Oportunistas

Recentemente foi aprovada no plenário da Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas uma indicação de autoria do Deputado Estadual Jeferson Morais (DEM), que sugere ao Governo do Estado uma mudança na estrutura organizacional da Polícia Militar (art. 17, da Lei nº 6.399, de 15 de agosto de 2003 – LOB da PMAL), através da criação da função militar motorizada para policiais militares e bombeiros.
Através da proposta do deputado, policiais militares e bombeiros condutores de viaturas, motos e embarcações passarão a receber gratificações, o que, noutros termos, corresponde ao devido reconhecimento da importância da função.
Na prática, se esse projeto for aprovado acreditamos que isso irá resolver um grande problema para as instituições militares, pois atualmente a maioria dos militares que desempenham a função de motorista o fazem a contra gosto, pois não recebem qualquer incentivo por isso, o que frequentemente resulta na prisão de algum militar por insubordinação.
E já que o assunto é mudança na legislação castrense, o Cabo Simas, que cada vez mais anda ofuscado perante a tropa, preocupado com a sua carreira política, tem procurado contornar essa situação fazendo “articulações” e aparições midiáticas, tratando de diversos temas de interesse da tropa.
Sendo assim, não faz quinze dias ele apresentou ao governador um projeto para alterar a Lei de Promoções, através do qual o interstício da promoção de Soldado para Cabo deveria ser reduzido de 10 para 5 anos (60 meses), e o de Cabo para Terceiro Sargento de 5 para 3 anos (36 meses).

Paralelo a isso, o Cabo Simsa tem procurado se reunir com os representantes de diversos sindicatos (a exemplo do Sindpol, Sinteal, Urbanitários, Sindsmejal, Sindvigilantes, Sindnutri e Sindbancários). A “desculpa”, para reunir-se com os representantes de outras categorias, tem a ver com o momento: “a avaliação do índice inflacionário (IPCA), autorizado pelo governo como reajuste e aprovado pela ALE no percentual de 5,83%, que ficou abaixo da deflação real e sem a aplicação do ganho real”.
A meu ver, e eu posso até estar errado, o Cabo Simas coligou com os políticos errados, e age mais errado ainda quando ignora os representantes das demais associações militares. Inobstante a isso, se realmente houve-se interesse dele em fazer coisas relevantes pela Tropa, e não em prol de si mesmo, ele as teria feito quando teve oportunidade, ou seja, quando de sua passagem pela ACS, e não agora quando a sua importância e utilidade é menor que a das mercadorias de resto de feira.
Ainda relação à passagem do Cabo Simas pela ACS, há quem diga que por ele não “gerenciar” grandes cifras atualmente, como fazia outrora, aja vista que entidade por ele presidida não arrecada tanto assim, está depressivo agora resolveu investir na TELEXFREE (clique aqui).
E para que depois ninguém venha dizer que estamos inventando coisas tendenciosas contra o Simas, encerro esta postagem com a seguinte informação:
BGO nº 096 de 23 de maio de 2013
IV - Corregedoria Geral
a) Seção de Polícia Disciplinar
1. DESIGNAÇÃO DE OFICIAL
1.1. Portaria nº 045-Sind-CG/Correg., de 21.05.13
O Cmt Geral, no uso das atribuições que lhes são conferidas, de acordo com o artigo 14, § 1º, I, do RDPMAL, aprovado pelo Decreto nº 37.042, de 06.11.1996, designa o Maj QOC PM mat. 82154 José Daniel de Lima Neto para através de Sindicância apurar possível transgressão disciplinar entre os anos de 2008 a 2010, atribuída ao Cb PM mat. 78009 Wagner Simas Filho, Adido Especial à CCSv/Ajd. Geral, à época Presidente da Associação de Cabos e Soldados da PM e CBM/AL, por suposta administração fraudulenta (não prestação de contas) e desvio de recursos financeiros para a ASPRA em 2010, conforme Requerimento firmado pelo Cb PM mat. 77467 José Soares Cordeiro, Presidente da ACSPMCBM/AL, e Ata da 1ª Assembleia Geral Extraordinária da ACSPMCBM/AL. Conduta, abstratamente, prevista nos artigos 33, 34 e 35 da Lei nº 5.346/92 (Estatuto dos Policiais Militares do Estado de Alagoas) c/c art. 31, inc. XXVII, e art. 32, inc. XIX, XXV, XLV e LVIII, do RDPMAL.
Em consequência, o Sindicante compareça à Seção de Polícia Disciplinar da Corregedoria, no prazo de 48h, para recebimento da Portaria e demais documentos, ficando desde já orientado que o(s) Sindicado(s) deve(m) estar acompanhado(s) do(s) respectivo(s) defensor(es), em conformidade com a Portaria nº 001/2000-ASS-CG, de 04 de janeiro de 2000, e com a NP nº 146/12-CG/CORREG, publicada no BGO nº 088 de 10/05/2012, páginas 11 e 12.
Em resumo é mais ou menos assim: “a criatura devorou o criador” (isso porque, o Cabo Soares era o Secretário Geral da ACS, no período dos desvios, aprovando tudo o que Cabo Simas, presidente, fazia; sem falar, que ele mesmo, o Soares, assumia a presidência da entidade sempre que o Simas se afastava).
Eis mais uma razão para defendermos a tese que:
Precisamos eleger um Deputado para representar os nossos interesses!

22 comentários :

Por Anna Cláudia Almeida e Vanessa Siqueira disse...

Associação considera arbitrária denúncia sobre suposta tortura cometida por policiais militares

Defesa contesta provas apresentadas pela família da vítima; policiais serão ouvidos amanhã

Arbitrária. É assim que a Associação dos Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Alagoas (ASPRA) classificou o posicionamento da Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Alagoas, sobre a denúncia de suposta tortura praticada por militares contra um adolescente de 13 anos, no Conjunto Osman Loureiro, em Maceió.

A família que denunciou o caso disse que a tortura ocorreu no dia 26 de maio. Segundo a mãe, o filho teria sido abordado por policiais militares no conjunto e agredido com chutes, socos e choques elétricos. O garoto apresentava lesões por todo o corpo. A Comissão encaminhou à cúpula da Polícia Militar a denúncia de tortura solicitando a instauração de uma sindicância para apurar os supostos ilícitos ocorridos durante o evento e a punição dos autores, caso haja a comprovação do fato.

Segundo o presidente da ASPRA, Wagner Simas, a Comissão da OAB não foi coerente por tratar o caso como tortura pelo fato de que até o momento os militares denunciados pela família não foram ouvidos oficialmente. “A OAB foi infeliz com essa declaração arbitrária. A associação contesta essa denúncia de tortura porque não houve nenhum ato ilegal e os militares não podem ser culpados”, colocou o militar em entrevista à imprensa, na manhã desta quarta-feira (05), na sede da entidade.

A expectativa era de que os militares envolvidos no fato fossem se pronunciar sobre o assunto, mas, por orientação dos comandantes da base comunitária e com o objetivo de que eles sejam resguardados, a associação preferiu adiar essa manifestação dos agentes da segurança pública de Alagoas. O advogado de defesa, Rafael Ferreira, também preferiu não adiantar detalhes referentes à denúncia e garantiu esperar o andamento das investigações pelas Polícias Civil e Militar.

No entanto, Ferreira contestou as provas apresentadas até o momento. Segundo o advogado, a mãe do adolescente disse que o filho foi vítima de choque provocado por arma não letal [teaser], no entanto, essa arma nunca foi usada pelos militares da Base Comunitária do Osman Loureiro. “Todas as bases possuem apenas uma arma deste tipo. A que pertence a esta base foi entregue em dezembro e nunca foi utilizada pelos militares”, colocou o advogado dos policiais.

Ele afirmou ainda que, de acordo com as imagens divulgadas pelas emissoras de TV, o adolescente não possuía nenhuma marca de queimadura pelo corpo o que comprovaria que a denúncia é infundada. Da mesma forma, ele cita os supostos chutes e socos que os militares teriam desferido no adolescente. “Como um menor é agredido a chutes pelos policiais e não apresenta nenhum hematoma? Pelo porte físico dos militares, se isso tivesse acontecido ele deveria ter sofrido algum ferimento mais grave, como por exemplo ter uma costela quebrada”, expôs o advogado.

A Associação confirmou que, na manhã desta quinta-feira (06), os militares irão ser ouvidos oficialmente na Base Comunitária do conjunto e apresentarão as versões deles para o caso. O depoimento deles será concedido ao presidente da Comissão da OAB, Daniel Nunes, e à promotora do Ministério Público Estadual, Karla Padilha.

Anônimo disse...

NÓS QUE NÃO ATESTAMOS ESSES FALSOS LÍDERES (MAJ FRAGOSO, SARGENTO TEOBALDO, CABOS SIMAS, SOARES, ETC) QUEREMOS DIZER AOS LEITORES QUE ESTAMOS INVESTIGANDO E LEVANDO DIRETO PARA O MP, PF, TRT, INSS, ETC, OS DEVIOS DESSES MALANDROS. FORA MAJOR FRAGOSO! FORA SARGENTO TEOBALDO! FORA CABO SIMAS! FORA CABO SOARES! FORA! FORA! FORA!

Anônimo disse...

Parabéns pela matéria ,mas não devemos fazer juízo de valor de ninguém ,porque já fui vitima desse sistema mediocri ,maquiavélico,mesquinho,mal ,perverso,para satisfazer o ego de alguém(CEL) ou para promover alguém(CEL) fiquei preso por 6 meses injustamente e posteriormente fui inocentado pela justiça e pela PMAL, mais senhores oficiais não esqueçam do que diz a constituição federal do Brasil : O princípio da presunção da inocência (ou princípio da não-culpabilidade, segundo parte da doutrina jurídica) é um princípio jurídico de ordem constitucional, aplicado ao direito penal, que estabelece o estado de inocência como regra em relação ao acusado da prática de infração penal. Está previsto expressamento pelo artigo 5º, inciso LVII, da Constituição Federal, que preceitua que "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado desentença penal condenatória". Isso significa dizer que somente após um processo concluído (aquele de cuja decisão condenatória não mais caiba recurso) em que se demonstre a culpabilidade do réu é que o Estado poderá aplicar uma pena ou sanção ao indivíduo condenado.
Em termos jurídicos, esse princípio se desdobra em duas vertentes: como regra de tratamento (no sentido de que o acusado deve ser tratado como inocente durante todo o decorrer do processo, do início ao trânsito em julgado da decisão final) e como regra probatória (no sentido de que o encargo de provar as acusações que pesarem sobre o acusado é inteiramente do acusador, não se admitindo que recaia sobre o indivíduo acusado o ônus de "provar a sua inocência", pois essa é a regra). Trata-se de uma garantia individual fundamental e inafastável, corolário lógico doEstado Democrático de Direito.

RDPMAL é um decreto não tem a força de uma lei (CFB).

Anônimo disse...

São dois mal caráter que se importam com o próprio bolso e não com a tropa.

Anônimo disse...

É por isso que saí da associação faz 4 anos, pois só tem gente desonesta e descompromissada com nós praças. Simas é o maior exemplo de pessoa desonesta e bandoleira. Acabou com a Associação e o Soares acabou com o restinho que tinha sobrado. Duas almas sebosas.

Anônimo disse...

Veja o que o Simas ganhou, falando suas besteiras, tentando dar uma de intelectual:

http://tnh1.ne10.uol.com.br/video/ponto-critico/2013/06/05/o-presidente-da-associacao-de-pracas-da-policia-militar-deu-hoje-uma-infeliz-declaracao

Dr Onofri disse...

Ao comentarista que disse "RDPMAL é um decreto não tem a força de uma lei (CFB)"...

Opa, calma lá, companheiro.

O RDPMAL foi aprovado por um Decreto Estadual, no caso, o Decreto 37.042, que tem basicamente 02 artigos.

Logo, o RDPMAL não é e nem nunca foi nenhum decreto. Cheque essa informação na fonte.

Anônimo disse...

Ele pensa que no final vai sair assim, rindo com a cara mais lavada do mundo. Eu só digo uma coisa: ele até pode ficar sorrindo assim, no final de uma matéria, mas na vida real, ele vai chorar e vai se arrepender muito. Quem viver, verá.

Anônimo disse...

UM deputado e um bom administrador pra nossa associação alguém que tenha base para brigar na justiça pelos nossos direitos, esse pessoal, que não tem perspectiva de futuro e que estão acomodados com essa associação, vamos tentar mudar, p conseguir alguma coisa boa pras os pms que estão na rua que vc trabalhar numa escala de 24x48 é desumano, será que vamos trabalhar o resto da vida a mais sem ser remunerado, e os novos candidatos a presidente de associação, eu não votei no antigo nem no que esta atualmente, e quero muito que dessa vez assuma alguém mais interessado em mudar a cara de pm

Anônimo disse...

Infelizmente aquele recruta doido do velames não ganhou p acs, mas se ele tem base pra ganha procedimentos judiais contra esses coronéis que viviam perseguindo ele durante anos e , deveríamos ver alguém que também lutasse p todos que estão nessa pm sem futuro

Anônimo disse...

PMAL e bosta é tudo igual...

Anônimo disse...

Quando aprovar esse projeto, só serão motoristas os "peixes"(pessoal do administrativo). Quero ver se vão ficar empurrando os recrutas para dirigir. Infelizmente o sistema é assim, rolou dinheiro só irão os "peixes".

Anônimo disse...

Mesmo assim voto no Simas. O cara é batalhador.

Anônimo disse...

e essa proposta de alteração na lei de promoção. Será q vai ser aprovada?

leo disse...

Oque falta para aprovar essa gratificação.

Wagner Simas disse...

Nessa quinta-feira, participei junto com o jurídico da ASPRA (Dr. Rafael e Dra. Karen) da reunião com a Comissão de Direitos Humanos da OAB e dos Direitos Humanos da Policia Militar para acompanhar a narrativa dos militares que tiveram de forma parcial, um julgamento antecipado pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, diante da acusação de tortura praticada por uma guarnição militar, feita pela genitora de um menor infrator.

Nascimento Hailton disse...

JORNALISTA DESTILA PRECONCEITO CONTRA PMs E CHAMA Cb DE IGNORANTE.

O jornalista Ricardo Mota em sua coluna Ponto Crítico exibida num telejornal local no dia 06.06.13, atacou o presidente da ASPRA-Al (Associação das Praças de Alagoas), Cb PM Wagner Simas e em vários momentos chegou mesmo a chamá-lo de ignorante ao dizer que declarações contra os Direitos Humanos ou eram por ignorância ou por convicções políticas e enquadrou o Cb PM na primeira de suas categorias dizendo que suas declarações eram por puro desconhecimento.
Já ao criticar o presidente do Sindicato dos médicos de Alagoas que no ano passado deu declarações dizendo que o atual estado de violência é culpa em parte dos direitos humanos e do ECA, o jornalista fez questão de diferenciar “aí não se pode falar em ignorância”.
Percebe-se nas entrelinhas que as declarações do jornalista vem recheadas de preconceito contra as praças PMs.
Pq as declarações do presidente da Associação das Praças Militares são por ignorância e as do presidente do Sindicato dos Médicos não? Será que o jornalista pensa que todo praça é um burro, ignorante, truculento que não tem condições de opnar sobre qualquer assunto que seja?
Provando ao jornalista o contrário, gostaria de dizer que se por um lado não podemos tratar A Declaração Universal dos Direitos Humanos como mera descrição de princípios por outro não podemos afirmar que a recepção de tal declaração pelo ordenamento jurídico brasileiro tornou verdadeiramente efetivados os direitos naturais. Explíco-me melhor; a norma jurídica é a exteriorização da vontade do legislador e para ser aplicada ao caso concreto precisa também da vontade humana, a norma jurídica existe num campo abstrato e não tem vida em si mesma, precisando sempre da vontade humana para ser efetivada e é essa vontade humana que no mais das vezes carregada de interesses pessoais dão margem as declarações simplistas que fazem parte do senso comum.
Noutras palavras, não são os direitos humanos, mas sim as entidades enarregadas de defendê-los que por sua atuação desprovida de um censo ético e voltada tão somente a promoção pessoal, dão margem a interpretação de que direitos humanos é para defender bandido.
Nunca se viu nem jamais se verá na porta do cidadão comum, trabalhador e ordeiro um membro dessas tais entidades defendendo seus direitos humanos, que a todos pertencem mas que a poucos são dados.


José Hailton Mariano do Nascimento – Cb PM

Amigo do Bonfa disse...

Agora o BONFA já pode casar... Vejam:


FAB reconhece como dependente marido de sargento homossexual

Militar de 29 anos entregou certidão de união estável com companheiro.

Aeronáutica não confirma se é 1ª união homoafetiva militar reconhecida.

Força Aérea Brasileira reconheceu o casamento homossexual de um sargento de 29 anos que trabalha no Recife e aceitou o pedido dele para cadastrar como dependente o marido, um vendedor de 35 anos.

O reconhecimento foi publicado em 22 de abril no boletim interno ostensivo número 75 do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta 3), no Recife, onde o militar, L.A.O.N., trabalha há 7 anos como controlador de voo. O casal procurou um cartório do Recife para oficializar a união de mais de 3 anos em 4 de fevereiro deste ano.

A pedido do militar, o G1 omite os nomes dele e do marido e o endereço do casal, que estão publicados no boletim da FAB. A Aeronáutica não o autorizou a falar sobre o assunto.



07/06/2013 17h41 - Atualizado em 07/06/2013 17h41
FAB reconhece como dependente marido de sargento homossexual
Militar de 29 anos entregou certidão de união estável com companheiro.
Aeronáutica não confirma se é 1ª união homoafetiva militar reconhecida.

Tahiane Stochero Do G1, em São Paulo
145 comentários

A Força Aérea Brasileira reconheceu o casamento homossexual de um sargento de 29 anos que trabalha no Recife e aceitou o pedido dele para cadastrar como dependente o marido, um vendedor de 35 anos.

O reconhecimento foi publicado em 22 de abril no boletim interno ostensivo número 75 do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta 3), no Recife, onde o militar, L.A.O.N., trabalha há 7 anos como controlador de voo. O casal procurou um cartório do Recife para oficializar a união de mais de 3 anos em 4 de fevereiro deste ano.

A pedido do militar, o G1 omite os nomes dele e do marido e o endereço do casal, que estão publicados no boletim da FAB. A Aeronáutica não o autorizou a falar sobre o assunto.
dependente fab vale (Foto: Reprodução)Boletim ostensivo do Cindacta do Recife mostra reconhecimento e inclusão de companheiro de sargento como dependente (Foto: Reprodução)

Segundo a FAB, o reconhecimento ocorreu após o sargento apresentar uma escritura pública declarando união estável com o companheiro de mesmo sexo em 2 de abril deste ano.

A Aeronáutica diz que não pode confirmar se este é o primeiro reconhecimento de uma união homossexual na Força porque não há uma separação nos registros entre casais heterossexuais dos casais do mesmo sexo.

Ao ser reconhecido como marido de L., que é sargento de carreira da FAB, o vendedor A. terá direito a benefícios de saúde da Aeronáutica e também a uma pensão e outros benefícios em caso de morte do companheiro, com o qual mora há 3 anos.

Outro benefício é o de moradia, garantido para famílias militares. O sargento poderá ingressar em um cadastro e solicitar uma casa para morar, sob um desconto em seu pagamento.

A FAB informou que não faz distinções e que o nome do companheiro e o endereço residencial do sargento homossexual foram publicados no boletim ostensivo como é procedimento padrão para todos os casos de pedido de reconhecimento.

Em 2012, um major médico do Exército, que atua em São Paulo, casou-se com seu companheiro, mas até o momento não havia pedido o reconhecimento do matrimônio e o reconhecimento de seu companheiro como dependente. O Exército não informou quantos casais homossexuais já tiveram o direito de união estável homoafetiva reconhecido internamente.

Em maio de 2011, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu, por unanimidade, a união estável entre casais do mesmo sexo como entidade familiar. Na prática, as regras que valem para relações estáveis entre homens e mulheres serão aplicadas aos casais gays.

Em maio de 2013, uma decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou uma resolução que obriga os cartórios de todo o país a celebrar o casamento civil e converter a união estável homoafetiva em casamento.

Anônimo disse...

E UMA VERGONHA, E COMO BEM FALOU O ANONIMO, DECRETO NÃO É LEI, SE NÃO É LEI, NÃO TEM VALIDADE ALGUMA,PORTANTO SOU DE ACORDO QUE TEMOS DE ELEGER UM POLICIAL MILITAR, E POR SINAL, UM PRAÇA, PORQUE, OFICIAL OS SENHORES JÁ SABEM, NÃO VALEM DE NADA, ENTÃO VAMOS CONHECER O SGT BRAZ, E VER SE ELE REALMENTE É CANDIDATO A DEPUTADO, CASO NÃO, INDICAREMOS OUTRO. SGT LIMA,

Anônimo disse...

MANDA O sargento GARCIA PRENDER O ZORRO

Anônimo disse...

URGENTE - OBSERVEM SEUS EXTRATOS BANCÁRIOS A ACS ESTÁ DESCONTANDO UM VALOR DE R$ 18,36 EM QUASE 5 PARCELAS - ESTOU AJUIZANDO UMA AÇÃO CONTRA A MESMA POR "PASSAR A MÃO NO MEU DINHEIRO" RAÇA DE CANALHAS.

Anônimo disse...

Desejo ver a minuta na íntegra. Quem a possuir por favor publique. Dizem que foi amplamente divulgada só se foi com as associações que diga-se de passagem não nos representa!

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
Não se omita, deixe a sua participação.

Se quiser fazer contato por e-mail, escreva para contatobriosaemfoco@gmail.com

Guarnição da bef

Destaque nos últimos 30 dias

 
Meu Profile: Área Restrita - Somente PESSOAL AUTORIZADO pode ver