvão: Presidente do Sindicato dos Médicos de Alagoas (SIMED)
– Marcelo Avelino: Diretor Executivo do Sindicato dos Agentes e Servidores Penitenciários de Alagoas (SINASPEN)

3ª Feira:
– Wágner Simas: Presidente da Associação dos Praças da Polícia Militar e dos Bombeiros (ASPRA)
– Delegado Antônio Carlos Lessa: Presidente da Associação dos Delegados de Polícia de Alagoas (ADEPOL)

4ª Feira:
– Perito André Braga: Representando a Associação dos Peritos Criminais
– Maj. Fragoso: Presidente da Associação dos Oficiais Militares de Alagoas (ASSOMAL)

5ª Feira:
– Stélio Pimentel: Diretor de Planejamento do Sindicato dos Policias Civis de Alagoas (SINDPOL)
– Cleif Ricardo: Presidente do Sindicato dos Guardas Municipais de Alagoas (SINDGUARDA)

Para quem é assinante da Net, este programa será exibido no Canal 09 (Sem decodificador) ou no canal 08 (Com decodificador).

Facebook: Segurança em Debate
Twitter: @segemdebate

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver